As fascinantes ideias do neurobiólogo Rafael Yuste sobre o cérebro

Rafael Yuste é um neurocientista que olha para o futuro. Ele afirma que os novos avanços também exigirão uma nova regulamentação em que nossos direitos sejam muito claros. Por exemplo, você já pensou em que condições você deixaria alguém entrar em sua mente?
As fascinantes ideias do neurobiólogo Rafael Yuste sobre o cérebro

Última atualização: 05 junho, 2022

Rafael Yuste é um cientista pioneiro do famoso projeto Brain, o maior e mais profundo estudo até hoje para entender o cérebro. Ele também é professor da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, e uma das mentes mais interessantes do nosso tempo.

Em uma de suas entrevistas, Rafael Yuste aborda temas sobre o cérebro que, de fora, podem parecer ficção científica. Na verdade, ele é um dos principais cientistas que começou a defender os “neurodireitos”, pois está convencido de que estamos a um passo de alcançar uma tecnologia que nos permita direcionar com precisão as mentes dos outros.

Ele também se referiu a descobertas que até algumas décadas atrás eram impensáveis. Por exemplo, que cada cérebro cria sua própria realidade e que esta é diferente da dos outros cérebros. Parece loucura, mas ninguém como Rafael Yuste sabe que esta é uma conclusão solidamente argumentada e que não será a última surpresa que a ciência nos reserva.

Lembremos o que diz o Dilema de Collingridge: quando surge uma nova tecnologia, você não sabe muito bem para que ela será usada, mas é muito fácil regulá-la; mas depois, se você a deixar avançar e se espalhar por toda a população, você sabe exatamente para que serve, mas é impossível regulá-la. ”.

-Rafael Yuste-

Rafael Yuste e os mistérios do cérebro

Rafael Yuste sabia desde criança que queria ser neurocientista. A obra de Santiago Ramón y Cajal, pai da neurociência, foi sua grande referência. Esse interesse o levou a propor em 2011, durante uma reunião de especialistas em Londres, a idéia de produzir o mapa mais completo do cérebro até o momento.

Assim nasceu o projeto Brain, que está em vigor e periodicamente surpreende o mundo com as descobertas que mostra. Até agora, foi possível mapear a estrutura nervosa de “um verme minúsculo”, a larva da mosca, a mosca inteira e agora eles estão indo para o cérebro do rato, que tem 100 milhões de neurônios.

Aqui vem uma das grandes revelações de Yuste: mapear o cérebro não só permite “ler” esse órgão, mas também supõe a possibilidade de “escrever” nele. Ele até disse isso: os neurocientistas já entraram no cérebro de camundongos e mudaram sua atividade cerebral e comportamento. Que isso possa ser feito com humanos é apenas uma questão de tempo.

Máquinas que lêem o pensamento

Até agora, a possibilidade de ler a mente de uma pessoa tem sido discutida como um assunto paranormal ou fictício. Rafael Yuste indica que não só isso é uma possibilidade real, mas que já existem máquinas de leitura de mentes. “Elas ainda são rudimentares, mas ultrapassaram uma linha”, acrescenta enfaticamente.

Essas máquinas não são apenas capazes de entrar na mente e saber o que uma pessoa está vendo e ouvindo, mas também são capazes de identificar o que alguém está imaginando. Ele explica que as neurotecnologias, nesse campo, são de dois tipos. Por um lado, aquelas que podem “ler” a atividade cerebral e baixar essa leitura para um dispositivo. Do outro, aquelas que podem “escrever” X atividade e carregá-la no cérebro.

As primeiras estão mais avançadas que os segundas. Hoje, existe um grupo de cientistas da Universidade de Berkeley que conta com aparelhos capazes de “ler” mentes desde 2008. Eles fazem assim: eles escaneiam a imagem do cérebro enquanto o sujeito experimental tem que escolher uma imagem entre 100 opções.

Graças aos resultados do scanner, os pesquisadores conseguem determinar qual foi a escolha. Um fato surpreendente em si. No entanto, é possível ir um pouco mais longe, pois, ao pedir à pessoa que imagine algum objeto que não está em nenhuma imagem, também são ao adivinhar com base nos dados do mesmo procedimento. Então, quanto tempo nos resta para poder hackear o cérebro ? Acreditamos, pouco…

Um futuro imprevisível

Rafael Yuste pensa que em cerca de cinco anos veremos como duas mentes artificiais são capazes de ter uma conversa inteligente. Também garante que muito em breve surgirá a possibilidade de fazer modificações no cérebro. Para os neurocientistas e para a sociedade será um grande passo, pois poderá resolver problemas como esquizofrenia, depressão profunda e mal de Parkinson, entre outros.

No entanto, o quadro não é tão animador quando se observam os avanços das grandes multinacionais. Um novo termo começou a ser falado: neurocapitalismo. As empresas não querem que essas descobertas curem doenças, mas olham para a possibilidade de obter dinheiro.

Em um futuro não muito distante, é provável que todas essas descobertas permitam que os cegos vejam e os paralíticos andem. No entanto, também existe o risco de que sejam usadas para moldar as mentes dos consumidores e eleitores, tornando o planeta em um “mundo feliz” e completamente dominado pelas elites.

Pode interessar a você...
O cérebro espiritual: é isso que a neurociência nos diz
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O cérebro espiritual: é isso que a neurociência nos diz

Autores como Daniel Goleman ou Howard Gardner já concebem uma concepção do espiritual que vai além do religioso e até do cognitivo.

Imagem principal “ Creative Commons ” por jh4099 licenciado sob CC BY-SA 4.0.


  • Salas, J. (2020). Por qué hay que prohibir que nos manipulen el cerebro antes de que sea posible. El País, 12.