O desejo de aparecer nas redes sociais

setembro 27, 2019
O desejo de aparecer nas redes sociais parece ser influenciado por uma necessidade inerente de aprovação social, de ser aceito e reforçado pelos outros.

Atualmente existe um grande desejo de aparecer nas redes sociais, mas será que somos tão felizes quanto mostramos em nossos perfis? Essa questão surge do conceito de “felicidade”, talvez fictício, mostrado continuamente nas redes.

Se navegarmos em qualquer rede social, encontraremos posts de conhecidos viajando pelo mundo cheios de sorrisos, ou talvez uma foto daquele amigo – com quem não conversamos há semanas – com sua namorada, extremamente felizes e apaixonados como se tivessem saído de um filme.

De acordo com o Estudo Anual de Redes Sociais elaborado pelo IAB da Espanha, passamos aproximadamente 37 horas conectados por semana, cerca de 22% do nosso tempo.

Por esse motivo, de acordo com o estudo da IAB, nossa vida social está muito ligada às plataformas sociais da Internet. Portanto, não é de surpreender que usemos essa ferramenta para enviar mensagens para as pessoas ao nosso redor.

Em resumo, estamos interconectados à Internet e às redes sociais, e elas fazem parte do nosso dia a dia. Por isso, é importante nos perguntarmos: que parte da realidade mostramos nas redes sociais? 

Temos a urgente necessidade de contar ao mundo o quão felizes somos, embora essa felicidade possa não ser verdadeira.

Vício em redes sociais

A necessidade de aprovação nas redes sociais

De acordo com várias pesquisas, há uma necessidade genuína de agradar aos outros, representada por uma necessidade de aprovação social e de aparecer nas redes sociais.

É o que afirma um estudo da Universidade do México chamado A conveniência social reavaliada: mais do que uma distorção, uma necessidade de aprovação social.

Portanto, o desejo de aparecer nas redes sociais parece ser promovido por uma necessidade inerente de aprovação social, de sermos aceitos e reforçados pelos outros.

Por exemplo, obtemos uma sensação de bem-estar quando publicamos uma “selfie” e recebemos muitos likes e comentários lisonjeiros. Afinal, quem não gosta de elogios?

É daí que surge a atitude de adotar certos costumes ou atividades com o objetivo de querer aparecer ou causar uma boa impressão nos outros, principalmente nas redes sociais.

O psicólogo José Elías, presidente da Associação Espanhola de Hipnose, fala sobre “a adoção de certos hábitos, gestos e atitudes que buscam projetar uma boa imagem (uma imagem que receba reconhecimento positivo), para demonstrar aos demais que somos felizes, embora isso nem sempre seja verdade ou não estejamos convencidos disso”.

Em outras palavras, de acordo com o autor, satisfazemos nossa necessidade de aprovação social mostrando uma imagem de nós que pode não fazer parte da realidade.

O efeito “felicidade contagiosa”

Segundo um estudo da Universidade da Califórnia, o humor das pessoas é modificado e condicionado pelas postagens que elas veem nas redes sociais. O mesmo estudo garante que “o conteúdo publicado procura transmitir uma imagem de ‘felicidade contagiosa'”.

Segundo o estudo, perceber a alegria e o bem-estar dos outros nos leva a querer chegar a esse estado, e por isso nos estimula a publicar conteúdos semelhantes, produzindo o efeito de “felicidade contagiosa”.

Nesse sentido, demonstrar a “felicidade” online é contagiante e promove o desejo de aparecer nas redes sociais, ou seja, de fazer parte daquela onda contínua de mensagens e fotos “felizes”.

Casal tirando selfie

O que publicamos faz parte da realidade?

Yolanda Pérez, doutora em psicologia, diz que “Tem de tudo. Pessoas que mostram a verdade, algo mais irreal e até pessoas que exibem a verdade até a metade; estes últimos são os mais comuns”.

Além disso, a autora acrescenta: “Mostramos como somos bonitos, como somos simpáticos e sorridentes em um instante, mas essas fotos que são reais não mostram a nossa realidade, apenas parte dela, porque o dia tem 24 horas e é impossível sorrir por tanto tempo”.

A realidade que projetamos nas redes certamente não está completa, pois é impossível nos sentirmos felizes o tempo todo: a vida é cheia de emoções positivas e negativas, e ignorar essas últimas por causa do sistema só nos prejudica.

Em resumo, é claro que nem tudo que vemos nas redes é um reflexo da realidade. A aparência nas redes sociais, como explicamos, é relativa.

Portanto, não devemos cair no erro de pensar que existem pessoas que vivem 24 horas por dia em um estado de bem-estar máximo: todos nós temos momentos de crise, tristeza e angústia.

Ter dias ruins faz parte da vida e nos faz valorizar ainda mais os bons momentos. Em suma, ninguém tem uma vida absolutamente perfeita.

“Sentir todos os tipos de emoções é o que enriquece as nossas vidas”.
-Daniel Goleman-

  • Domínguez Espinosa, Alejandra del Carmen et al. La deseabilidad social revalorada: más que una distorsión, una necesidad de aprobación social. Acta de investigación psicol [online]. 2012, vol.2, n.3, pp.808-824. ISSN 2007-4719.
  • Caldevilla Domínguez, D. (2010). Las Redes Sociales. sociedad digital actual. Las Redes Sociales . Sociedad Digital Actual33(1), 45–68. https://doi.org/-