Como a digitalização afeta o cérebro

30 Julho, 2020
Você já se perguntou como o ambiente digital em que vivemos afeta o nosso cérebro? Ele perderá capacidades ou permanecerá o mesmo de antes? Explicaremos algumas descobertas a seguir.
 

Nosso cérebro pode ser considerado o cérebro mais potente do mundo. Possui quase 100 bilhões de neurônios conectados entre si e se comunicando a uma velocidade mais rápida que a da luz. No entanto, desde que a digitalização invadiu as nossas vidas, levantou-se a questão: será que ela pode fazer com que o cérebro acabe perdendo algumas das suas capacidades?

Partindo do fato de que o cérebro é plástico e adaptável, é de se esperar que ocorram alguns ajustes e mudanças para otimizar os recursos. Ou seja, se devido à digitalização não precisarmos mais cuidar de certos processos, talvez o cérebro compense melhorando outras habilidades.

Atualmente, podemos encontrar alguns resultados científicos que apontam para as mudanças pelas quais o nosso cérebro está passando, principalmente nos mais jovens.

Como a digitalização afeta o cérebro?

Digitalização…

Em um tempo relativamente curto, a sociedade passou por uma enorme mudança na tecnologia. Gerações com apenas 30 anos de diferença deixaram a televisão de lado e passaram a ver e ouvir uma pessoa em tempo real em qualquer parte do mundo.

Logicamente, isso muda a maneira como nos comportamos, nossos hábitos, a maneira como fazemos as tarefas da casa, nos comunicamos e acessamos as informações. Portanto, altera o funcionamento do cérebro e até a sua anatomia.

 

…e as habilidades cognitivas

Segundo Gary Small, neurocientista da Universidade de Los Angeles, o uso da tecnologia está mudando o cérebro, uma vez que se observa como algumas redes neurais são fortalecidas e as mais antigas enfraquecidas. Esse processo é natural no cérebro humano, mas essas mudanças estão ocorrendo em certas estruturas ou circuitos específicos. Por exemplo, em circuitos da atenção.

Passamos muito tempo com telefones celulares, tablets ou computadores – na verdade, todos ao mesmo tempo -, o que nos leva a realizar várias tarefas simultaneamente. A multitarefa é uma habilidade cognitiva que possuímos, na qual conseguimos manter o foco em várias atividades, mas estima-se que suporte no máximo até duas tarefas.

Assim, quando o cérebro se concentra em duas tarefas, o córtex pré-frontal divide os seus recursos para realizar as duas corretamente. No entanto, aqueles que realizam mais de duas tarefas ao mesmo tempo têm problemas para filtrar e reter informações, prestam atenção a aspectos que não estão relacionados à tarefa e têm mais dificuldades para mudar de uma tarefa para outra.

Além disso, teremos uma menor capacidade de retenção, e podemos ter que voltar para procurar informações quando precisarmos. No entanto, suspeita-se que isso melhore a nossa capacidade de tomada de decisão, pois os sentidos ficam mais aguçados e o ambiente digital convida à velocidade. Portanto, também melhora a velocidade do processamento de informações, o que nos torna, nesse sentido, mais eficazes.

 

…e o cérebro em desenvolvimento

O cérebro das crianças é especialmente interessante quanto ao efeito da digitalização, já que são elas que estão crescendo em um ambiente com tecnologia. De fato, crianças nascidas aproximadamente desde 2000 são consideradas nativas digitais.

Isso significa que, uma vez que elas vêm ao mundo, estão cercadas por tecnologia e, portanto, desenvolvem espontânea e naturalmente uma maneira diferente de pensar e entender o mundo.

Essas crianças crescem desenvolvendo habilidades diferentes e digitalizadas, não apenas por causa do ambiente, mas também porque os adultos as levam a isso. Isso acontece quando recebem um telefone ou tablet para se manterem entretidas. Isso, embora possa parecer inofensivo a princípio, pode ter consequências importantes para o desenvolvimento da criança.

Por um lado, é promovida uma vida mais sedentária, que, por sua vez, tem consequências cerebrais que deterioram as fibras nervosas e geram um pior desempenho cognitivo. Da mesma forma, foi observado que afeta consideravelmente o desenvolvimento da linguagem e aumenta os níveis de cortisol, o que tem um efeito prejudicial no cérebro.

O cérebro em desenvolvimento
 

Nosso cérebro se tornará inútil devido à digitalização?

Como dissemos antes, o cérebro é capaz de se adaptar, e parte dessa adaptação é dispensar os circuitos neurais que não são mais necessários ou usados. Assim, se ao longo dos anos e devido à digitalização algumas redes não forem mais necessárias, elas acabariam se degradando. Isso é conhecido como “o paradoxo do progresso”.

No entanto, isso não é uma coisa negativa, pois o cérebro terá capacidades e recursos para investir em outros aspectos. Por exemplo, não precisamos lembrar de informações específicas sobre algo, mas precisamos lembrar onde podemos acessá-las. Ou, por exemplo, não teremos que manter todo o conjunto de duas ideias, mas teremos mais recursos para relacionar os conceitos entre ambas.

Por fim, a digitalização certamente muda o nosso cérebro e, com ele, a maneira como percebemos e processamos o mundo. No entanto, isso não significa que seja para pior. Continuaremos sendo seres humanos e, provavelmente, nosso cérebro continuará sendo o melhor computador que existe. Além disso, a sua capacidade social única e nutritiva é insubstituível.