Autoimagem: o que é, características e como melhorá-la

A autoimagem é a representação mental que construímos de nós mesmos e inclui nossa aparência física e nosso modo de ser e nos relacionar. O que mais sabemos sobre ela? Como podemos torná-la mais saudável?
Autoimagem: o que é, características e como melhorá-la

Última atualização: 23 fevereiro, 2022

Você já se perguntou como você se vê? É com isso que tem a ver a autoimagem, que é definida como ‘ um espelho interno de nós mesmos’.

A autoimagem envolve uma representação mental de como somos por dentro e por fora.

É algo que se constrói desde que nascemos e que se alimenta das nossas experiências. Com base nisso, direcionamos nossa atenção para nossos defeitos ou pontos fortes.

Neste artigo, contamos mais sobre esse conceito e suas características. Além disso, propomos 4 ideias-chave para melhorá-la.

Autoimagem: o que é?

A autoimagem é definida como ‘ aquela imagem ou representação mental que temos de nós mesmos’. Geralmente é algo estável, embora possa mudar um pouco com o tempo e as experiências.

A autoimagem é configurada através da forma como nos vemos tanto a nível físico (altura, peso, cor do cabelo, etc.) como a nível intelectual, social e pessoal. Essa representação mental influencia a forma como nos tratamos, nossa autoestima e também nosso autoconceito.

Mulher olhando o reflexo no espelho

Características da autoimagem

A autoimagem pode ser mais positiva ou mais negativa. Não é algo estático ao longo do tempo, embora geralmente tenha uma base bastante sólida. Também podemos falar de uma autoimagem mais ou menos saudável. Quando ela é saudável, significa que é realista e consistente com o que somos e sentimos.

Mas quais são as características de uma autoimagem saudável? Alguns delas são os seguintes:

  • Ter uma concepção realista de si mesmo (autoconceito).
  • Confiar em si mesmo.
  • Tratar uns aos outros com respeito e amor.
  • Estar ciente de nossas dificuldades, mas também de nossos pontos fortes.
  • Ter uma visão positiva de nós mesmos.
  • Nos amar por dentro e por fora.

Como melhorar a autoimagem

Embora a autoimagem seja bastante estável, ela pode ser melhorada. Como podemos fazer isso? Aqui estão algumas ideias-chave para isso:

Não se compare

É inevitável, todos nós nos comparamos, e é bastante normal. De acordo com a teoria da comparação social, desenvolvida pelo psicólogo Leon Festinger em 1954, as pessoas avaliam nossas próprias habilidades, opiniões e habilidades e as comparam com as dos outros. Fazemos isso, sobretudo, em situações de incerteza.

Seguindo a teoria de Festinger, nos comparamos a pessoas semelhantes a nós. Quando comparamos nossas habilidades, fazemos isso com alguém melhor pelo desejo de melhorar.

Com as opiniões, geralmente fazemos com pessoas que pensam diferente. Por fim, ao nos depararmos com situações que geram ansiedade, nos comparamos com pessoas que estão passando pelo mesmo, buscando compreensão.

Encontre a sua melhor versão

No entanto, se não for o desejo de melhorar ou aprender, de nada serve comparar. Além disso, muitas vezes gera desconforto, ciúme e ansiedade. Portanto, ao construir sua autoimagem, não se compare.

Avalie como você está e estabeleça os critérios ao se comparar consigo mesmo. É mais construtivo comparar-se com sua melhor versão, ou com aquela que você deseja aspirar, do que com outra pessoa.

Conheça a si mesmo

A autoimagem é construída através das experiências consigo mesmo e com os outros. Quanto mais nos conhecemos, mais realista é a visão que temos de nós mesmos.

Por isso, encorajamos você a se conhecer e investir tempo em si mesmo. Isso o ajudará a compreender melhor seu modo de ser e reagir aos acontecimentos da vida e, a partir disso, poderá construir uma autoimagem cada vez mais saudável.

Cuide do seu diálogo interno

O diálogo interno tem a ver com a forma como falamos com nós mesmos. Como você fala consigo mesmo? Você fala positivo ou negativo? Você cuida da sua linguagem interior?

Tenha em mente que a autoimagem também é construída por meio desse diálogo interno. Portanto, é importante que isso seja saudável, consistente e realista.

Tente não ser muito crítico consigo mesmo. Reforce as coisas que você faz bem com mensagens positivas para si mesmo e, a partir daí, desenvolva a imagem que você tem de si mesmo.

“Nosso autorrespeito marca nossas escolhas. Toda vez que agimos em harmonia com nossos eus e corações autênticos, ganhamos respeito. É simples assim. Cada escolha importa.”

-Dan Coppersmith-

Mulher pensando

Identifique seus pontos fortes

A autoimagem também é construída a partir dos pontos fortes que você consegue identificar em si mesmo. Isso inclui suas habilidades. Aprenda a detectá-las e faça uma lista com elas. Mas, acima de tudo, esteja ciente delas.

Isso o ajudará a construir uma imagem mais realista de si mesmo e, a se olhar com amor. Isso não significa que devemos ignorar nossos próprios defeitos. É claro que eles estão lá, mas não lhes dê mais destaque do que o necessário.

E você, que imagem de si mesmo tem? Você acha que reconhece como você realmente é e se orgulha disso? O que você sente quando se olha no espelho ? Você é capaz de se reconhecer?

Como podemos ver, a autoimagem tem a ver com nossa capacidade de nos conectarmos com nossa essência. Envolve nos reconhecer como pessoas valiosas, embora também vulneráveis em determinados momentos.

“Se ao menos você percebesse o quão importante você é para a vida das pessoas que você conhece, o quão importante você pode ser para as pessoas que você nem sonhou em conhecer ainda. Há algo de você que você deixa em cada uma das pessoas que você conhece. “

Fred Rogers

This might interest you...
Amor líquido ou a fragilidade dos laços
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Amor líquido ou a fragilidade dos laços

O amor líquido nos fala de uma realidade muito comum nas relações pessoais atuais e que tem a ver com a fragilidade dos laços.



  • Branden, N. (2001). La Psicología de la Autoestima. México: Paidós.
  • Hogg, M. (2010). Psicología social. Vaughan Graham M. Panamericana, Editorial: Panamericana.
  • Morales, J.F. (2007). Psicología social. Editorial: S.A. MCgraw-Hill / Interamenicana de España.
  • Rogers, C. (1993). El desarrollo del concepto de sí mismo en la teoria fenomenológica de la personalidad de Carl Rogers. Universidad pública de Navarra. E.M Casanova.