2 costumes muito prejudiciais no século 21

Existem dois costumes muito prejudiciais no século 21 que muitos de nós praticamos e dos quais também somos vítimas. Neste artigo falaremos sobre seu desenvolvimento e como você pode se defender de suas consequências.
2 costumes muito prejudiciais no século 21

Última atualização: 20 abril, 2022

A tecnologia mudou nosso comportamento social. Não somos os mesmos de antes, nossas necessidades não mudaram, mas nossa forma de satisfazê-las mudou.  As comunidades estão na nuvem e a ajuda chega em forma de correio, as piadas em forma de comentários, os boatos são a pólvora que acende as redes. Somos mais universais, mas também mais impessoais, substituíveis. Neste contexto, queremos falar de 2 costumes muito nocivos no século XXI.

As pessoas podem ver, graças a uma enorme coleção de filtros, que nossos rostos não têm mais espinhas ou rugas. Que temos tempo para trabalhar, praticar esportes, fazer passeios em família e compras semanais. Estamos preparados para viver o dia a dia. A menos que venha uma pandemia e nos lembre que somos frágeis e que nosso verdadeiro poder não está na identidade, mas no que podemos construir na realidade.

Que aqueles que têm mérito são aqueles que são capazes de nos salvar quando temos dificuldade em respirar. Aqueles que, graças ao seu amor e conhecimento, limitam a dor e nos dão esperança. A esperança, que, afinal de contas, todos nós precisamos para viver.

Nesse novo cenário, há 2 costumes muito nocivos no século XXI.

Mulher sorrindo com celular

O carinho virtual, a distância pessoal

Tenho certeza que você conhece alguém que faz isso. Aquela pessoa que te escreve, deixa comentários no que você posta, mas quando você fica cara a cara com ela, ela abaixa a cabeça e continua com sua vida.

A âncora deste tipo de dinâmica assenta em dois pilares: a imagem e a falta de competências sociais. Por um lado, a exposição pública em privado é muito restrita. Talvez a pessoa esteja tão interessada em nossa atividade online porque espera reciprocidade e assim tem uma parede, uma vitrine, na qual projeta ter um habitat social muito vasto.

Nosso cérebro conjuga em associativo. Se você tem muitos amigos, se muita gente te respeita, é porque você é bom… porque estar perto de muitas pessoas é uma vantagem evolutiva.

De fato, as pessoas que apresentam um espaço virtual de interação mais ativo são assim interpretadas pelo nosso sistema cognitivo. E, claro, todos nós queremos que os sistemas cognitivos dos outros nos leiam dessa maneira.

O outro fator que pode estar por trás desse comportamento dissonante é a falta de habilidades sociais. Lembremos que isso exige prática, que podemos nascer com uma vantagem genética para funcionar em ambientes sociais, mas que isso pode não ser um fator diferencial nos casos em que damos bons nutrientes a essa semente.

O não escondido: o segundo dos costumes nocivos do século XXI

A maioria de nós tem dificuldade em dizer não. As pessoas nos pedem um favor, e nosso autoconceito aparece. Ele diz: você é uma pessoa amável! E as pessoas amáveis fazem favores, às vezes sacrificam interesses pessoais em favor dos outros, têm consciência dos outros.

Então, como você pode se recusar? O custo que a dissonância entre o que você faz e o que seu autoconceito dita ou o de colocar seus recursos -começando com o tempo-, por exemplo, à disposição do outro, é maior?

Bem, uma maneira de evitar gerar essa dissonância é adiar a resposta. Usar esse “depois” que muitos pais praticam na esperança de que seus filhos logo esqueçam seu desejo ou o troquem por outro mais fácil de satisfazer.

Amigos falando sobre os 2 costumes muito nocivos do século 21

Esse “depois” pode ser substituído por um “sim…, farei quando tiver tempo”. Sabendo que não vamos ter tempo porque atender a esse pedido será sempre a última coisa na escala de prioridades.

Além disso, sim, eu vou fazer isso, mas sem especificar, ainda pode nos posicionar em um lugar melhor. É verdade que abre a porta para que o outro nos lembre de vez em quando do nosso compromisso, mas também ajuda nossa imagem quando o outro esquece aquele pedido ou resolve sua necessidade de outra forma.

Quão generosos somos de que o íamos ajudar! Ficamos com o reforço positivo e também não pagamos o preço que significaria ter dado essa ajuda de forma real. No entanto, se nos colocarmos do outro lado, essa é uma dinâmica que pode nos deixar muito desesperados (em parte, por isso mesmo, é um dos costumes mais nocivos do século XXI).

Não podemos insistir no pedido, porque o outro já disse sim e deixamos de buscar alternativas por isso mesmo. Confiamos que o assunto se resolve com a contribuição do outro, por isso deixamos de buscar recursos ou colaboração em outros lugares.

Até vermos que o outro não vai realmente nos ajudar e que, por sua falta de assertividade, estamos em uma situação ainda mais comprometida do que no início.

Nesse sentido, se não queremos que façam isso conosco, vamos começar dando o exemplo. Muitas vezes esta forma de resposta é apenas uma imitação de outra que já demos antes. Se temos o hábito de fugir dos compromissos que assumimos, é normal que os outros acabem nos pagando com a mesma fórmula.

Por outro lado, tente, quando alguém concordar com uma solicitação, especificá-la em termos de tempo, para que você tenha conhecimento da margem que possui e também tenha referências para estabelecer pontos de controle. Essa é uma das melhores estratégias para evitar ser vítima de um dos costumes mais nocivos do século XXI.

Pode interessar a você...
Amor líquido ou a fragilidade dos laços
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Amor líquido ou a fragilidade dos laços

O amor líquido nos fala de uma realidade muito comum nas relações pessoais atuais e que tem a ver com a fragilidade dos laços.



  • Fernández, V. P. (2005). Procesos psicológicos básicos: un análisis funcional. Pearson Educación.

  • Tarde, G. (2011). Las leyes de la imitación y la sociología (Vol. 13). CIS.