Como ajudar alguém que tem delírios

Uma pessoa com delírios não precisa de ajuda para mudar, mas para ser do jeito que é sem sofrer. Existem diferentes maneiras de conseguir isso.
Como ajudar alguém que tem delírios

Última atualização: 27 junho, 2022

Uma pessoa que tem delírios nem sempre encontra apoio suficiente – as pessoas sem eles também, mas geralmente são menos vulneráveis. Em muitos casos, a atenção é reduzida ao diagnóstico e prescrição de medicamentos.

Enquanto isso, quem é afetado por essa condição pode experimentar um grande nível de sofrimento. São geradas ideias, percepções ou experiências que são muito difíceis para os outros entenderem. A sensação de solidão indesejada que essas pessoas têm que enfrentar costuma ser muito grande, e geralmente elas têm poucas ferramentas para evitar que isso lhes cause dores profundas.

Atualmente, existem várias abordagens alternativas para ajudar uma pessoa que tem delírios. Embora não substituam os cuidados psiquiátricos, podem ser um excelente complemento ao tratamento. Na verdade, elas são um componente essencial que os sistemas de saúde nem sempre oferecem.

Aqueles que interagem diariamente com a pessoa que tem delírios muitas vezes não sabem o que fazer. Muitas vezes tentam “fazer ver a razão”, porque prevalece a ideia de que a “razão” é aderir a crenças comuns. Também é possível que essas pessoas simplesmente sejam ignoradas.

Existem outras maneiras de lidar com esses tipos de situações e falaremos sobre elas em breve.

“ A idéia pioneira que se apresenta é que, mesmo que outros considerem que alguém tem idéias ilusórias, o problema não são as crenças incomuns, mas a forma como são tratadas. ”.

-Cavaleiro Tamasin-

homem com esquizofrenia

Crenças incomuns

Poderíamos dizer que na sociedade existem algumas “loucuras permitidas” e outras proscritas. Quando um equívoco, mesmo delirante, é compartilhado por muitos, é considerado “normal”. Enquanto isso, uma crença ou ideia incomum é rotulada de “anormal”. Se, além disso, houver um diagnóstico envolvido, tudo permanece no campo da doença.

Nem todos os profissionais de saúde mental veem as coisas dessa maneira. Entre muitos outros, os pesquisadores Marius Romme e Sandra Escher descobriram que ouvir vozes e crenças incomuns são mais comuns do que se pensava. Para algumas pessoas é uma experiência normal.

Desse ponto de vista, o objetivo não é fazer com que a pessoa deixe de ter esse tipo de experiências e crenças, mas sim que isso não a impeça de continuar com sua vida, nem implique em alto sofrimento emocional. Há muita literatura disponível sobre isso, mas por enquanto vamos ao ponto principal deste artigo: como ajudar uma pessoa que tem delírios.

Ajudar alguém que tem delírios

A premissa central para ajudar uma pessoa que tem delírios é aceitá-la como ela é. Ter ideias, crenças ou experiências pessoais que são muito únicas, faz parte da sua identidade. A tarefa do ambiente não é fazê-los deixar de ser como são, pensar como pensam ou viver o que vivem. Isso deve ser respeitado como uma experiência particular, na qual outros não precisam intervir.

O desejo, ou mesmo a demanda de outros por uma pessoa com delírios para mudar é apenas uma fonte de angústia para elas. Longe de ajudar, aumenta a sensação de incompreensão, isolamento e tristeza.

Isso nos leva a algo muito importante: ouvir com respeito. Uma pessoa que tem delírios deve ser capaz de falar sobre suas experiências, sem ser julgada por isso. Se você quer ajudá-la, o melhor a fazer é ouvi-la com respeito e sem julgá-la.

Homem falando com seu parceiro

Estratégias de enfrentamento

Se o objetivo é ajudar uma pessoa com delírios, a escuta respeitosa é a estratégia central. Além disso, é possível implantar outras estratégias que ajudarão a pessoa acometida a ter maior bem-estar. Alguns delas são os seguintes:

  • Estratégias de proteção. É importante ajudar a pessoa afetada a identificar quais são as ações ou situações que permitem que ela se sinta mais segura e protegida. Por exemplo, deixar a luz acesa à noite, usar chapéu, etc.
  • Mudar o ambiente. Quando uma pessoa está muito angustiada por um delírio, uma mudança de ambiente pode ser útil. Uma viagem ou até mesmo uma caminhada ajuda nesses casos.
  • Preparar-se para situações difíceis. Consiste em fazer um plano de enfrentamento para situações complexas. É importante identificar quais são as ameaças percebidas pela pessoa afetada e desenvolver um plano definido para que possa enfrentá-las.
  • Autoafirmação. Uma pessoa que tem delírios precisa confiar em si mesma e no que está por vir. Dizer frases afirmativas para si mesmo como “Vou sobreviver a isso” ou “Vou ser liberado dessa situação” pode ajudar.

Uma pessoa que tem delírios precisa ficar longe do estresse, reforçar sua autoestima e sentir-se aceita e amada -necessidades universais, mas nas quais costuma ter deficiências maiores, derivadas justamente da entidade clínica significativa-.

Rotinas estruturadas os ajudam a se estabelecer melhor, assim como o treinamento em habilidades sociais e estratégias de resolução de problemas, aumentando assim a sensação de controle que elas podem ter sobre o ambiente.

Pode interessar a você...
Quais são os principais tipos de delírios?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Quais são os principais tipos de delírios?

Os delírios são de particular importância no diagnóstico de transtornos psicóticos. Neste artigo, falamos sobre os tipos de delírios e seus conteúd...



  • Fernández Escobar, W. (2003). Delirio. Rev. Fac. Med.(Bogotá), 109-113.
  • Rojas, V. C., & Rodríguez, A. M. B. (2020). Aplicación de la terapia de aceptación y compromiso en un caso de ideación delirante. Revista de Casos Clínicos en Salud Mental, 8(1), 1.