O arquétipo da mulher selvagem e como ele pode ajudá-la

A mulher selvagem foi diluída nas civilizações avançadas e tecnológicas de hoje. No entanto, reconectar-se com ela pode ajudá-la a recuperar sua essência e poder.
O arquétipo da mulher selvagem e como ele pode ajudá-la

Última atualização: 02 Setembro, 2021

Ao longo dos séculos de história, o ser humano evoluiu obtendo melhorias importantes nas suas condições de vida. O conhecimento, a ciência e a tecnologia nos permitiram habitar sociedades cada vez mais civilizadas e avançadas. No entanto, neste processo também nos desconectamos da nossa natureza essencial. O arquétipo da mulher selvagem é aquele que devemos resgatar para amenizar alguns dos problemas que nos afetam hoje.

Você já debateu entre o que realmente deseja e o que é esperado de você? Você teve que conter seus impulsos, reprimir suas emoções e agir com decoro para não ser rejeitada? Você foi forçada a silenciar a sua intuição? Nesse caso, você será capaz de reconhecer o desconforto que surge quando cancelamos a nós mesmos. E se aprendermos a parar de fazer isso?

Qual é o arquétipo da mulher selvagem?

Um arquétipo é a representação de uma ideia completa. Por meio de uma palavra ou imagem, evocamos todo um conjunto de padrões de percepção, emoção e comportamento que todos conhecem. Por exemplo, quando pensamos em um herói, todos pensamos em uma pessoa corajosa e honrada, forte, perseverante e capaz de lutar.

Os arquétipos fazem parte do inconsciente coletivo descrito por Jung. São símbolos que configuram aquela cultura ancestral compartilhada pelo ser humano e que influenciam a experiência de cada um de nós. Esses arquétipos, com suas diferentes peculiaridades, acabam definindo o modo de ser específico de cada indivíduo.

A mulher selvagem

Assim, o arquétipo da mulher selvagem representa a loba, a velha, aquela que sabe. Uma mulher enérgica, espontânea e livre que está em sintonia com seus instintos e é capaz de se defender. Apesar das conotações negativas que a palavra “selvagem” pode sugerir, esse termo se refere à conexão com a nossa própria natureza, aquela que o mundo civilizado vem tirando de nós.

O arquétipo da mulher selvagem é descrito pela psicanalista junguiana Clarissa Pinkola Estés em sua magnífica obra Mulheres que correm com lobos. Nela, ela expõe os estragos dessa desconexão nas mulheres atuais e como, por meio de histórias, mitos e lendas, podemos ajudá-las a recuperar sua identificação com esse arquétipo.

Como se conectar com o arquétipo da Mulher Selvagem pode ajudá-la?

Os papéis sociais impostos às mulheres têm variado ao longo do tempo, antes de serem relegados aos serviços domésticos e hoje tentando assimilá-los ao modelo de produtividade masculino. Porém, em todos os casos, sua essência tem sido cerceada e restrita.

Pela mesma razão, ao se conectarem com o arquétipo da mulher selvagem, elas podem se permitir ser novamente, com todos os seus dons e qualidades.

Recupere a criatividade

O impulso criativo é, muitas vezes, inibido pela crença de que não sabemos, não valemos a pena e não podemos errar. Esse arquétipo nos lembra de que temos o direito de falhar sem perder a coragem, o direito de explorar a criatividade e tentar quantas vezes forem necessárias.

Aprenda a se defender

Historicamente, as mulheres têm sido relegadas ao papel de ingênuas, salvadoras e sacrificadas. Muitas mulheres hoje estão presas na impossibilidade de estabelecer limites que as leva a viver resolvendo constantemente os problemas dos outros. Este é um convite para recuperar as forças, para começar a se defender e para fazê-lo sem culpa.

Ouça a intuição

A intuição é um dom poderoso que todos nós temos, mas que raramente nos permitimos ouvir. Cautela, suspeita e palpites nos guiam habilmente e, se rejeitarmos essa voz inconsciente, podemos nos encontrar em situações infelizes.

Permita-se ser intuitiva, isso faz parte da sua natureza. Você não é forçada a se ater apenas à lógica.

Esteja em contato com suas próprias necessidades

Conectar-se com o arquétipo da mulher selvagem é entrar em contato novamente com o instinto, com as sensações corporais, e agir de acordo com os seus sinais. Recuperar a capacidade de identificar quando estamos com fome ou saciados ou quando estamos cansados e responder a essas necessidades é básico.

Da mesma forma, identificar quando precisamos de ajuda e solicitá-la é um direito que também nos negamos há anos. Não é preciso ser uma super-heroína totalmente independente; fingir dói e cansa. Aprender a receber também cura.

Mulher pensando em meio à natureza

Seja espontâneo

Por fim, e mais importante, a mulher selvagem nos convida à espontaneidade, a nos reconciliar com nossos desejos e nossos medos. Incentiva-nos a não corresponder a expectativas pelas quais não somos responsáveis, a não ser complacentes e a não nos disfarçarmos para sermos aceitas.

Pare de fingir e permita-se ser. pare de sentir um desejo desesperado pelo amor de outra pessoa e entenda que todos somos genuinamente valiosos: esses são os ensinamentos desse arquétipo.

O arquétipo da mulher selvagem está sempre lá

Algumas mulheres estão mais alienadas dessa natureza selvagem do que outras. No entanto, esse arquétipo está sempre disponível e acessível a todas que desejam recuperá-lo.

Limpar a camada de condicionamentos e acessar a sua essência mais profunda pode ser difícil, mas fazer isso mudará drasticamente a sua vida. Por que não começar hoje?

Pode interessar a você...
Arquétipos e Jung: as personalidades da nossa mente inconsciente 
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Arquétipos e Jung: as personalidades da nossa mente inconsciente 

Jung e os arquétipos configuram um legado excepcional dentro da psicologia analítica. Poucos autores ofereceram uma visão tão inovadora do inconsci...