Como sobreviver à desaprovação dos pais?

A constante invalidação dos nossos pais pode continuar a nos influenciar no presente, afetando a forma como construímos histórias, revisamos o passado ou olhamos para o futuro.
Como sobreviver à desaprovação dos pais?

Última atualização: 04 Outubro, 2021

Sobreviver à desaprovação dos nossos pais pode ser um desafio que ocupa grande parte das nossas vidas. Não importa se usamos pele de adulto e se as nossas responsabilidades estão longe do lar onde fomos criados. A sombra daqueles pais acostumados a criticar, sancionar ou subestimar tudo o que fazemos pode nos perseguir por muito tempo.

Quem já sofreu esse tipo de dinâmica guarda uma cena específica na memória. Aquela em que a mãe critica o modo de vestir da filha ou aquela em que o pai desaprova o tipo de amigo que o filho traz para casa.

As primeiras críticas se tornam sementes que distorcem a imagem de alguém. Se não houver um tratamento adequado desses comentários, o autoconceito pode ser muito afetado.

Uma desaprovação é uma invalidação, e poucas coisas podem ser mais prejudiciais para o nosso desenvolvimento pessoal. Da mesma forma, quase sem perceber, podemos acabar herdando aquelas narrativas que nossos pais embutiram em nós.

Muitas vezes, o substrato da baixa autoestima vem da maneira como nossos pais falavam conosco.

O diálogo baseado na desaprovação às vezes é passado de pai para filho. Falamos com nossos filhos da mesma maneira que eles falaram conosco e, pior, da maneira como falamos conosco.

Menino triste e pensativo

Conselhos para sobreviver à desaprovação dos nossos pais

Oferecer carinho, empatia e, acima de tudo, validar os filhos se reverte diretamente para o seu bem-estar. Isso foi evidenciado por um estudo da Arizona State University (Estados Unidos) que afirmou que a aprovação e a expressividade materna positiva otimizam as habilidades sociais das crianças.

No entanto, o ferrão da desaprovação é uma dinâmica frequente na criação de filhos e na educação. São atitudes para invalidar o que a criança faz, diz ou sente. Aspectos próprios são questionados e criticados, incluindo suas necessidades. Portanto, é comum que duas consequências surjam como resultado.

Por um lado, a criança ou adolescente sentirá a necessidade de buscar a aprovação dos pais como único meio de validação e fonte de bem-estar. Por outro lado, é comum que acabem se desligando de si mesmas, que se questionem e que sempre busquem fontes externas de validação para se sentirem bem. Tudo isso costuma levar a transtornos de ansiedade e até depressão.

Vamos manter isso em mente: é muito comum chegar à idade adulta ainda sofrendo com a reprovação dos nossos pais. O que podemos fazer? Como agir nesse tipo de situação?

Ensaie uma conversa: é hora de estabelecer limites

A adolescência e os primeiros anos da juventude são aqueles momentos em que você toma decisões que nem sempre agradam seus pais. Fazer isso não é apenas adequado, é a lei da vida. Isso implica estabelecer limites, alertando sobre o que permitiremos e o que não permitiremos.

Este ato não é um desafio. É um mecanismo para que o relacionamento seja mais fluido, informando sobre o que realmente queremos. Se não fizemos isso na hora certa, terá que ser feito na idade adulta. Isso implica ter que ensaiar previamente aquela conversa que devemos ter com nossos pais. Essa etapa nos permitirá ganhar maturidade e independência.

Um exemplo: “Agradeço pelo seu apoio e conselho. No entanto, não posso aceitar que você reprove minhas decisões. Você não pode intervir na minha vida ou desvalorizar o que eu faço, o que sou ou o que não faço. Esses comportamentos me magoam. Eu peço que você não faça mais isso. “

Aprenda a desapontar para sobreviver à desaprovação dos pais

Existe um passo essencial para superar a desaprovação dos nossos pais: desapontá-los. Às vezes, parar de se ajustar às expectativas dos outros é a melhor forma de ser livre, de conseguirmos ser nós mesmos.

Às vezes, passamos metade das nossas vidas tentando satisfazê-los. Porém, chega um momento em que é necessário impedir que sejam os juízes das nossas vidas. Em muitos casos, decepcioná-los significa assumir a responsabilidade de traçar nosso próprio caminho.

Concentre-se em seus próprios interesses para eliminar o condicionamento tóxico

Sofrer a desaprovação de nossos pais pode ter sido nosso medo mais incapacitante. Passamos muitos anos presos por aquele condicionamento tóxico que nos atordoou, desacelerou e se apoderou de nós. Portanto, pode ser hora de procurar outras referências além de nossos pais.

Focar nos próprios desejos é uma forma de nos libertarmos daquelas camadas que, por muito tempo, nos impediram de crescer como pessoas livres e autênticas.

Chega um momento em que você é forçado a refletir sobre quais narrativas são suas e quais você herdou dos seus pais. Talvez você esteja focando sua vida em objetivos e filtros que foram instilados em você e que limitam completamente a oportunidade de ser VOCÊ MESMO, de ser feliz como você merece.

Bonecos manipulados

Reformule narrativas herdadas para alcançar a sua felicidade

Nós mantemos narrativas originais de eventos em nossa memória. Nós as escrevemos com base em outras narrativas, na personalidade e no caráter.

É provável que a marca da desaprovação dos nossos pais continue a existir na nossa forma de construir narrativas, explicar acontecimentos, limitar projetos e até olhar para o futuro.

É hora de pensar sobre isso para limitar sua influência de forma consciente. Às vezes, a verdadeira liberdade começa com o corte de um cordão umbilical que ainda nos liga àquelas figuras familiares das quais somos prisioneiros.

Pode interessar a você...
Os pais que gostaríamos de ter (e não tivemos)
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os pais que gostaríamos de ter (e não tivemos)

Os pais que gostaríamos de ter e não tivemos muitas vezes formam uma marca que fere e que nos acompanha pelo resto da vida. É um vazio.



  • Hamza, C. A., & Willoughby, T. (2011). Perceived parental monitoring, adolescent disclosure, and adolescent depressive symptoms: A longitudinal examination. Journal of Youth and Adolescence, 40(7), 902-915.
  • Marceau, K., Narusyte, J., Lichtenstein, P., Ganiban, J. M., Spotts, E. L., Reiss, D., & Neiderhiser, J. M. (2014). Parental knowledge is an environmental influence on adolescent externalizing. Journal of Child Psychology and Psychiatry. doi:10.1111/jcpp.12288
  • Stattin, H., & Kerr, M. (2000). Parental monitoring: A reinterpretation. Child Development, 71(4), 1072-1085.
  • Zhou, Q., Eisenberg, N., Losoya, S. H., Fabes, R. A., Reiser, M., Guthrie, I. K., … Shepard, S. A. (2002). The relations of parental warmth and positive expressiveness to children’s empathy-related responding and social functioning: A longitudinal study. Child Development, 73(3), 893-915.