Terapia baseada em pontos fortes: o que é?

A ciência nos diz que quando descobrimos nossos pontos fortes, nos sentiremos mais confiantes e capazes de trabalhar em nossos objetivos e desejos. Esta terapia se concentra nisso.
Terapia baseada em pontos fortes: o que é?

Última atualização: 27 janeiro, 2022

A terapia baseada em pontos fortes baseia-se na psicologia positiva e visa capacitar a pessoa. Todos nós nutrimos grandes valores internos que podemos desenvolver. Porém, nossas circunstâncias vitais podem nos ancorar em estados mentais dominados pela fraqueza, baixa autoestima, insegurança e aquela falta de confiança que, como a ferrugem, deforma tudo.

Descobrir e aumentar nossos “pontos fortes” é algo que também podemos alcançar na terapia psicológica. É sempre útil e enriquecedor para uma pessoa que está lidando com luto, trauma ou transtorno de humor desenvolver esse conjunto de forças. Dessa forma, você terá mais estratégias para tomar novas decisões e direcionar o presente na direção desejada.

Assertividade, paciência, resiliência, persistência, independência, criatividade… Cada um de nós tem forças excepcionais que podem nos guiar em direção à beira da felicidade, como um farol à distância. Vamos descobrir em que consiste essa abordagem terapêutica.

“E se estudarmos os aspectos mais positivos das pessoas, em vez de nos concentrarmos nos negativos?”

Donald Clifton

Terapia baseada em pontos fortes

Terapia baseada em pontos fortes: definição e propósito

Poderíamos dizer que o pai da terapia baseada em pontos fortes foi o psicoterapeuta americano Donald Clifton. Esta tendência e metodologia terapêutica adquiriram um significado notável em meados do século XX. Sua contribuição ao estudo do desenvolvimento humano foi excelente e, até hoje, ainda se fala no movimento conhecido como CliftonStrengths .

Um de seus livros, Descubra seus pontos fortes (2000), é uma referência no campo da psicologia positiva. Assim, a terapia baseada em pontos fortes é definida como uma estratégia psicológica que visa capacitar as pessoas para enfrentar seus próprios desafios. Algo assim é conseguido desativando a “mentalidade deficitária” para fortalecer o valor interior.

O objetivo não é outro senão fazer com que a pessoa deixe de se ver vítima do destino e trabalhe para o seu próprio desenvolvimento. Por dentro, você descobrirá que possui habilidades adormecidas que lhe permitirão sobreviver e enfrentar situações difíceis. Vamos ver, no entanto, mais objetivos desse modelo terapêutico.

Finalidades terapêuticas

Trabalhar com os pontos fortes não significa negligenciar os problemas psicológicos ou as dificuldades vitais que acompanham o paciente. Assim, os objetivos deste tipo de terapia são os seguintes:

  • Pode ser aplicado como ferramenta complementar dentro do processo terapêutico. É muito comum integrá-la à terapia cognitivo-comportamental ou terapia humanística.
  • Os profissionais que aplicam este recurso trabalham em colaboração com o paciente. Este último deve ter uma atitude ativa para descobrir qual é o seu potencial e como pode utilizá-lo.
  • Esta terapia é benéfica para pessoas com baixa autoestima, problemas emocionais e de relacionamento, pacientes com depressão, ansiedade, estresse pós-traumático, vícios, esquizofrenia…
  • O principal objetivo da terapia baseada nos pontos fortes não é outro senão melhorar a mentalidade do paciente para que ele tenha uma visão mais positiva de si mesmo em seu relacionamento com o mundo. Só então ele será capaz de enfrentar situações adversas.
Paciente em terapia baseada em forças

Técnicas baseadas em pontos fortes

Em 2020, a Universidade de Melbourne realizou um estudo tão interessante quanto revelador. A terapia baseada em pontos fortes pode ser útil em pacientes que tiveram um episódio de psicose. Em outras palavras, esse recurso é uma ferramenta complementar a muitas abordagens terapêuticas.

Permite que a pessoa se sinta mais segura e otimiza a autoestima e a função cognitiva. Agora, como conseguir isso? Estas seriam algumas chaves básicas:

1. Identificação dos pontos fortes da pessoa

Para identificar os pontos fortes do paciente, Donald Clifton desenvolveu um questionário (disponível em seu livro Descubra seus pontos fortes). No entanto, eles também podem ser explorados por meio de uma série de perguntas:

  • Olhando para trás, qual foi meu projeto, tarefa ou objetivo de maior sucesso?
  • O que eu mais gosto de fazer?
  • No que me considero bom?
  • Em que situações sou mais feliz?
  • Do qual característica sinto mais orgulho ?
  • Quais são os pontos fortes que os outros reconhecem em mim?
  • Que habilidades gosto de usar em tudo o que faço?

2. Esclarecimento de metas

A prática baseada em pontos fortes é orientada para objetivos. O objetivo principal é promover a mudança e orientar a pessoa para o autoaperfeiçoamento. Para fazer isso, é recomendável que você esclareça quais são seus objetivos de longo e curto prazo.

3. Reenquadramento: analisar os pontos fortes e os pontos fracos

Quando uma pessoa toma consciência de seus pontos fortes, é hora de aproveitá-los para administrar suas limitações e fraquezas. Para fazer isso, nada melhor do que fazer um exercício de reenquadramento. Por exemplo, se um dos meus pontos fortes é a assertividade, por que não digo à minha família que preciso estabelecer limites?

A terapia baseada em pontos fortes é enriquecida com perguntas. Com elas, a pessoa deve acordar, ver as coisas em perspectiva e tomar consciência de certas realidades. Como poderia ter usado meus pontos fortes que agora sei que tenho quando estava passando por aquele momento ruim? Como eles podem me ajudar agora?

4. Diário de aplicação de pontos fortes

Por último, mas não menos importante, é recomendado que o paciente use seu próprio diário pontos fortes. Consiste em manter um registro. Você deve registrar quando os aplicou ou onde deveria tê-los usado e não o fez.

Este exercício é uma forma de gerenciar esses ativos para aproveitá-los. Para finalizar, como o próprio Donald Clifton disse, a verdadeira tragédia da vida não é a falta de pontos fortes, mas não usar os que você já tem. Vamos acordá-los, torná-los nossos para criar a realidade que queremos.

This might interest you...
Invalidação familiar: quando nos fazem acreditar que não valemos nada
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Invalidação familiar: quando nos fazem acreditar que não valemos nada

A invalidação familiar é um processo que surge em entornos em que uma ou várias pessoas criam uma dinâmica insana que boicota a autoestima dos filh...



  • Clifton, Donald (2000) Ahora, descubra sus fortalezas. Ediciones Gestion.
  • Govindji, R., & Linley, P. A. (2007). Strengths use, self-concordance and well-being: Implications for strengths coaching and coaching psychologists. International Coaching Psychology Review, 2(2), 143-153.
  • Linley, P. A. (2008). Average to A. Realising strengths in yourself and others. Coventry, UK: CAPP Press.
  • Linley, P. A., & Burns, G. W. (2010). Strengthspotting: Finding and developing client resources in the management of intense anger. Happiness, healing, enhancement: Your casebook collection for applying positive psychology in therapy, 1-14.
  • Seligman, M. E., Rashid, T., & Parks, A. C. (2006). Positive psychotherapy. American psychologist, 61(8), 774.