Adaptações curriculares: quando devemos fazê-las?

junho 30, 2019
A adaptação curricular é classificada e conhecida como um tipo de estratégia educacional que facilita o acesso à formação de alunos com necessidades especiais.

As adaptações curriculares são acomodações ou ajustes da oferta educacional comum de acordo com as possibilidades e necessidades de cada pessoa. Em particular, é feita com referência em cada fase escolar. Isto é, concentra-se nas crianças que apresentam determinadas dificuldades.

Assim, as adaptações curriculares são classificadas e conhecidas como um tipo de estratégia educacional. São uma série de recursos que buscam facilitar o acesso à formação de alunos com necessidades especiais.

Afinal, trata-se de levar em consideração as características individuais do aluno ao planejar a metodologia, os conteúdos e, sobretudo, as avaliações dos mesmos.

Dessa forma, o que é feito é uma adequação do currículo para adaptá-lo às características particulares do aluno. A meta é tornar certos objetivos ou conteúdos mais acessíveis às crianças que precisam de uma adaptação.

Assim, torna-se possível modificar ou eliminar os elementos do currículo que são impossíveis de alcançar devido às dificuldades que apresentam.

Em quais casos são utilizadas as adaptações curriculares?

É importante ter em mente que os elementos básicos do currículo são os objetivos, os conteúdos e os critérios de avaliação. Com base nesses três fatores, a adaptação curricular será projetada e implementada.

Assim, em primeiro lugar, é preciso distinguir entre dois tipos de adaptações. Elas se diferenciam conforme são modificados ou não os elementos básicos mencionados. Assim, são estabelecidas adaptações não significativas e significativas.

Crianças em sala de aula

Adaptações curriculares não significativas

Nesse caso, os elementos básicos do currículo não são modificados. No entanto, eles podem ser adaptados:

  • A organização e metodologia.
  • O ambiente geral do aluno.
  • Os conteúdos, embora com poucas mudanças. Normalmente não há um atraso curricular de mais de dois cursos.

Seguindo este esquema, pode-se verificar que as adaptações, na verdade, afetam elementos como o tipo de atividades realizadas ou as técnicas de avaliação. Eles não afetam em nenhum caso os objetivos educacionais, que permanecerão os mesmos que para os outros colegas de classe do aluno.

Isso implica que não haverá impacto na avaliação e promoção da criança que está experimentando a adaptação, porque os objetivos essenciais não são modificados.

Adaptações curriculares significativas

Por outro lado, as adaptações curriculares significativas são definidas como aquelas em que os elementos básicos do currículo são modificados.

Isso geralmente se deve ao fato de que as características apresentadas pelo aluno em relação ao ambiente escolar significam que ele não é capaz de atingir os objetivos propostos para o curso em que se encontra. Essas necessidades são conhecidas como necessidades específicas de suporte educacional.

Se essa situação ocorrer, a passagem de ano da criança dependerá de que ela finalmente atinja alguns objetivos específicos, propostos previamente.

Supondo que as metas não sejam alcançadas, em alguns casos o aluno poderá permanecer no mesmo curso por mais um ano. O objetivo seria que, dessa forma, a criança tivesse a oportunidade de atingir os objetivos propostos ou o grau correspondente.

O fato de que a oportunidade é muito benéfica para o seu processo de socialização também é valorizado.

Aluna estudando

Aspectos sociais e outras características da adaptação curricular

É importante levar em conta o processo de introdução da adaptação curricular. A decisão deve ser acordada pelo conjunto de profissionais envolvidos no processo educativo. Além disso, em qualquer caso, deve ser realizada por escrito.

A base que sustenta essa prática, em geral, está focada na ideia de inclusão social e na não discriminação de qualquer pessoa, seja qual for a sua condição. A inclusão é a atitude que engloba ouvir, dialogar, cooperar, perguntar, aceitar, confiar e acolher as necessidades da diversidade.

A inclusão pressupõe que todos nós somos únicos em capacidade e valor, que todos nós podemos aprender. Estamos falando de um processo inacabado e contínuo, observável em práticas e ações participativas construídas com base na liberdade.

Além disso, a prática de todas essas ações pode ser muito complexa. Na verdade, a obtenção do certificado de graduação no ensino médio obrigatório através de uma adaptação curricular pode implicar certos efeitos. Por exemplo, pode significar que o aluno não poderá acessar programas de garantia social.

Portanto, é essencial solicitar ajuda profissional nesses casos. Também é fundamental analisar cada caso cuidadosamente antes de tomar uma decisão a respeito.

  • Carina Paniagua, “Las Adaptaciones Curriculares”, Dialnet.
  • Educación Especial, “Todo sobre Adaptaciones Curriculares”, http://ardilladigital.com/DOCUMENTOS/EDUCACION%20ESPECIAL/PROG%20ED%20INDIVIDUAL-PEI/Adaptaciones%20Curriculares%20-%20articulo.pdf