A Teoria da Codificação Dual, de Allan Paivio

fevereiro 2, 2020
A teoria da codificação dual proposta por Allan Paivio é uma teoria que tenta dar o mesmo peso ao processamento verbal e não-verbal.

A Teoria da Codificação Dual é uma teoria cognitiva desenvolvida por Allan Paivio, em 1971, baseada na ideia de que a formação de imagens mentais ajuda na aprendizagem. Essa teoria propõe que é possível dar um impulso ao aprendizado e ampliar o material de estudo por meio de associações verbais e imagens visuais.

Nossa cognição é um processo complexo que é capaz de lidar simultaneamente com a entrada da linguagem e os objetos e eventos não-verbais.

De acordo com a Teoria da Codificação Dual, de Allan Paivio, nosso sistema de linguagem lida diretamente com a entrada e saída linguística, enquanto utiliza imagens simbólicas para acomodar o comportamento e o evento. Portanto, está equipado com uma dupla funcionalidade.

“A cognição humana é única porque se especializou em lidar simultaneamente com a linguagem e com os objetos e eventos não-verbais. Além disso, o sistema de linguagem é peculiar, já que lida diretamente com a entrada e saída linguística (em forma de fala ou escrita) e, ao mesmo tempo, cumpre uma função simbólica no que diz respeito a objetos não-verbais, eventos e comportamentos. Qualquer teoria representacional deve se adaptar a essa dupla funcionalidade”.
-Allan Paivio-

As engrenagens do cérebro

A Teoria da Codificação Dual

Segundo Paivio, existem duas maneiras por meio das quais uma pessoa pode ampliar o que foi aprendido: com associações verbais e com imagens visuais.

A Teoria da Codificação Dual afirma que a informação, tanto visual quanto verbal, é utilizada para representar informação. A informação visual e verbal é processada de maneira diferente e em canais distintos na mente humana, dando lugar a representações separadas para a informação processada em cada canal.

Os códigos mentais correspondentes a tais representações são utilizados para organizar a informação que entra, para que possa armazenada, recuperada e, inclusive, modificada para ser usada posteriormente.

Pode-se usar códigos tanto visuais quanto verbais para lembrar de uma informação. Além disso, codificar um estímulo de duas maneiras diferentes aumenta a possibilidade de se lembrar de um elemento memorizado.

Dentro da Teoria da Codificação Dual, existem três tipos diferentes de processamento: representacional, processamento referencial e processamento associativo.

Na maioria dos casos, as três formas são requeridas subconscientemente quando se trata de uma tarefa em particular. Ou seja, uma tarefa pode necessitar de um ou todos os três tipos de processamento.

Paivio postula também que existem dois tipos diferentes de unidade representativas: “imagens” para imagens mentais e “logogenos” para entidades verbais.

Os logogenos se organizam em termos de associações e hierarquias, enquanto as imagens se organizam em termos de relações parte-todo.

  • Falamos de processamento representacional quando as representações verbais ou não-verbais são ativadas diretamente;
  • Falamos de processamento referencial quando a ativação do sistema verbal é provocada pelo sistema verbal ou não-verbal e vice-versa.
  • Falamos de processamento associativo quando as representações são ativadas dentro do mesmo sistema –verbal ou não verbal.

Linguagem verbal e não-verbal

Comentários sobre a Teoria da Codificação Dual

Existe uma certa controvérsia no que diz respeito às limitações da Teoria da Codificação Dual de Allan Paivio. Por exemplo, tal teoria não leva em consideração a possibilidade de que a cognição esteja mediada por algo distinto das palavras ou das imagens.

Nesse sentido, não foram realizadas pesquisas suficientes para determinar se as palavras e as imagens são a única forma por meio das quais lembramos dos elementos.

Outra limitação de Teoria da Codificação Dual é que ela só é válida para testes nos quais pede-se para as pessoas que foquem em identificar como os conceitos se relacionam. Se não podem ser formadas associações entre uma palavra e uma imagem, é muito mais difícil realizar a codificação relacionada e lembrar da palavra em um momento posterior. Isso limita a efetividade da Teoria da Codificação Dual.

Além disso, a Teoria da Codificação Dual não é aceita por todos. Como alternativa a como se representa mentalmente o conhecimento, John Anderson e Gordon Bower propuseram a Teoria Proposicional.

A Teoria Proposicional afirma que as representações mentais são armazenadas como proposições no lugar de imagens. Aqui, a proposta se define como o significado subjacente à relação entre os conceitos.

Esta teoria estabelece que as imagens são produzidas como resultado de outros processos cognitivos, já que o conhecimento não é representado em forma de imagens, palavras ou símbolos.

  • Clark, J. M. & Paivio, A. (1991). Dual coding theory and education. Educational Psychology Review, 3(3), 149-170.
  • Paivio, A. (1971). Imagery and Verbal Processes. New York: Holt, Rinehart & Winston.
  • Paivio, A. (1986). Mental Representations. New York: Oxford University Press.
  • Paivio, A. & Begg, I. (1981). The Psychology of Language. New York: Prentice-Hall.
  • Pylyshyn, Z. W. (1973). What the mind’s eye tells the mind’s brain: A critique of mental imagery. Psychological Bulletin, 80, 1-24.
  • Reed, S. K. (2010). Cognition: Theories and application (8th ed.). Belmont, CA: Wadsworth Cengage Learning.
  • Sternberg, R. J. (2003). Cognitive theory (3rd ed.). Belmont, CA: Thomson Wadsworth.