Subtipos da depressão maior: sintomas que devemos conhecer

Existem até oito subtipos de transtorno depressivo maior, e cada um exige uma intervenção com características particulares. É importante conhecer seus sintomas para agir o mais rápido possível.
Subtipos da depressão maior: sintomas que devemos conhecer
Valeria Sabater

Escrito e verificado por a psicóloga Valeria Sabater em 15 Novembro, 2021.

Última atualização: 15 Novembro, 2021

Em algum momento, uma parte de nós sofrerá de um problema de saúde mental. Porém, cada pessoa vai vivenciá-lo de uma maneira particular, pois cada realidade é única e boa parte das condições psicológicas apresentam múltiplas singularidades. Um exemplo disso é o transtorno depressivo e os diferentes subtipos de depressão maior.

A heterogeneidade nos convida a abordar cada realidade clínica a partir das necessidades e circunstâncias específicas do paciente/cliente. Tratar a distimia (depressão crônica de baixo grau) não é o mesmo que tratar a depressão pós-parto. Assim, para além do interesse acadêmico no que se refere à compreensão desta realidade, é importante identificar a tipologia para decidir qual é a abordagem terapêutica mais adequada.

Do ponto de vista social, é importante compreender que a depressão não é apenas um estado de espírito triste e fugaz. Estamos enfrentando um problema complexo que afeta o corpo e a mente e, em muitos casos, limita nossa capacidade de funcionar em qualquer área de nossas vidas.

O transtorno depressivo maior é uma das principais causas de licença médica. Porém, não é fácil detectá-lo porque cada pessoa o vivencia de uma forma diferente e arrasta essa sintomatologia há muito tempo.

Homem sofrendo de depressão maior

Quantos subtipos de depressão maior existem?

Conforme explicado em um estudo recente da Escola de Medicina da Universidade Jiao Tong em Xangai, China, a depressão maior continua sendo um dos transtornos psiquiátricos mais comuns. É também uma das de maior impacto econômico, tanto no custo dos tratamentos e nas licenças médicas quanto na própria economia dos pacientes.

Até hoje, ainda não temos clareza sobre quais são os verdadeiros gatilhos dessa condição. No entanto, é um dado adquirido que a depressão maior é o resultado de uma interação complexa entre aspectos sociais, psicológicos e biológicos. Da mesma forma, é importante considerar que essa condição se enquadra em um amplo espectro em que existem até 8 subtipos de depressão maior.

Vamos analisá-los a seguir, esclarecendo primeiro que eles podem ser organizados em três categorias, a partir das quais cada tipologia se manifesta.

Depressão maior com comorbidade

Na depressão maior com comorbidade, ela coexiste no mesmo paciente/cliente com outros transtornos psicológicos.

1. Depressão psicótica

A depressão com sintomas psicóticos é uma forma bastante séria de depressão maior. Geralmente se manifesta da seguinte forma:

  • A pessoa sofre de alucinações e delírios juntamente com os principais sintomas do transtorno depressivo, ou seja, cansaço, alterações de humor, desesperança, distúrbios do sono e da alimentação, sentimentos de inutilidade, problemas de concentração, ideias suicidas…

2. Depressão catatônica

Entre os subtipos de depressão maior está a catatônica. Esta cursa com a incapacidade de se mover, falar e responder a estímulos externos.

Trabalhos de pesquisa, como os realizados no Hospital Universitário Basurto de Bilbao (Espanha), evidenciam que esta realidade costuma ser muito resistente à intervenção. No entanto, se for diagnosticada precocemente, o prognóstico melhora significativamente.

3. Depressão ansiosa e irritável

Na depressão maior ansiosa e irritável, vários estados de humor se sobrepõem, adicionando uma grande complexidade à vida do paciente. Somando-se aos sintomas básicos do próprio transtorno depressivo estão a preocupação constante, a inquietação, a agitação, a sensação de perder o controle e o sofrimento persistente.

Além disso, esse tipo de depressão ansiosa também se manifesta com irritabilidade e até hostilidade.

4. Depressão mista (maníaca e hipomaníaca)

Os subtipos de depressão maior incluem um estado muito particular de bipolaridade. O paciente pode passar por estados de grande atividade e exaltação, momentos de grande efusividade emocional que, depois de algum tempo, levam ao desânimo, imobilidade, angústia, etc.

De acordo com o início e a duração

A depressão maior, como bem indicamos, desenvolve-se de maneira única e particular em cada paciente. Por isso, também é importante atentar para outros fatores, como a sua duração:

5. Depressão sazonal ou de longo prazo. Nesse caso, esse transtorno pode ter uma duração específica que aparece e desaparece em diferentes épocas do ano. Pessoas com transtorno bipolar ou depressões sazonais, por exemplo, podem chegar a essas realidades. Por outro lado, também há quem arraste essa depressão por meses ou anos.

6. Depressão pós-parto. A depressão que ocorre após o parto também pode levar ao transtorno depressivo maior.

Pai triste com seu filho

De acordo com as suas características

Dentre os vários subtipos de depressão maior, vale destacar aqueles que, por suas características, merecem uma seção especial.

7. Depressão melancólica. Consiste em uma forma grave de depressão que surge com falta de resposta motora, insônia, perda de peso, sentimentos constantes de culpa, incapacidade de responder ao entorno, anedonia, etc.

8. Depressão atípica. Nesse caso, geralmente aparece um quadro de sintomas totalmente oposto ao da depressão melancólica. Teríamos ganho de peso e hipersonia (vontade constante de dormir). No entanto, também aparecem sentimentos de tristeza, desânimo, etc. Como característica singular, deve-se destacar que a depressão atípica apresenta momentos em que se consegue reagir a estímulos e situações positivas.

Descrever os subtipos de depressão maior nos permite entender algo muito básico: enfrentamos uma condição altamente complexa, multifatorial e desafiadora em todos os níveis.

No entanto, um bom diagnóstico nos permitirá traçar um bom plano de tratamento. Vamos lembrar que a depressão é tratada e superada quando pedimos ajuda.

Pode interessar a você...
Depressão maior resistente: quando o tratamento não funciona
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Depressão maior resistente: quando o tratamento não funciona

A depressão maior resistente ou depressão refratária geralmente não responde aos tratamentos farmacológicos comuns. Saiba mais neste artigo.



  • Fava M, Uebelacker LA, Alpert JE, Nierenberg AA, Pava JA, Rosenbaum JF. Major depressive subtypes and treatment response. Biol Psychiatry. 1997 Oct 1;42(7):568-76. doi: 10.1016/S0006-3223(96)00440-4. PMID: 9376453.
  • Musil, R., Seemüller, F., Meyer, S., Spellmann, I., Adli, M., Bauer, M., Kronmüller, K. T., Brieger, P., Laux, G., Bender, W., Heuser, I., Fisher, R., Gaebel, W., Schennach, R., Möller, H. J., & Riedel, M. (2018). Subtypes of depression and their overlap in a naturalistic inpatient sample of major depressive disorder. International journal of methods in psychiatric research27(1), e1569. https://doi.org/10.1002/mpr.1569
  • Li, Z., Ruan, M., Chen, J. et al. Major Depressive Disorder: Advances in Neuroscience Research and Translational Applications. Neurosci. Bull. 37,863–880 (2021). https://doi.org/10.1007/s12264-021-00638-3