A síndrome da chave na porta da casa: a vontade desesperada de urinar

28 Agosto, 2020
Às vezes, sentimos que estamos prestes a explodir e que precisamos urinar imediatamente, uma sensação que parece aumentar quanto mais chegamos perto do banheiro. Como esse fenômeno é explicado pela ciência?
 

Quantas vezes estivemos em uma reunião focada em um tópico importante e não percebemos ou ignoramos que precisávamos muito urinar? Entramos no carro, continuamos com as propostas da reunião na cabeça e ouvimos música até chegarmos ao nosso destino e estacionar. Nesse momento em que saímos do carro e tiramos as chaves de casa do bolso, sentimos uma vontade desesperada de urinarparece que a bexiga está prestes a estourar.

Os 200 metros que nos restam para abrir a porta da nossa casa se tornam infinitos. Sim, intermináveis: tentamos relaxar, andar mais rápido, mas às vezes tudo se torna ineficaz. Então, chega o epicentro do desespero, no momento em que inserimos a chave na porta do prédio, abrimos e, como indica a lei de Murphy, o elevador está parado no 12º andar.

No entanto, o atraso do elevador faz com que a micção iminente seja adiada por mais alguns minutos. A questão é que quando ele chega e nós abrimos a porta, o sentimento desesperado aumenta até que as chaves sejam colocadas na fechadura do que seriam, naquele momento, as portas do paraíso.

Corremos diretamente para o vaso sanitário e não vemos nada além do que procuramos: um trono que garantirá aquele imenso prazer de esvaziar a nossa pobre bexiga. Além de outra coisa muito importante: não urinar em nós mesmos.

Mulher usando o banheiro
 

Esse mesmo efeito ocorre com a motilidade intestinal. Tudo parece ser mantido sob o controle mais rigoroso até que percebamos e não temos um banheiro por perto. A questão é se o alerta sobre a necessidade de esvaziar o intestino dura, porque quando ela dura, acaba aumentando.

Aumenta imediatamente a ansiedade e a tensão, produtos da necessidade. Até as pessoas mais exigentes e obsessivas com limpeza, que nunca sonhariam em ir a um banheiro público, vão a qualquer banheiro como resultado da tensão desesperada da possível catástrofe excremental: limpo, sujo, repugnantemente insalubre, etc.

O quadro da cena desesperada de voltar para casa, assim como o exemplo do banheiro público, se aplicam a ambas as necessidades. Mas a grande questão é: qual é o motivo dessa necessidade de fazer xixi assim que nos aproximamos do destino? Quais são os mecanismos que aumentam o desejo de expulsar resíduos dos nossos corpos? Como eles são ativados? Vamos falar sobre esse assunto com mais detalhes a seguir.

Nós somos uma unidade

Sem dúvida, existe uma profunda união entre a necessidade fisiológica, o órgão (intestino e bexiga), a mente e o cérebro, a focalização da atenção e o estado de alerta, o contexto situacional e as emoções (ansiedade, tensão, desespero) que estruturam a combinação presente nas cenas anteriores.

A verdade é que, se fizermos uma lista das atividades que fazemos ao chegar em casa, a ida ao banheiro ganha de goleada. Mas, embora isso possa ser entendido como um questionamento superficial, essa situação tem uma explicação científica, mais especificamente neurofisiológica, bioquímica, emocional e cognitiva.

 

Agora, devemos ter em mente que nosso modo de pensar insiste em dissociar o corpo, por um lado, e a mente, por outro. Isso ocorre porque a dicotomia cartesiana continua a persistir entre nós como um germe que não morre.

No entanto, a neurociência, mais especificamente a psicoimunoneuroendocrinologia, mostrou e demonstrou que somos um corpo e uma mente e que nenhum dos sistemas, nem o imunológico, nem o endócrino, nem o nervoso, trabalha separadamente. É aqui que encontramos uma explicação para esse fenômeno que pode ser visto como um tópico banal.

Uma explicação científica para a vontade desesperada de urinar

Existem várias mudanças bioquímicas que acontecem no momento em que nos aproximamos do nosso destino. A princípio, o reconhecimento e a atenção para a bexiga ou intestino cheio. Esse foco de atenção acelera a necessidade ativada de evacuar. Quanto mais nos focamos, mais ela é ativada.

Por outro lado, a proximidade de casa, que é o local onde encontramos segurança e tranquilidade, acelera a necessidade. Sem dúvida, é uma situação de estresse que, somada aos mecanismos do medo (para superá-lo), ativa a adrenalina e o cortisol, além de todo um conjunto de músculos abdominais que tensionam a ansiedade e a proliferação da ideia fixa: o vaso sanitário.

A vontade desesperada e urgente de urinar tem o nome de “incontinência do chaveiro”, que também se estenderia à evacuação do intestino. Este fenômeno mostra a conexão entre a bexiga, os intestinos (o sistema gastrointestinal) e o cérebro.

 

Algumas outras explicações

Quando penso no toque dos dedos tentando abrir a porta, não posso deixar de pensar na teoria de PavlovEsse fenômeno pertence ao grupo de reflexos condicionados, da mesma forma que o experimento pavloviano.

Esse tipo de incontinência é comparável ao experimento realizado pelo psicólogo russo Ivan Pavlov, que alimentou um cachorro ao mesmo tempo em que tocava uma campainha. Após um tempo de sistematização da experiência, ele tocou a campainha, mas não apresentou a comida, observando que o cão salivava apesar do fato de não haver comida.

Se fizermos um paralelo com essa experiência, é a mesma coisa que acontece com as pessoas que desejam urinar ou defecar. “Associamos o banheiro à nossa necessidade fisiológica e ativamos a consciência das nossas sensações físicas, o que nos indica que queremos ir ao banheiro” , diz o Dr. Héctor Galván, diretor do Instituto de Psicologia de Madri.

Homem com muita vontade de urinar

Ghei e Malone-Lee identificaram quatro fatores ambientais que produzem essa vontade desesperada de urinar: acordar de manhã, as chaves na porta da casa, a torneira aberta com água correndo e o clima frio, diferenciando a urgência de “Não aguento mais” da incontinência “Oops, eu fiz xixi”. Eles também observaram que a preocupação e a fadiga exacerbam esses estados.

 

Por exemplo, ouvir o som da água corrente é semelhante a urinar no banheiro. Quando ouvimos um ruído semelhante ao de quando expelimos a urina, ocorre uma associação imediata e provocamos um aumento na contratilidade do músculo da bexiga (o detrusor).

Por outro lado, três pesquisadores da Universidade de Columbia (Victor, O’Connell e Blavias) realizaram um estudo piloto para avaliar os sinais ambientais que podem constituir estímulos com os reflexos condicionados nessas circunstâncias. Os resultados coincidiram parcialmente com os estudos de Ghei e Malone: em ​​primeiro lugar, acordar de manhã; em segundo (88%), a caminho do banheiro; em terceiro (76%), estar com a bexiga cheia, e em quarto (71%), estar abrindo a porta de casa.

Percebemos a necessidade de ir ao banheiro para urinar com 150 ou 200 ml de urina na bexiga, e quando ela está muito cheia, é possível que um espirro, tosse ou risada possa causar algum vazamento. Obviamente, nem tudo está perdido: é possível controlar o desejo irreprimível de urinar.

Você só precisa se acalmar, reduzir a ansiedade, não pensar que está perto do banheiro e se distrair pensando em outra coisa. Tudo isso ajuda a controlar a vontade. Claro, sem abusar, porque temos que cuidar da bexiga e do intestino.

Por fim, tudo está em nosso cérebro: como um grande comandante, ele modela, constrói e desconstrói realidades em um jogo em equipe, uma sinergia envolvendo mente, cérebro, emoções, cognições e todos os sistemas do corpo.