Por que ter compaixão por si mesmo é importante?

27 Dezembro, 2020
Ter compaixão por si mesmo não o torna mais fraco, pelo contrário, o fortalece. Porque se você aprender a se tratar com bondade, se você se perdoar quando precisar e aprender a falar consigo mesmo com carinho, você será capaz de lidar melhor com as dificuldades e complexidades da vida.

Ter compaixão por si mesmo está longe de ser um ato de egoísmo. Cada um de nós é obrigado a praticar aquele autocuidado que permite, por exemplo, perdoar os erros do passado e do presente, nos dar ânimo nos momentos difíceis ou nos tratar com o respeito que merecemos. Já que ninguém vem a este mundo com esta característica de fábrica, é importante aprender a cultivá-la.

Boccaccio disse em Decameron que nada nos torna mais humanos do que sentir compaixão por nossos semelhantes. De alguma forma, tanto cultural quanto socialmente, fomos instilados com a ideia de que essa dimensão sempre vai de dentro para fora. É verdade que é preciso ter pena de quem sofre e que vivenciar esse sentimento nos torna mais nobres. No entanto, há um detalhe igualmente importante.

A compaixão também deve ser projetada para si mesmo. Fazer isso é saudável, catártico e até mesmo necessário. Há quem a defina como uma espécie de “narcisismo saudável”, mas seja o que for, esta área psicológica vai muito além do amor próprio, porque lhe dá sustentação, impulso e sentido. Vamos mergulhar um pouco mais fundo neste tópico.

A compaixão também deve ser projetada para si mesmo

Ter compaixão por si mesmo, a chave para o bem-estar psicológico

Uma coisa é gostar de si mesmo e outra é amar a si mesmo. Nem todos os amores são saudáveis, porque abundam egos e autoconceitos excessivos que os colocam num narcisismo nocivo em que só existe uma pessoa e mais ninguém.

Caminhar pelo mundo com uma autoestima desgastada dá lugar às sombras da depressão e outros problemas psicológicos. Por outro lado, homens e mulheres incapazes de controlar uma diálogo interno negativo, acusador e prejudicial estão sempre caindo no sofrimento mental. Eles perdem oportunidades, se envolvem em relacionamentos infelizes e raramente alcançam a realização pessoal.

Ter compaixão por si mesmo não é um ato de fraqueza. Às vezes, é difícil cedermos a esse sentimento porque associamos a compaixão à pena, àquele sentimento muitas vezes vazio, passivo e compreendido entre a tristeza e a ternura por algo ou por alguém.

Nós distorcemos esta dimensão até sentirmos algum desconforto quando a experimentamos. É necessário, portanto, reformulá-la e lhe dar o significado que ela merece.

Por que devemos desenvolver um pouco mais de compaixão por nós mesmos?

Kristin Neff definiu o termo autocompaixão e descreveu sua utilidade para o bem-estar psicológico. Seu trabalho de pesquisa sobre esse construto o equipara à prática da atenção plena, cujos benefícios para a saúde mental são amplamente apoiados pela ciência.

Ter compaixão por si mesmo é, antes de tudo, aceitar a imperfeição do ser humano, é assumir que somos falíveis, que erramos, e saber responder aos erros com ternura e carinho. A necessidade de desenvolver esta competência de bem-estar é múltipla:

  • A Universidade de Duke (Estados Unidos) mostrou algo interessante em um estudo: pessoas que aplicam a autocompaixão no dia a dia têm uma boa inteligência emocional e uma maior satisfação com a vida.
  • Também foi demonstrado que a autocompaixão está correlacionada com uma menor incidência de depressão e ansiedade. Este último é um fato relevante que vale a pena contemplar.
  • Essas pessoas capazes de ser respeitosas e afetuosas consigo mesmas nos momentos difíceis constroem um diálogo interno que não julga, que não critica e que lhes permite se aceitarem como são.
  • Da mesma forma, também é interessante notar que as pessoas que praticam a autocompaixão não caem nos labirintos da preocupação excessiva, em reflexões negativas que reduzem o bem-estar psicológico. (Krieger, Altenstein, Baettig, Doerig e Holtforth, 2013).

Componentes da autocompaixão

A literatura e as pesquisas sobre autocompaixão cresceram exponencialmente nos últimos anos. Já sabemos que capacitar pacientes com depressão na autocompaixão melhoraria seu progresso e recuperação progressiva.

Estudos como o realizado na Universidade de Zurique, por exemplo, falam da utilidade de incluí-la na terapia cognitivo-comportamental. Por sua vez, é interessante ter em mente aqueles elementos que dão forma e corpo ao exercício da autocompaixão. São os seguintes:

  • Ser capaz de falar com bondade.
  • Julgar positivamente.
  • Ficar ciente de que os seres humanos não são perfeitos ou invulneráveis.
  • Conhecer a si mesmo e as suas necessidades.
  • Entender que o sofrimento, o erro e a perda fazem parte da vida.
  • Ter compaixão por si mesmo implica saber apreciar e amar a nós mesmos como merecemos.
  • A atenção plena ou mindfulness, por sua vez, nos permite desenvolver essa dimensão de forma mais eficaz.
Componentes da autocompaixão

Ter compaixão por si mesmo o impede de depender dos outros

Ter compaixão por si mesmo não é uma questão de nos perceber como fracos ou frágeis. É genuinamente valorizar a nós mesmos porque entendemos o quanto valemos e o quanto merecemos. Por sua vez, significa sermos tolerantes com nossos erros e abraçar as nossas feridas internas para nos encorajar e seguir em frente.

Há também um detalhe igualmente interessante que devemos considerar. A autocompaixão aumenta a independência para validar emoções, necessidades e autoestima. Quando sabemos o que merecemos, não somos mais totalmente dependentes da atenção dos outros e, embora apreciemos isso, não somos mais tão dependentes do nosso ambiente.

Para concluir, devemos nos permitir a imperfeição. Continuar a amar uns aos outros em todas as situações e circunstâncias é um exercício de saúde que vale a pena praticar. Hoje é um bom dia para iniciar este caminho.

  • Barnard, L. & Curry, J.F. (2011). Self-Compassion: Conceptualizations, Correlates, & Interventions. Review of General Psychology, Vol. 15, No. 4, 289–303.
  • Gilbert, P., & Procter, S. (2006). Compassionate mind training for people with high shame and self-criticism: Overview and pilot study of a group therapy approach. Clinical Psychology and Psychotherapy 13, 353-379. doi:10.100/cpp.507
  • Krieger, T., Altenstein, D., Baettig, I., Doerig, N., & Holtforth, M. G. (2013). Self-compassion in depression: Associations with depressive symptoms, rumination, and avoidance in depressed outpatients. Behavior Therapy, 44, 501-513. doi:10.1016/j.beth.2013.04.004
  • Neff, K. (n.d.). Definition of self-compassion. Self-Compassion.org. Retrieved from http://self-compassion.org/the-three-elements-of-self-compassion-2/
  • Neff, K., & Dahm, K. A. (2015). Self-compassion: What it is, what it does, and how it relates to mindfulness. In Brian D. Ostafin (Ed.) Handbook of Mindfulness and Self-Regulation (pp. 121-137). New York, NY, US: Springer.