Atividades recomendadas para pessoas com depressão

Um dos grandes intensificadores da tristeza é o abandono das atividades que nos proporcionam um reforço. Neste artigo, queremos falar sobre três que quase sempre nos fazem sentir melhor.
Atividades recomendadas para pessoas com depressão

Escrito por Edith Sánchez

Última atualização: 17 janeiro, 2023

Pessoas com depressão tendem a desistir de seus hobbies. Esse é um problema sério, pois resulta na perda direta de reforçadores: estímulos que ativam nosso sistema de recompensa, nos ajudam a liberar dopamina e nos fazem sentir bem.

Em outras palavras, as pessoas com depressão inicialmente perdem o interesse pela maioria das atividades que gostavam até então. Em muitos casos, não é que tenham parado de apreciá-las, é simplesmente que não têm mais energia suficiente para fazer elas.

Em outros casos, a perda de um hobby é consequência imediata de uma perda pessoal; por exemplo, a morte da pessoa com quem você costumava passear anteriormente. Se levarmos isso em consideração, entenderemos que uma das linhas de trabalho mais frequentes nos transtornos do humor é a ativação comportamental.

mulher com depressão
A anedonia é um dos sintomas mais comuns da depressão e consiste na perda de interesse por quase todas as atividades, mesmo aquelas que antes eram apreciadas.

Preconceito em torno de hobbies

Há quem pense que hobbies são atividades exclusivamente para quem tem muito tempo livre, ou não sabe o que fazer com o tempo. Eles também são vistos como atividades de altos custos.

A verdade é que ter um hobby é sinal de saúde mental. Abrir um espaço na vida para realizar uma atividade, pelo simples prazer de fazê-la, ajuda a clarear a mente e equilibrar as emoções. Também ajuda a fortalecer as habilidades sociais e aumentar a confiança e a autoestima. Da mesma forma, eles fornecem a tão necessária dose de dopamina em um estado depressivo.

Não existe uma pessoa que realmente não tenha tempo livre. No entanto, alguns o dedicam a passear pelas redes sociais, assistir a uma série ou simplesmente pensar no que os preocupa. Outros, por outro lado, usam esse tempo livre em um hobby porque acham que esses períodos sem obrigações não nos obrigam a adotar uma postura passiva.

Pessoas deprimidas não acreditam ter energia ou vitalidade suficientes, nem recursos para dedicar parte de seu tempo a um hobby. Na verdade, eles não o consideram porque acham que em seu estado isso é inútil. Porém, existem hobbies flexíveis que demandam apenas o tempo que cada um deseja dedicar a eles, e que também são gratuitos. Eles podem ser uma ótima opção para quem está passando por uma depressão, pois atuam como reforçadores do sistema de recompensa.

Bricolagem, um hobby muito grato

A realização de tarefas manuais nos faz adotar uma posição ideal: as mãos estão ocupadas, mas a mente está livre. A bricolagem é um daqueles hobbies que permite isso. Você não precisa ir a lugar nenhum, e o produto dessa atividade pode tornar nosso lar mais agradável.

Podemos começar com o reparo ou restauração de objetos simples. Fazendo isso, você percebe a satisfação que o trabalho produz. Por outro lado, por trás do reparo do que está danificado, pode se esconder um grande simbolismo para quem está deprimido, servindo de metáfora para a evolução.

A cozinha, ambiente propício à criatividade

Cozinhar é outra atividade transformadora. Estimula os sentidos que não costumamos usar e nos oferece um conjunto de infinitas possibilidades para experimentarmos, sem que o custo do erro seja muito grande.

Na cozinha, igualmente, recolhem-se tradições e memórias, que podem ser modificadas pelo trabalho de criação. No final, aquela pequena obra de arte é incorporada ao organismo. É efêmero como produto, mas duradouro como processo. Também tem algo de maternal e está associado ao cuidado de si e dos outros. Pode ser uma boa opção para quem se sente deprimido porque envolve evocações que são sublimadas.

A escrita como meio de construir re-=latos

Escrever cartas pode ser não apenas um bom passatempo, mas também potencialmente terapêutico. Simbolicamente, convida-nos a sentar num palco onde estamos nós e um terceiro, o remetente, que muitas vezes é talvez o menos importante. Na verdade, pode até não ter identidade, porque não precisamos acabar enviando essas cartas para nos sentirmos bem.

No entanto, o fato de o remetente ser uma pessoa significativa para nós ajuda a criar um clima de intimidade e, em última análise, de cumplicidade. Podem ser pessoas próximas, uma estrela de cinema ou uma figura pública de qualquer área. A questão é comunicar o que sentimos, com a maior liberdade, e incluindo desenhos ou qualquer elemento que se considere necessário.

Mulher escrevendo um diário
A escrita tem um grande potencial terapêutico, pois ajuda a expressar e gerir as emoções.

Nossos hobbies podem não resolver nenhum problema sozinhos, mas são uma forma muito válida de alterar os círculos viciosos que são consequência da depressão. Não é preciso morrer de vontade de realizar essas atividades; apenas tente, começando com o simples; passo a passo pode funcionar.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Barraca, J., & Pérez Álvarez, M. (2015). Activación Conductual para el tratamiento de la depresión. Editorial Síntesis.
  • Cohen, G. A. (2017). Hobbies que llevan al éxito. Tiempo, (1786), 76-77.
  • Salguero, J. M. B., & Martínez, A. M. M. (2014). Activación conductual: revisión histórica, conceptual y empírica. Psychologia8(2), 83-93.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.