Uso da psicologia contra o terrorismo: o caso Guantánamo

17 Maio, 2020
Em todas as guerras, inclusive na antiguidade, a psicologia sempre foi usada para combater os inimigos. No entanto, o caso Guantánamo representa um retrocesso; nele, com a permissão das autoridades, foi feito um uso maior da brutalidade do que do conhecimento psicológico.
 

O psicólogo James E. Mitchell foi interrogado em julgamento militar a respeito do caso Guantánamo, e suas declarações chocaram a muitos. Um dos temas discutidos foi o uso da psicologia contra o terrorismo, e Mitchell não apenas admitiu que usou seus conhecimentos para torturar prisioneiros, mas também acrescentou que o faria novamente.

Lembremos que o conceito de combate ao terrorismo se popularizou e se massificou após os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos. Este mesmo país fez uma espécie de declaração de guerra, em particular contra grupos armados irregulares no Oriente Médio.

Dessa situação, veio a invasão do Afeganistão, entre outros eventos. A perseguição dos membros desses grupos irregulares levou à captura de muitos deles e, posteriormente, ao seu confinamento na base militar de Guantánamo. Soubemos primeiro pelo Wikileaks e depois por outros meios a respeito da tortura contra os prisioneiros no caso Guantánamo com a ajuda de psicólogos.

 

“Eles podem torturar meu corpo, quebrar meus ossos e até me matar, mas assim terão meu cadáver, e não minha obediência”.
-Gandhi-

Manipulação

Dois psicólogos no caso Guantánamo

Tudo começou quando encontraram o famoso “Manual de Manchester”. Este era, na verdade, um guia do grupo Al Qaeda para seus seguidores, e ensinava, entre outras coisas, como eles poderiam mentir em um interrogatório. Os psicólogos James E. Mitchell e Bruce Jessen fizeram uma análise deste documento e o fizeram chegar às autoridades norte-americanas.

Tudo indica que eles conseguiram chamar atenção para sua capacidade de confrontar os métodos da Al Qaeda durante o interrogatório. Na época, ambos trabalhavam como psicólogos e instrutores no curso de Sobrevivência, Evasão, Resistência e Escape da Força Aérea dos EUA (SERE).

 

Seu trabalho consistia em treinar soldados americanos para resistir às diferentes pressões às quais poderiam ser submetidos se fossem capturados em um confronto armado. Com a análise do Manual de Manchester, o trabalho desses psicólogos se transformou no contrário: agora eles precisavam utilizar seus conhecimentos para interrogar prisioneiros.

O uso indecente da psicologia

Mitchell e Jessen passaram a ser considerados os especialistas em psicologia por trás da tortura a que os prisioneiros foram submetidos em Guantánamo. No entanto, se você analisar atentamente, o que eles fizeram foi usar métodos bárbaros, que existem há centenas ou milhares de anos, justificando seu uso com a teoria psicológica.

Segundo esses “especialistas”, o que eles fizeram foi aplicar ao caso a teoria do desamparo aprendido. Lembremos que isso foi formalizado pelo psicólogo Martin Seligman em 1967. Refere-se ao fato de que a punição contínua leva uma pessoa a aprender a se comportar passivamente frente a um agressor, sob a premissa de que ela não tem capacidade para responder a esses ataques.

 

Mitchell e Jessen fizeram uma interpretação grosseira dessa teoria e, assim, criaram o que chamaram de “técnicas avançadas de interrogatório”. Essas técnicas nada mais eram do que abusos físicos sistemáticos em um contexto de isolamento, de privação de sono e de comida, tudo com o objetivo de quebrar a vontade dos detidos. Nisso não há inovação alguma, e sim sadismo.

Sombra de pessoa com medo

O perigo desses precedentes

Esses dois psicólogos nem mesmo falavam a língua dos prisioneiros, mas se envolveram pessoalmente nos casos de tortura. Eles mesmos aplicaram procedimentos como afogamento e golpes na cabeça por horas. O mais intrigante de tudo é que há muitos indícios de que eles não alcançaram seus objetivos; muitos prisioneiros resistiram e não disseram o que eles queriam saber.

 

Agora que o caso Guantánamo segue em julgamento contra cinco prisioneiros, Mitchell foi intimado a depor como testemunha, mas não é acusado de nada. Junto com seu colega Jenssen, ele ganhou 81 milhões de dólares por seu trabalho. Ambos têm uma cláusula que os protege, com cinco milhões de dólares contra possíveis ações judiciais contra eles. No entanto, esses julgamentos nunca ocorrerão, porque o caso Guantánamo é cercado por uma impunidade total.

É grave que uma das maiores potências do mundo patrocine e incentive esse tipo de prática tão cruel. Também é grave que utilizem não a psicologia, mas o nome da psicologia, para realizar atos bárbaros contra seres humanos.

 

Pérez Gónzalez, M., & Rodríguez-Villasante y Prieto, J. L. (2002). El caso de los detenidos de Guantánamo ante el derecho internacional humanitario y de los derechos humanos. Revista Española de Derecho Internacional, 11-40.