O cérebro dos neandertais

dezembro 24, 2019
Existem certas semelhanças e diferenças entre os cérebros de neandertais e humanos que podem ter sido determinantes para entender por que eles foram extintos e nós perseveramos.

Os neandertais (Homo neanderthalensis) são uma espécie extinta do gênero Homo que conviveu com os seres humanos (Homo Sapiens) durante muito tempo. Foi durante toda a segunda metade do Pleistoceno, entre 230.000 e 28.000 anos atrás. Eles se espalharam por toda a Europa, no Oriente Próximo, Médio e na Ásia Central. Neste artigo, falaremos sobre as diferenças entre o cérebro dos neandertais e do homo sapiens.

Os estudos paleontológicos indicam que os neandertais e os humanos têm uma origem comum, portanto, compartilham algumas características morfológicas e têm habilidades cognitivas semelhantes.

Além disso, há também evidências de que ambas as espécies se cruzaram ao longo de sua história gerando descendentes híbridos. Por isso, atualmente o nosso genoma humano possui 2% de neandertal.

Vejamos quais são as características morfológicas dos neandertais, concentrando-nos em seu cérebro. Além disso, explicaremos como elas podem ter influenciado a sua extinção.

A morfologia dos neandertais

Anatomicamente, os neandertais eram mais fortes que o Homo Sapiens, com peito e quadril mais largos. Apesar dessa robustez, possuíam membros mais curtos.

O seu crânio era caracterizado por seu arco superciliar duplo, testa estreita, ausência de queixo e capacidade craniana um pouco maior que a humana.

Esses traços cranianos dão pistas sobre a aparência de seu rosto que poderia ter nariz proeminente, maçãs do rosto mais fundas e uma mandíbula superior um tanto saliente. O nariz proeminente pode ser explicado como uma melhora adaptativa para resistir às duras glaciações de sua época.

Família neandertal

Os neandertais eram onívoros, assim como os humanos. Dependendo do seu habitat, exploravam uma grande variedade de alimentos. Eles variavam de mamíferos grandes a peixes e mariscos, sem descartar os vegetais e frutas coletados.

Por outro lado, estudos anatômicos dos restos encontrados dos neandertais dão informações sobre a possibilidade de haver uma linguagem articulada.

Além disso, graças a uma infinidade de escavações, sabe-se que eles tinham uma capacidade organizacional complexa, cultuavam os mortos, cuidavam de seus doentes, fabricavam ferramentas e até criavam arte.

O cérebro dos neandertais

O cérebro dos neandertais é maior que o dos seres humanos. Além disso, o seu crescimento cerebral também era mais lento do que o nosso.

Isso é muito peculiar: é preciso muita energia para manter o funcionamento de um cérebro tão grande. Portanto, era necessária uma grande quantidade de nutrientes e cuidados durante a infância para garantir o seu desenvolvimento.

Isso significa que, apesar da diferença de tamanho, o cérebro dos neandertais e dos humanos amadureciam de maneira semelhante. Portanto, o padrão de crescimento entre as duas espécies foi herdado por um ancestral em comum.

Essa característica tem sido muito importante para a adaptação do ser humano, e agora sabemos que também foi importante para os neandertais. Um maior tempo de desenvolvimento permite ter um cérebro maior e, portanto, com melhores habilidades mentais.

Essa semelhança entre o desenvolvimento do cérebro humano e dos neandertais foi descoberta graças à análise minuciosa dos restos mortais de um bebê neandertal encontrado na caverna de El Sidrón, Astúrias, com 49.000 anos de idade.

Forma e tamanho

Outra diferença entre o cérebro dos neandertais e o humano é a forma. O nosso cérebro é proporcionalmente esférico como uma bola de futebol, enquanto o dos neandertais era um pouco mais alongado, como uma bola de rugby. As consequências dessa diferença anatômica na forma do cérebro são desconhecidas até o momento.

Apesar do grande tamanho cerebral dos neandertais, o seu cerebelo é menor que o dos humanos. Esse pequeno detalhe pode fazer uma grande diferença entre as duas espécies.

O cerebelo é uma parte muito importante do cérebro, porque regula habilidades cognitivas como a concentração, memorização, flexibilidade cognitiva e a compreensão e produção da linguagem.

Por outro lado, o lobo occipital dos neandertais era maior do que dos Homo Sapiens antigos. Portanto, os neandertais podiam ter melhores habilidades visuais, porque essa região do cérebro é responsável pelo processamento das imagens que recebemos.

Crânio humano e crânio neandertal

Explicação para a extinção dos neandertais

A extinção dos neandertais é um dos grandes mistérios da história. Os fatores mais importantes considerados são a expansão do Homo Sapiens na Eurásia e as progressivas mudanças climáticas.

A análise dos restos neandertais encontrados em vários locais, da Rússia à Espanha, revelou que essa espécie Homo se extinguiu há 40.000 anos, sendo a Península Ibérica o último habitat dos neandertais.

Alguns pesquisadores acreditam que o cérebro dos neandertais pode ser uma das muitas razões para a sua extinção, especificamente o seu cerebelo reduzido.

Ao contrário do Homo Sapiens, os neandertais tinham uma menor capacidade cognitiva e social, por isso não se adaptavam facilmente às mudanças ambientais. Portanto, os humanos antigos tinham uma chance maior de sobrevivência por causa do maior tamanho do seu cerebelo.

  • Rosas, A. & Aguirre, E. (1999). Restos humanos neandertales de la cueva del Sidrón, Piloña, Asturias. Nota preliminar. Estudios Geológicos, Vol. 55, N° 3-4. Madrid: Instituto de Geociencias (CSIC-UCM).
  • Pearce, E.; Stringer, C.B. & Dunbar, R. (2013). New insights into differences in brain organization between Neanderthals and anatomically modern humans. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, Vol. 280, N° 1758. Londres: The Royal Society.