Tomates Verdes Fritos, um filme com grandes reflexões

Tomates Verdes Fritos é um filme no qual os direitos das mulheres são reivindicados.
Tomates Verdes Fritos, um filme com grandes reflexões

Última atualização: 15 Outubro, 2021

O cinema se consolida como uma das grandes artes comunicativas. Isso pode ser visto em Tomates Verdes Fritos, filme que costuma marcar quem se dedica a assisti-lo.

Podemos ter muitos motivos para considerar que um filme é bom; uma dessas referências costuma ser a mensagem que transmite. São muitos os longas que deixaram a sua marca a este respeito, sendo Tomates Verdes Fritos um dos filmes que ocupam um lugar de honra na lista.

Contexto do filme

O diretor é Jon Avnet e o filme é baseado no romance Fried Green Tomatoes at the Whistle Stop Cafe, de Fannie Flagg. Inclui atrizes incríveis como Kathy Bates, Jessica Tandy, Mary Stuart e Mary-Louise Parker. Quanto ao gênero, seria classificado como uma comédia dramática.

Tomates Verdes Fritos é a história de um assassinato e do que se segue depois dele. Nesse quadro narrativo, o filme aborda temas como violência de gênero, relações homossexuais, gerontofobia e feminismo.

No fim das contas, são temas interessantes que fazem deste filme um ícone do cinema, segundo Claude Beylie.

“Um coração pode estar partido, mas ainda bate.”
-Ninny Threadgoode-

Reflexões apresentadas em Tomates Verdes Fritos

A apresentação do filme é boa; nas primeiras cenas, a amizade feminina ocupa o centro do palco. Vejamos alguns aspectos importantes do enredo:

  • A estrutura social em que a história se desenrola é a Grande Depressão nos Estados Unidos. Evelyn é uma mulher que não se sente útil, não chama a atenção do marido e tem uma sensação de vazio com a comida. No entanto, mostra-se uma pessoa de caráter que quer tirar de si a força para seguir em frente.
  • Vemos a valorização da amizade no vínculo que Evelyn estabelece com uma senhora chamada Ninny. Com ela, ela entende que a vida é uma ampla gama de possibilidades. Sente que é hora de colocar os arrependimentos de lado e buscar uma mudança.
  • A ambiguidade das histórias deixa muito espaço para o espectador interpretar, para que possa construir, em certa medida, o seu próprio filme.

Tomates Verdes Fritos é um filme que nos faz pensar

Depois de ver Tomates Verdes Fritos, surgem diferentes reflexões e debates sobre as questões sociais. É importante notar que algumas frases ditas tornam-se mensagens importantes. Uma delas é “Um coração pode estar partido, mas ainda bate.” Ou seja, apesar dos golpes emocionais que às vezes sofremos, é uma questão de tempo até conseguirmos curar as feridas.

Em outro ponto do filme, Evelyn diz o seguinte: “Nunca fiquei com raiva porque me disseram que isso era rude. Mas hoje fiquei com raiva e foi maravilhoso.” Estas palavras demonstram a importância das emoções de valência negativa, o que significa que devemos nos permitir mover pelo espectro emocional. Além disso, são uma defesa da liberdade contra o estereótipo de uma mulher prestativa e abnegada.

Cena do filme Tomates Verdes Fritos

As mulheres e o feminismo

Se fizermos um balanço geral das questões abordadas e das reflexões que surgem, poderemos tirar as seguintes conclusões. Por um lado, a amizade e a solidariedade entre as mulheres é a base do filme, algo que as ajuda a crescer como pessoas, como aponta o psicólogo Mahzad Hojjat.

Ao mesmo tempo, tenta ser um reflexo da situação de muitas mulheres na década de 1930 no norte do continente americano, da mesma forma que discute temas como racismo, machismo e violência de gênero.

Tomates Verdes Fritos foi muito bem recebido por abordar honestamente questões que ainda são atuais.

Pode interessar a você...
Rebecca, a Mulher Inesquecível
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Rebecca, a Mulher Inesquecível

'Rebecca, a Mulher Inesquecível' é um suspense psicológico e romance gótico de 1940, dirigido por Alfred Hitchcock em seu primeiro projeto norte-am...



  • Beylie, C. (2006). Películas clave de la historia del cine. Ediciones Robinbook. Barcelona.
  • Hojjat, M., & Moyer, A. (Eds.). (2017). The psychology of friendship. Oxford University Press.