É assim que a solidão afeta o cérebro

Como a solidão afeta o cérebro é uma matéria bem estudada, com um conjunto muito interessante de respostas. Descubra aqui.
É assim que a solidão afeta o cérebro

Última atualização: 06 Janeiro, 2022

A ausência de relações sociais é uma punição mental para qualquer animal gregário. Os cientistas estudaram como a solidão afeta o cérebro para explorar a relação entre o isolamento social e certos transtornos, como o transtorno de estresse pós-traumático e a demência.

Neste artigo, você aprenderá sobre os principais efeitos da solidão no cérebro. As mudanças que isso causa, embora reversíveis, afetam várias estruturas responsáveis pelo comportamento e pelas emoções. Não perca!

Como a solidão afeta o cérebro

A ciência há muito mostra que o isolamento social não só tem consequências para a nossa saúde mental, mas também tem sido associado a mudanças fisiológicas no corpo, como problemas cardiovasculares. Especificamente, a solidão representa um risco semelhante ao fumo e à obesidade para o desenvolvimento de doenças cardíacas.

Em animais sociais não humanos, um processo semelhante ao nosso tem sido observado: há uma redução no volume de várias regiões do hipocampo, principalmente no giro denteado. Uma diminuição na massa cinzenta também é observada no córtex pré-frontal, fundamental na tomada de decisão.

A seguir, apresentamos os resultados mais relevantes. Os estudos em humanos têm aumentado nos últimos tempos graças ao desenvolvimento de novas tecnologias e, infelizmente, também a todos os casos de isolamento associados à pandemia.

Mulher triste sentada na cama

Alterações na rede neural padrão

Estudos parecem sugerir que as principais alterações ocorrem na chamada rede neural padrão (RND): um conjunto de regiões cerebrais ativas quando o cérebro se concentra em memórias, divagações e devaneios.

A massa cinzenta nessas áreas teve um volume maior em pessoas solitárias. A questão é se esse correlato fisiológico é uma causa ou um efeito; ou seja, esse volume é o que os torna mais solitários ou o fato de serem mais solitários é o que faz com que o volume aumente. As conexões entre os neurônios que conectam os vários núcleos do RND também foram consideradas mais fortes.

Em relação à substância branca, a solidão se correlacionou com mudanças no fórnice – as fibras nervosas que comunicam o hipocampo com o RND. Especificamente, essa estrutura foi mais bem preservada em pacientes privados de companhia do que em acompanhados.

Com base nesses resultados, os autores postularam que, em uma situação de solidão, os indivíduos usam mais a imaginação, as lembranças do passado e as fantasias sobre outras pessoas. Isso é mediado pela rede neural padrão e, além disso, a robustez dessas estruturas é realimentada com sua própria atividade.

Mudanças na arquitetura do cérebro

A estrutura do cérebro também é afetada. Em um estudo realizado em camundongos, eles sofreram um isolamento sensorial e social após serem criados em grandes grupos. Os resultados mostraram que a solidão causou grandes mudanças na arquitetura cerebral desses animais: observou-se diminuição dos neurônios e problemas associados aos seus fatores de crescimento.

Essas mudanças eram especialmente evidentes no córtex sensorial, responsável pelo processamento dos estímulos externos. A outra região fortemente afetada foi o córtex motor, o que explicava a paralisia de camundongos isolados diante de estímulos ameaçadores. Os roedores que conseguiram ficar na companhia de seus congêneres tiveram maior chance de fugir e se recuperar antes do susto.

Embora difícil de generalizar para humanos, esses resultados são consistentes com descobertas de pesquisas anteriores, sugerindo que a solidão pode levar à psicose, demência ou ansiedade.

Mulher triste porque se sente magoada

Mudanças emocionais

O último grande prejuízo do isolamento social é o acúmulo de uma substância química específica no cérebro , chamada taquicinina 2.

Este estudo, realizado com roedores, mostrou que a solidão causou uma maior liberação desse neuropeptídeo e com ela aumentou a agressividade e a hipersensibilidade a estímulos ameaçadores. Esses resultados foram reforçados ao constatar que o medo foi eliminado com a deleção do gene que produz a taquicinina na amígdala. Por outro lado, se o gene era deletado no hipotálamo, a agressão era eliminada.

Como você viu, a solidão não envolve apenas mudanças emocionais, como medo, hipersensibilidade e tristeza. As modificações pelas quais as estruturas cerebrais sofrem afetam muitas áreas da mente, e é por isso que esses especialistas recomendam cuidar das relações sociais. Um círculo social saudável pode ser um fator protetor para doenças profundas na sociedade.

Pode interessar a você...
Pessoas que gostam de ficar sozinhas: características psicológicas
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Pessoas que gostam de ficar sozinhas: características psicológicas

Desfrutar da solidão não é sinônimo de misantropia, há quem aprecia plenamente o tempo que compartilha com si mesmo.



  • Holt-Lunstad, J., & Smith, T. B. (2016). Loneliness and social isolation as risk factors for CVD: implications for evidence-based patient care and scientific inquiry.
  • Zelikowsky, M., Hui, M., Karigo, T., Choe, A., Yang, B., Blanco, M. R., … & Anderson, D. J. (2018). The neuropeptide Tac2 controls a distributed brain state induced by chronic social isolation stress. Cell173(5), 1265-1279.
  • Spreng, R. N., Dimas, E., Mwilambwe-Tshilobo, L., Dagher, A., Koellinger, P., Nave, G., … & Bzdok, D. (2020). The default network of the human brain is associated with perceived social isolation. Nature communications11(1), 1-11.
  • Heng, V., Zigmond, M. J., & Smeyne, R. J. (2018). Neurological effects of moving from an enriched environment to social isolation in adult mice. In Society for Neuroscience Annual Meeting, San Diego. https://www. abstractsonline. com/pp8 (Vol. 4649).
  • Cinini, S. M., Barnabe, G. F., Galvão-Coelho, N., Medeiros, M. A., Perez-Mendes, P., Sousa, M. B., … & Mello, L. E. (2014). Social isolation disrupts hippocampal neurogenesis in young non-human primates. Frontiers in neuroscience8, 45.
  • Düzel, S., Drewelies, J., Gerstorf, D., Demuth, I., Steinhagen-Thiessen, E., Lindenberger, U., & Kühn, S. (2019). Structural brain correlates of loneliness among older adults. Scientific reports9(1), 1-11.
  • Stahn, A. C., Gunga, H. C., Kohlberg, E., Gallinat, J., Dinges, D. F., & Kühn, S. (2019). Brain changes in response to long Antarctic expeditions. New England Journal of Medicine381(23), 2273-2275.