Voltar com um ex: por que essa ideia nos atrai?

Para muitos, voltar com um ex é uma possibilidade real, enquanto para outros é apenas uma ideia para fantasiar. A questão é que a ideia parece bastante atraente.
Voltar com um ex: por que essa ideia nos atrai?

Última atualização: 22 março, 2022

A ideia de voltar com um ex pode ser atraente por vários motivos. Seja porque isso nos “distrai” com jogos em que imaginamos o que já passou, ou porque protege a nossa autoestima ao nos lembrar de que, no passado, fomos bons o suficiente para que alguém nos amasse.

Poderíamos dizer que a ideia de voltar com um ex-parceiro nos distrai do presente, além de nos transportar para um tempo que não precisa lidar com detalhes desagradáveis.

Querer voltar pode ter relação com um auto-engano e vários pensamentos enviesados. No entanto, se ainda houver sentimentos, voltar com um ex pode ser uma opção de “economia sentimental”.

Neste artigo, aprofundamos as principais razões pelas quais nos prestamos a esse tipo de jogo na nossa imaginação -e às vezes também na realidade.

Uma ideia pouco plausível, porém estimulante

O ser humano se vê envolvido em rotinas que raramente foram completamente escolhidas. Um trajeto para o trabalho que é longo demais. Um apartamento com pouca amplitude e sem luz. Uma cidade que te faz retornar repetidamente aos mesmos planos. A passagem do tempo traz maturidade, mas também traz uma sensação de tédio e fracasso para muitas pessoas.

Em meio a toda essa realidade, temos filmes românticos, livros de ficção e reality shows que expõem relacionamentos tóxicos de pessoas que terminam e voltam repetidas vezes.

Por outro lado, as redes sociais nos mostram os perfis dos nossos ex, tanto mais antigos quanto recentes. Portanto, é muito fácil que os nossos pensamentos fiquem em um loop sobre os nossos relacionamentos passados.

Mulher preocupada olhando pela janela

Uma ideia de romance “acessível”: mais vale o mau conhecido que…

Recriar momentos com ex-parceiros permite que muitas pessoas vivam um romance que não possuem. A preguiça de sair novamente com o objetivo direto ou indireto de procurar um parceiro ou a exaustão por causa dos encontros às cegas fracassados ou dos amigos com filhos… Tudo isso é complicado demais para depois acabarmos com uma nova “decepção amorosa”.

Embora todas as pistas para voltar com um ex tenham sinais de alerta para que isso não seja feito, a preguiça é um pecado mortal. Essa realidade pode ser negativa: cheia de histórias de advertência e memórias dolorosas. No entanto, a dor e a tristeza são sentimentos que preenchem o vazio como se fossem um gás. Por isso, voltamos até mesmo com ex-parceiros que foram nefastos.

Assim, reconstruir um relacionamento também pode ser uma aventura tentadora e até mesmo um objetivo para algumas pessoas, principalmente quando as histórias de sucesso parecem ter saído de um conto de fadas. Além disso, as pesquisas sugerem que até 50% dos casais que terminam voltam a ficar juntos. Por que não apostar nesta loteria? Talvez seja o caso.

Sentir que estou girando a roda da vida novamente

Uma das maiores vantagens de reciclar um relacionamento anterior é que geralmente é possível ter uma ideia de onde você está se metendo.

O terapeuta de casais e diretor do instituto Gottman McNulty diz que todo relacionamento amoroso tem “diferenças perpétuas”. Estas seriam pontos de conflito em potencial, tais como transitar por um espaço compartilhado, dinheiro, sexo, filhos, amigos, família e muito mais.

McNulty diz que, de acordo com pesquisas do Instituto Gottman, essas diferenças perpétuas são responsáveis por 69% dos problemas que a maioria dos casais enfrenta em um relacionamento. É por isso que algumas pessoas podem querer voltar com um parceiro anterior ou tentar aguentar o atual.

Embora muitas vezes começamos um novo relacionamento esperando que ele seja melhor do que o anterior, é preciso ter cautela. Se você está em um relacionamento e está pensando em terminar, tenha cuidado, porque você basicamente estará trocando os 69% de diferenças perpétuas com um parceiro pelos 69% de diferenças perpétuas com outro.

Assim, se você voltar com um ex, pelo menos você já saberá quais são essas diferenças perpétuas. Portanto, entrar no ritmo do relacionamento pode parecer menos complicado do que conhecer alguém novo e começar do zero.

Casal falando sobre os espaços do casal

Voltar com um ex: celebrar o que mudou, sem perder minha identidade

Outro benefício de voltar com um ex é a facilidade com que se conseguirá adotar certas rotinas – você provavelmente já confia nele, ainda que seja no sentido mais pragmático e você saiba, por exemplo, que ele não vai roubar nada de você.

Ao mesmo tempo, essa volta pode dar uma ideia do quanto você amadureceu. Com um ex, você terá uma imagem do antes e do depois da sua evolução. Uma das razões mais comuns para os ex-namorados retomarem um romance é “sentir que cresceram e amadureceram”. Ou seja, que não estavam preparados antes, mas agora estão.

Às vezes, com a sabedoria adquirida ao longo dos anos e as experiências de outros relacionamentos, as pessoas sentem que talvez possam resolver aquele obstáculo que antes era intransponível ou que simplesmente não existe mais. Na fantasia ou na realidade, nossos ex também fazem parte da nossa história, e podemos querer voltar a esses lugares onde uma vez fomos felizes.

Conforme vimos, voltar com um ex pode ter vantagens e desvantagens. O lado bom é que a realidade mostra que uma nova oportunidade, a partir da experiência que o passar dos anos nos proporciona, pode ser algo bom, principalmente se o outro for uma boa pessoa.

Pode interessar a você...
Quando um ex-parceiro refaz a sua vida
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Quando um ex-parceiro refaz a sua vida

Para algumas pessoas é muito difícil aceitar que um ex-parceiro iniciou um novo relacionamento. Reflita sobre este tema conosco neste artigo.



  • Guzmán-González, M., Almonte, S., Durán, D., Maechel, G., & Rivero, A. (2019). Apego adulto y perdón a la expareja en el contexto del divorcio-separación. Salud & Sociedad10(3), 272-283
  • Miguélez, A. A. (2015). El dinero en la pareja: reflexiones sobre relaciones de pareja igualitarias. RES. Revista Española de Sociología, (23), 9-27.
  • Valdez Medina, J. L., González-Arratia López-Fuentes, N. I., Arce Valdez, J., & López Jiménez, M. D. C. (2007). La elección real e ideal de pareja: Un estudio con parejas establecidas. Interamerican Journal of Psychology41(3), 305-311.