Como tratar os filhos do meu parceiro?

Ao iniciar um relacionamento com alguém que já tem filhos, aprender a se relacionar com eles pode ser um desafio. É por isso que, com este artigo, queremos te ajudar.
Como tratar os filhos do meu parceiro?

Última atualização: 25 Dezembro, 2021

Reconstruir uma família é o objetivo de muitas pessoas, mas não é um caminho fácil. Quando você inicia um relacionamento com alguém que tem filhos, não saber como tratar os filhos do seu parceiro pode ser um obstáculo que pode acabar com o relacionamento.

Mesmo que duas pessoas decidam se separar, os filhos não participam dessa decisão. Eles têm que passar por um processo de separação e posteriormente se adaptar a uma nova vida, então, introduzir uma terceira pessoa na equação costuma ser difícil para eles.

É comum o aparecimento de complicações durante o processo que deve ser tratado. Se for esse o seu caso, neste artigo você tem algumas dicas gerais para criar a situação mais positiva possível com os filhos do seu parceiro, por isso não perca.

8 segredos para tratar os filhos do seu parceiro

A primeira coisa que você deve saber é que cada família é diferente e que você precisa avaliar a situação de forma independente. No entanto, existem certas diretrizes que você pode usar como pilar para construir um relacionamento saudável com os filhos de seu parceiro. Continue lendo!

1. Supere a tentação de tentar substituir o pai ou mãe deles

É fácil pensar que sua função é atuar como guardião, já que você é companheiro de quem está criando esses filhos. No entanto, lembre-se de que você não é e que eles não te considerarão como tal.

Os conflitos mais típicos surgem dessa situação, em que os filhos não reconhecem autoridade e se comportam mal como forma de rebelião contra as tentativas de controle do parceiro dos pais.

Seu relacionamento com os filhos deve ser construído do zero e em harmonia com o que você tem com seu parceiro. Eles não precisam pensar que você é o novo tutor, mas uma cultura de respeito e carinho deve ser estabelecida entre todos os membros da família.

Homem conversando com a filha de sua companheira na cozinha

2. Convivência  progressiva

Se o relacionamento progredir e vocês decidirem começar a morar juntos, é melhor que você faça essa mudança progressivamente. Dessa forma, você pode fazer ajustes gradualmente e resolver conflitos que, de outra forma, realmente ameaçariam a coexistência.

Você também deve aprender a lidar com os filhos do seu parceiro antes de começar a convivência. Do contrário, será como começar a conviver com estranhos: nem você nem eles vão se dar bem.

3. Passe um tempo de qualidade com eles

A melhor forma de vínculo é compartilhando momentos agradáveis. Procure interesses comuns, atividades divertidas ou contextos que facilitem uma interação descontraída. Dessa forma, você não só vai se dar melhor, mas também abrirá caminhos para se conhecerem melhor.

4. Não opine sobre a educação deles

Principalmente no início, a educação e as regras de convivência devem ser definidas pelos pais. Sua tarefa será se adaptar o máximo que puder e ajustar o relacionamento e a convivência à medida que todos os membros da família se acostumam com a mudança de rotina.

Você deve respeitar o que seu parceiro decide em relação à educação de seus filhos. Sua opinião pode ser válida, mas você deve expressá-la de uma forma que não enfraqueça sua autoridade ou crie conflito de qualquer tipo. Sua autoridade sobre os filhos de seu parceiro sempre será baseada no que ele estabeleça.

5. Estude o relacionamento do seu parceiro com os filhos

Você deve entender que a prioridade do seu parceiro é cuidar das pessoas pelas quais ele é responsável. Isso não torna seu relacionamento menos especial, nem implica que você seja menos do que os filhos dele. São simplesmente amores diferentes e cada um deles tem suas características.

6. Estabeleça seus limites ao lidar com os filhos de seu parceiro

Você também tem necessidades e seu próprio ritmo de adaptação. Assim como você está empenhado em se adaptar e assumir um papel específico, seu parceiro e seus filhos não podem pedir coisas que você não pode fazer.

Esses limites podem ser pactuados em conjunto com toda a família, converse sobre eles primeiro com o seu parceiro ou estabeleça-os à medida que o relacionamento e a convivência progridem. O importante é fazer isso com respeito e compreensão pelas três partes.

7. Estabeleça um relacionamento cordial com o ex-parceiro de seu parceiro

Este assunto é delicado na maioria das vezes. No entanto, é realmente conveniente que, no mínimo, você evite conflitos com os parceiros anteriores de seu atual parceiro.

Embora seja verdade que a situação pode ser muito complicada -especialmente nos casos de maus-tratos-, é preciso observar a sua intenção de não querer causar problemas nesta matéria ou na relação dos filhos com os pais.

8. Consulte um profissional

Sempre que vocês se encontrarem em um ponto sem solução, é uma boa ideia fazer uma terapia familiar ou de casal. Muitas vezes, desde dentro do conflito, as soluções que estão à mão não são vistas.

Além disso, se sua nova família tem uma condição específica – doenças, situações de abuso, etc. – uma base de apoio profissional pode ser muito benéfica.

Casal em terapia

Honestidade, respeito e carinho: suas 3 melhores ferramentas

Finalmente, tenha em mente que este processo tem como objetivo tornar-se uma família. Os filhos do seu parceiro podem não ter crescido com você, mas isso não significa que vocês não possam ser felizes juntos ou que eles tenham que parar de amar seus pais biológicos.

É por isso que a única orientação verdadeiramente universal para lidar com os filhos de seu parceiro – e com qualquer pessoa, na verdade – é tentar fazer o melhor. Coloque a sinceridade, o respeito e a humildade à frente, e o afeto aparecerá por si mesmo.

Pode interessar a você...
Os conflitos familiares aumentam ou diminuem no Natal?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os conflitos familiares aumentam ou diminuem no Natal?

Os conflitos familiares que ocorrem no Natal provavelmente estão latentes há muito tempo. Assim, é o contato que faz vir à tona as disputas.



  • González Martín, B. (2001). La mediación familiar: una intervención para abordar la ruptura de pareja. Medifam11(10), 56-60.
  • Fellmann, I. E., & FREIRE, A. G. M. (2003). Familias reconstituidas: Un estudio sobre las nuevas estructuras familiares. Clínica y salud14(3), 301-332.
  • Bou, F. N. C., Walters-Pacheco, K. Z., & Serrano-García, I. (2008). Cambios…¿ Cómo influyen en los y las adolescentes de familias reconstituidas?. Revista Interamericana de Psicología/Interamerican Journal of Psychology42(1), 91-100.