Donepezil no tratamento da demência

O mal de Alzheimer está no centro das atenções em nossa sociedade à medida que o número de idosos aumenta. Hoje vamos falar sobre um dos medicamentos mais usados ​​para tentar melhorar ou preservar a qualidade de vida dos pacientes.
Donepezil no tratamento da demência

Última atualização: 27 Janeiro, 2021

O donepezil é um medicamento usado no tratamento sintomático do mal de Alzheimer. É aprovado e comercializado em muitos países, inclusive no Brasil.

Não estamos falando de um medicamento que visa a cura. O Alzheimer, até agora, é uma doença neurodegenerativa irreversível. Não há cura. O donepezil é um auxiliar no tratamento dos sintomas desta doença. O seu objetivo é melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Mecanismo de ação

O donepezil é um inibidor específico e reversível da acetilcolinesterase. Esta enzima é responsável por quebrar a acetilcolina. Portanto, a sua inibição aumenta os níveis desse neurotransmissor em diferentes regiões do cérebro. Ou melhor, retarda o processo da sua destruição.

A acetilcolina afeta a memória e outras funções cognitivas. Precisamente, na doença de Alzheimer, foi encontrada uma diminuição da atividade colinérgica de até 95%. Daí a utilidade desses inibidores da acetilcolinesterase no tratamento da demência. A sua missão é retardar os sintomas do Alzheimer.

A acetilcolina é o neurotransmissor mais abundante em nosso corpo. Está presente no sistema nervoso central, bem como no sistema nervoso periférico. O que isso significa? Níveis aumentados de acetilcolina no cérebro melhoram a demência, mas o aumento no nível periférico causa efeitos colaterais do tipo colinérgico.

Donepezil no tratamento da demência

O mal de Alzheimer

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa. É um distúrbio neurológico que causa a destruição maciça de células nervosas no cérebro. Essas células são os neurônios colinérgicos. Diferentes áreas do cérebro vão se atrofiando.

Este processo de destruição é provocado pelo desenvolvimento de placas amiloides. Essas placas são depósitos que se formam em torno das células cerebrais. Eles são compostos de uma proteína chamada beta-amiloide. No caso do Alzheimer, essa proteína está defeituosa e desencadeia a morte neuronal.

Um dos primeiros sintomas é o déficit de memória. À medida que a doença progride, as funções cognitivas e comportamentais se deterioram, levando à demência e, por fim, à morte.

O uso de donepezil na doença de Alzheimer

O donepezil é indicado para o tratamento sintomático da doença de Alzheimer leve a moderadamente grave.

Vários estudos mostram a sua eficácia na melhoria das funções cognitivas e também na função global dos pacientes com Alzheimer.

O tratamento deve ser sempre iniciado e supervisionado por um especialista. É administrado por via oral em dose única diária. Deve ser administrado à noite, antes de deitar.

Primeiro, começa com uma dose de 5 mg por dia, durante pelo menos um mês. Então, após uma avaliação clínica, pode-se considerar um aumento para 10 mg por dia, também em dose única. Quanto maior a dose, maior o efeito terapêutico, mas os efeitos colaterais também aumentarão em número e intensidade.

O tratamento com donepezil pode ser mantido enquanto houver benefício terapêutico. Uma avaliação clínica deve ser realizada periodicamente. Quando não for positiva, deve-se considerar a suspensão do tratamento.

De acordo com alguns estudos, o donepezil demonstrou a mesma eficácia clínica de outros inibidores da acetilcolinesterase. Outros medicamentos desse grupo que também são usados ​​são a rivastigmina e a galantamina. Com um mecanismo de ação diferente, temos a memantina. No entanto, o donepezil continua sendo o princípio ativo mais prescrito.

O tratamento combinado de vários desses medicamentos também está sendo estudado. Pode ser mais uma alternativa para o tratamento da demência associada à doença de Alzheimer.

O risco de efeitos adversos aumenta se combinarmos dois inibidores da acetilcolinesterase. A combinação de donepezil e memantina, por exemplo, parece dar melhores resultados. No entanto, é preciso continuar pesquisando.

Senhora com demência

Efeitos colaterais do donepezil

Os efeitos colaterais mais importantes no tratamento com donepezil são:

  • Diarreia.
  • Náuseas.
  • Anorexia.
  • Fadiga.
  • Insônia.
  • Cãibras musculares.
  • Dor de cabeça.

Às vezes, alguns desses efeitos colaterais provocam a suspensão do tratamento. Isso acontece frequentemente com as reações adversas gastrointestinais, como náuseas e diarreia.

Em geral, os efeitos colaterais são dependentes da dose. O donepezil é bem tolerado na dose diária de 5 mg, mas apresenta mais problemas na dose de 10 mg. Por esse motivo, é importante reavaliar frequentemente a sua eficácia e ajustar a dose mais adequada para cada paciente.

Pode interessar a você...
Terapia não farmacológica para a doença de Alzheimer
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Terapia não farmacológica para a doença de Alzheimer

Antes de definir o que é a doença de Alzheimer e a terapia não farmacológica, devemos entender o que é a demência. Confira a seguir.



  • Agencia Española de Medicamentos y Productos sanitarios (2015). Ficha técnica. Aricept. [Online] Disponible en: https://cima.aemps.es/cima/dochtml/ft/61869/FT_61869.html
  • Romano, M., Nissen, M. D., Del Huerto, N., & Parquet, C. (2007). Enfermedad de Alzheimer. Revista de posgrado de la vía cátedra de medicina, 75, 9-12.
  • Portela Romero, M., Pombo Romero, J., Bugarín González, R., Tasende Souto, M., & Represa Veiga, S. (2005). Utilización de los inhibidores de la acetilcolinesterasa y la memantinapara el tratamiento de la demencia tipo Alzheimer. Revista española de salud pública, 79(6), 665-672.
  • Rogers, S. L., Doody, R. S., Mohs, R. C., & Friedhoff, L. T. (1998). Donepezil improves cognition and global function in Alzheimer disease: a 15-week, double-blind, placebo-controlled study. Archives of internal medicine, 158(9), 1021-1031.