As 8 habilidades psicológicas mais valorizadas pelas empresas

Não adianta ter um currículo brilhante se você não tiver nenhuma habilidade em uma série de competências psicológicas. É hora de nos prepararmos com novas estratégias. Descubra quais são elas!
As 8 habilidades psicológicas mais valorizadas pelas empresas

Última atualização: 07 junho, 2022

O mundo profissional está em constante evolução. Por mais que tentemos às vezes, não podemos ficar alheios a essas flutuações e a muitas de suas demandas adaptativas. Por exemplo, identificar as habilidades psicológicas mais valorizadas e mostrar um bom nível de competência nelas pode nos dar uma vantagem sobre outros candidatos.

Além disso, algo que as grandes empresas de tecnologia destacam é que muitas vezes nos concentramos demais nas hard skills e negligenciamos completamente a importância das soft skills. Afinal, nem tudo se trata de ciência, tecnologia, matemática ou engenharia. Não basta ter vários diplomas, um doutorado e ser um verdadeiro poliglota.

Precisamos de capital humano qualificado, flexível e proativo o suficiente para responder a uma realidade cada vez mais mutante e também caótica. Este último ponto é tão notável que, em 2013,  empresas como o Google lançaram o chamado Projeto Oxigênio. Tratava-se de uma estratégia para capacitar futuros líderes.

Algo que esse relatório destacou é que as grandes universidades não estavam oferecendo as habilidades que o mercado de trabalho realmente precisava… Atualmente, essa lista de habilidades se tornou muito mais específica e não deixa de ser relevante nos aprofundarmos nelas. Podemos nos surpreender mais de uma vez.

Na próxima década, espera-se um enorme crescimento no mercado de trabalho das energias renováveis e também nas áreas tecnológicas.

Grupo de trabalho falando sobre as habilidades psicológicas mais valorizadas pelas empresas
O mercado de trabalho vai mudar muito mais nos próximos anos e precisamos de funcionários muito mais preparados.

Estas são as habilidades psicológicas mais valorizadas pelas empresas

A expectativa é que, em 2030, boa parte do mercado de trabalho tenha sido reformulada. Conforme a inteligência artificial for automatizando uma grande parte das tarefas (em especial aquelas relacionadas ao trabalho), novos empregos serão necessários. A velocidade que estamos experimentando no campo da inovação tecnológica nos obriga a nos mantermos atualizados.

Assim, as nossas capacidades cognitivas, sociais e emocionais devem acompanhar essas demandas futuras. E, na verdade, ter uma ampla formação acadêmica não será o suficiente. De fato, o Google destaca a necessidade de alcançar uma boa aprendizagem socioemocional que nos permita trabalhar em equipe, resolver problemas e enfrentar as dificuldades diárias.

Por outro lado, um estudo da Universidade de Oxford destaca que as chamadas soft skills (combinação de habilidades sociais, de comunicação, e o modo de ser e agir) são cada vez mais valorizadas. É verdade que elas já fazem parte de muitos planos de estudo. No entanto, ainda há imprecisão na sua conceituação. Nem tudo é válido.

Dessa forma, não basta ser assertivo ou empático. Quando orientamos essas ferramentas para o campo profissional, precisamos de um maior grau de detalhe. Por isso, é necessário compreender as habilidades psicológicas mais valorizadas pelas empresas. Vamos analisá-las.

1. Habilidades de pensamento crítico

É o primeiro item da lista e o mais relevante. No trabalho, o pensamento crítico facilita a verificação e avaliação das informações recebidas. É uma estratégia cognitiva essencial que devemos desenvolver desde cedo, mas é na idade adulta que ela se torna essencial.

Tanto assim que o Fórum Econômico Mundial, a assembleia que reúne lideranças políticas e empresariais em Davos (Suíça), considera que esta é a habilidade mais decisiva no mundo do trabalho. Saber discernir o que é importante do que é acessório em um mundo dominado pelo digital, por exemplo, é um mecanismo básico de sobrevivência.

2. Resolução de problemas complexos

Diante de um cenário futuro no qual a inteligência artificial dominará grande parte das tarefas laborais, o ser humano é quem terá que assumir a responsabilidade por esses domínios que são propriamente nossos. Estamos nos referindo à resolução de problemas e à tomada de decisões. Não é tarefa das máquinas decidir por nós.

Ou seja, precisamos de pessoas que possam identificar e saber prever riscos e oportunidades. Por isso, as empresas exigem mentes ágeis, capazes de enfrentar desafios complexos de forma inovadora.

3. Habilidades de comunicação

Uma das competências psicológicas mais valorizadas pelas empresas é, sem dúvida, saber comunicar, ouvir, saber chegar a acordos, etc. Assim, expressar-se com confiança, resolução, carisma e, ao mesmo tempo, tentar se conectar com aqueles ao nosso redor é uma soft skill essencial.

4. Flexibilidade mental

A flexibilidade mental é a receita perfeita para enfrentar as mudanças de forma produtiva e ter uma vantagem sobre os demais. Algo tão básico quanto adaptar os nossos comportamentos e pensamentos a situações de mudança é um valor essencial em todos os cenários da vida e também no trabalho.

Assim, a mente flexível não fica paralisada diante dos desafios. Ela os observa de forma curiosa, sem se bloquear, está aberta a novas perspectivas e é capaz de projetar dez soluções possíveis para a mesma dificuldade.

5. Consciência social

Que problemas ou necessidades a sociedade possui atualmente? Quais são os novos gostos e pensamentos que definem um determinado mercado? Outra das competências psicológicas mais valorizadas pelas empresas é, sem dúvida, a consciência social.

Trata-se de uma aptidão essencial para sermos figuras capazes de sintonizar e compreender os membros de qualquer comunidade, ambiente e contexto social específico.

6. Resiliência

Todos nós temos dentro de nós uma capacidade natural para sermos resilientes. Ser dessa forma no trabalho é uma qualidade que pode nos dar vantagens valiosas sobre os outros. É algo que define a capacidade de adaptação e superação de situações adversas.

Poucos recursos psicológicos são mais decisivos do que poder enfrentar qualquer incidente ou problema inesperado, tendo a capacidade de aprender novas habilidades. É assim que nos tornamos mais aptos para enfrentar as novas reviravoltas do destino no futuro.

Homem à procura de informação sobre as competências psicológicas mais valorizadas pelas empresas
Uma das habilidades psicológicas mais valorizadas pelas empresas é conhecer as necessidades e interesses da sociedade atual.

7. Trabalho em equipe

Quando as equipes humanas de uma empresa trabalham sinergicamente em direção ao mesmo objetivo, todos se beneficiam: a própria empresa e também as pessoas. Afinal, quem não tiver as competências adequadas para o trabalho em equipe sofrerá de estresse e ansiedade. Será também um elemento estranho dentro da engrenagem da organização.

Algo assim só pode ser alcançado com habilidades de comunicação adequadas, sendo capazes de confiar nos outros, bem como empáticos, assertivos e estando motivados para alcançar os objetivos comuns.

8. Fluência digital

A alfabetização digital é uma ferramenta para o presente e, sobretudo, para o futuro. No entanto, além da própria alfabetização ou conhecimento para realizar diferentes tarefas em um ambiente digital, há também a fluência. O que queremos dizer com isso? Pois bem, trabalhos de pesquisa, como o realizado no Instituto Tecnológico e de Estudos Superiores de Monterrey, destacam algo relevante.

Fluência digital é saber lidar com todos os recursos tecnológicos e digitais de forma crítica e criativa. Só assim uma organização pode se posicionar dentro de sua própria cultura digital para torná-la líder e referência.

Para concluir, conforme podemos ver nesta lista, essas habilidades são áreas que todos podemos desenvolver. Além disso, essas dimensões não vão nos permitir apenas escalar posições no âmbito profissional. Elas também são ferramentas de vida para o bem-estar.

Pode interessar a você...
O movimento “Antitrabalho”,  uma tendência que ganha força
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O movimento “Antitrabalho”, uma tendência que ganha força

Há muitas pessoas que deixaram seus empregos porque consideram queele empobrece suas vidas. O movimento se chama "Antitrabalho".



  • Canchola, Antonio & Glasserman, Leonardo. (2020). El concepto de fluidez digital: una revisión sistemática de literatura 2010-2020. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia. 13. 25-46. 10.35699/1983-3652.2020.25087.
  • John, Jessy. (2009). Study on the Nature of Impact of Soft Skills Training Programme on the Soft Skills Development of Management Students.
  • Touloumakos A. K. (2020). Expanded Yet Restricted: A Mini Review of the Soft Skills Literature. Frontiers in psychology11, 2207. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2020.02207