Segundo a ciência, o estresse modifica a percepção do paladar

Você sente uma necessidade maior de comer doces ultimamente? Sente que quando come estes produtos não têm o mesmo sabor? Isso pode ser um efeito do estresse sustentado ao longo do tempo.
Segundo a ciência, o estresse modifica a percepção do paladar

Última atualização: 23 maio, 2022

Trabalho, incerteza social e econômica, problemas de relacionamento… São muitos os desafios que nos cercam e que afetam nosso equilíbrio psicológico. Experimentamos exaustão física e mental, distúrbios do sono, dores de cabeça, etc. Agora, muitos podem não estar cientes de um curioso efeito relacionado: o estresse modifica a percepção do paladar.

Isso a ponto de a comida se tornar insípida e deixarmos de desfrutar de algo tão importante quanto o prazer de comer. De fato, muitos psiquiatras costumam realizar um teste de sabor em seus pacientes para descobrir que tipo de tratamento seria o mais adequado para cada pessoa.

As alterações psicofisiológicas decorrentes dos processos de estresse e ansiedade são tão marcantes quanto complexas. Quase sem perceber, um bom número de processos e dimensões podem ser alterados e corroem nossa qualidade de vida.

Não poder desfrutar do nosso prato favorito, por exemplo, significa que estamos menos motivados. Vamos entender porque isso acontece.

Mulher pensando que o estresse modifica a percepção do paladar
Os hormônios do estresse, como os glicocorticóides, são responsáveis pela alteração dos receptores gustativos.

Por que o estresse modifica a percepção do paladar?

Em momentos de estresse existe uma experiência comum: o corpo pede para comermos mais doces. No entanto, e aqui entra o paradoxo único, não gostamos daquele pastel, daquele bolo ou daquele pedaço de fruta da mesma forma. Ficamos querendo mais porque não nos satisfaz, porque não gera o mesmo gozo sensorial.

A que se deve isso? É importante saber que se o estresse modifica a percepção do paladar, a causa está nos glicocorticóides. Esses elementos biológicos são hormônios esteróides que são produzidos pelas glândulas supra-renais. Por exemplo, o glicocorticóide mais relevante é o cortisol.

Quando passamos por momentos de aumento da ansiedade, pressão e preocupação, o cérebro consome mais energia. Precisamos ou procuramos alimentos ricos em açúcar por causa de sua alta palatabilidade e, acima de tudo, para nos sentirmos melhor, por ter um aumento de dopamina e serotonina. No entanto, o cortisol impede isso de muitas maneiras diferentes e curiosas…

Sabor doce e umami, os mais afetados pelo cortisol

Pesquisadores do centro científico Monell Chemical Senses, do University City Science Center, na Filadélfia, realizaram um trabalho interessante em 2015. Com ele, descobriram que o estresse aumenta a secreção de glicocorticóides (GC), e que estes têm efeitos em vários tecidos-alvo, como o papilas gustativas.

  • A alteração que eles geram no nervo gustativo associado aos doces é especialmente notável. Há menos estimulação.
  • Agora, não apenas o sabor doce é afetado, a atividade de toda a população de células gustativas dos tipos umami e amargo também é reduzida.

O fato de o sabor umami causar menos ativação do cortisol tem um sério impacto em nossa dieta. Devemos ter em mente que este sabor é o que nos permite saber quando um alimento é saboroso.

O umami gera uma sensação mais profunda de prazer e é o que nos permite desfrutar de alimentos com maior palatabilidade, como o queijo.

O estresse modifica a percepção do paladar e também o apetite

Sabemos que o estresse modifica a percepção do paladar e altera o apetite. E o faz de muitas maneiras diferentes. Há quem sinta a necessidade quase constante de consumir alimentos ricos em carboidratos e gorduras. Tenta, com isso, acalmar o sistema nervoso através desses pequenos aumentos de dopamina e serotonina.

No entanto, essa sensação de plenitude é muito breve. E a isso se soma a alteração do sabor já indicado. O gozo não é completo e a pessoa fica com um sentimento de insatisfação permanente.

Da mesma forma, e no que se refere à alteração do apetite, podem acontecer duas coisas. Algumas pessoas tendem a comer compulsivamente como um mecanismo para aliviar o estresse e a ansiedade. Em contraste, outras pessoas, e também devido ao efeito do cortisol, experimentam uma inibição do apetite.

A causa dessa ausência de fome está na contração do diafragma, que causa aquele nó clássico no estômago que é tão incômodo.

menina comendo

O que podemos fazer?

O que fazer se tivermos um momento de estresse constante que afeta várias áreas de nossas vidas? A alteração do paladar é sempre um indicador notável de que há muito negligenciamos nosso equilíbrio psicológico.

Se negligenciarmos esse estresse, corremos o risco de chegar a estados mais complexos. É decisivo que iniciemos mudanças, que consultemos profissionais especializados ou que levemos em consideração algumas estratégias básicas:

  • Habilidades para modificar pensamentos e substituí-los por outros mais saudáveis.
  • Aprender técnicas de resolução de problemas.
  • Habilidades de enfrentamento emocional e comportamental.
  • Integrar técnicas de relaxamento na vida cotidiana.
  • Melhorar a nutrição. Vamos optar por produtos ricos em proteínas de alta qualidade e ricos em triptofano, como peixes, ovos, legumes, abacate, sementes de abóbora, etc.

Para concluir, ao aplicarmos essas técnicas e assumirmos o controle de nossas vidas, recuperaremos a percepção correta do paladar, bem como o bem-estar geral. Afinal, felicidade é poder saborear intensamente cada momento.

Pode interessar a você...
7 curiosidades sobre os sentidos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
7 curiosidades sobre os sentidos

São muitas as curiosidades sobre os sentidos, a começar pela complexidade dos órgãos que os transportam e pela forma como desempenham as suas funçõ...



  • Cay, M., Ucar, C., Senol, D., Cevirgen, F., Ozbag, D., Altay, Z., & Yildiz, S. (2018). Effect of increase in cortisol level due to stress in healthy young individuals on dynamic and static balance scores. Northern clinics of Istanbul5(4), 295–301. https://doi.org/10.14744/nci.2017.42103
  • Ileri Gurel, Esin & Pehlivanoglu, Bilge & Dogan, Murat. (2013). Effect of Acute Stress on Taste Perception: In Relation with Baseline Anxiety Level and Body Weight. Chemical senses. 38. 27-34. 10.1093/chemse/bjs075.
  • Parker, M. R., Feng, D., Chamuris, B., & Margolskee, R. F. (2014). Expression and nuclear translocation of glucocorticoid receptors in type 2 taste receptor cells. Neuroscience letters571, 72–77. https://doi.org/10.1016/j.neulet.2014.04.047