Por que o cérebro sempre busca alguém para culpar pelo que acontece?

Algumas pessoas são incapazes de aceitar seus próprios erros. Assim, em vez de assumirem a responsabilidade pelas suas ações, elas projetam a culpa nos outros. Essa reação está relacionada a uma estratégia que o cérebro tem para evitar enfrentar a realidade e procurar alguém para culpar.
Por que o cérebro sempre busca alguém para culpar pelo que acontece?

Última atualização: 23 Março, 2021

Embora você possa não perceber, seu cérebro procura alguém para culpar pelo que acontece com você. Isso acontece para coisas importantes e também para coisas triviais e sem grande importância.

Procurar alguém para culpar ​​pelo seu azar, tristeza, ou contratempos é um poderoso mecanismo de defesa, pois você pode transferir para os ombros de outras pessoas aspectos que às vezes o preocupam.

Se seu parceiro o deixa de repente, por exemplo, sua mente pode sussurrar para você que ele provavelmente está com outra pessoa. Nem sempre é fácil aceitar que, às vezes, o amor acaba. Outro exemplo seria culpar seu professor por você ter reprovado, pensando que ele tem algo contra você. Procurar um bode expiatório é algo que muitas pessoas fazem quase que constantemente.

O jogo da culpa se resume a distribuir aleatoriamente a responsabilidade pelo que acontece conosco. Algumas pessoas o fazem mais abertamente, enquanto outras se contêm muito mais antes de começar a apontar o dedo. Esse fenômeno é mais comum do que você pensa, e tudo se resume a uma coisa: má gestão emocional.

Quando as coisas acontecem de maneira oposta ao que você esperava, você precisa entender o que aconteceu, e às vezes você faz isso culpando alguém.

Homem falando ao telefone

Por que o cérebro procura alguém para culpar pelo que acontece?

Imagine que você está andando na calçada e, de repente, escorrega em algumas folhas caídas e cai. Após se levantar, irritado por ter chamado a atenção de outras pessoas e talvez por ter feito papel de bobo, você diz a si mesmo que a culpa é do governo local. Para você, ele deve manter a calçada limpa e recolher tudo o que está no chão.

Procurar culpados às vezes é mais fácil do que aceitar um simples fato: o azar existe, e nem sempre é possível encontrar culpados específicos. Algumas coisas simplesmente acontecem; é a vida. A vida às vezes traz infortúnios tão aleatórios que é inútil tentar encontrar alguém para culpar por eles. No entanto, seu cérebro precisa de um culpado, por isso ele procura alguém para culpar pelo que acontece.

De alguma forma, a mente é regida pela ideia de causa e efeito. Se algo acontece, é porque há um motivo por trás. Além disso, seu cérebro lhe dirá que a causa desse infortúnio é outra pessoa, e nunca você. Com isso, você liberará as emoções negativas, a raiva que você sentiu por causa daquela queda e a vergonha que isso fez você sentir.

Por que o cérebro joga o jogo da culpa?

O cérebro busca alguém para culpar pelas coisas que acontecem, e isso acontece com mais frequência do que você imagina. Tanto é assim que os meios de comunicação em massa sabem e fazem uso disso.

Em um estudo realizado na Universidade de Amsterdã, pesquisadores descobriram que os jornais mais sensacionalistas costumam ter uma estratégia em comum: fazer com que a população procure um culpado para tudo o que acontece.

Este culpado quase sempre são pessoas das grandes elites ou de um determinado partido político. Esse processo, além de poder ser manipulado, também é algo que todos nós usamos quase que inconscientemente pelos seguintes motivos:

  • Os seres humanos usam isso como um mecanismo de defesa. Transferir a culpa para os outros me livra da minha responsabilidade.
  • A culpa é um recurso de ataque. Com ela, as pessoas procuram ferir outras quando estão com raiva.
  • A maioria das pessoas é muito ruim em analisar por que certas coisas acontecem. Elas se deixam levar por preconceitos, vieses e por reações instintivas que significam que elas não refletem ou meditam sobre as coisas que aconteceram.

Tudo que é negativo nos incomoda

Muitas pessoas têm as habilidades de controle emocional de uma criança de 3 anos. Elas são intolerantes à frustração, tentam escapar de qualquer forma da responsabilidade e são alérgicas a emoções negativas. Quando cometem erros ou quando acontece algo que elas não conseguem controlar, canalizam sua raiva à procura de culpados, enquanto repetem para si mesmas “não fui eu”.

Esta baixa tolerância ao erro, aos aspectos incontroláveis ​​da vida e aos infortúnios as sujeitam a um estado de raiva constante. Como resultado, isso pode criar situações muito problemáticas, tanto para elas próprias quanto para os que as rodeiam.

Menino gritando

O que fazer quando o cérebro procura alguém para culpar pelo que acontece?

Quando o cérebro procura alguém para culpar pelo que acontece, você deve estar totalmente ciente do que está acontecendo em sua mente. A mente humana é composta por múltiplos mecanismos de defesa dos quais não temos consciência. Por causa disso, as pessoas se deixam levar por pensamentos irracionais e por ideias como “Isso aconteceu comigo por um motivo e alguém é o culpado”.

Portanto, antes de procurar um bode expiatório, você deve refletir. Antes de tentar culpar outras pessoas, mesmo dos mais altos escalões, da sociedade em geral ou da política, tente pensar até que ponto você pode ser o culpado.

Em suma, antes de culpar alguém, concentre-se em si mesmo e procure soluções para o que está acontecendo com você. Essa é a única forma de vencer e ser responsável. Além disso, vai melhorar o seu bem-estar.

Pode interessar a você...
Culpar os outros como estratégia
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Culpar os outros como estratégia

Culpar os outros primeiro se torna um hábito e depois uma estratégia, principalmente nas pessoas com um alto grau de narcisismo ou sem autonomia.