Educar com ameaças: um erro que os pais cometem

As ameaças geram medo e podem nos ajudar a impor nossa vontade em um determinado momento, mas dificilmente têm utilidade para educar.
Educar com ameaças: um erro que os pais cometem

Última atualização: 15 Dezembro, 2021

Ninguém disse que criar um filho é fácil. Em muitas ocasiões, pode se tornar um processo complicado, dando a sensação de que nunca acaba. No entanto, deve-se lembrar que criar um filho significa conectar-se emocionalmente com ele. Portanto, tente não perder a paciência ou educar com ameaças.

E é que as ameaças mostram pais desesperados sem ferramentas para educar adequadamente seus filhos. E acredite ou não, autoridade e ameaça não são a mesma coisa. O segundo é um reforço negativo importante para a criança, que pode levar ao retraimento emocional.

Educar com ameaças

Não é estranho que alguns pais usem a ameaça como recurso para educar os pequenos. No final das contas, foi assim que nossos avós criaram nossos pais e, ao mesmo tempo, como seus pais os criaram.

E, segundo Maricela Fonseca Analco, psicóloga cognitivo-comportamental da Universidade Autônoma de Guerrero, a ameaça é um recurso herdado. “A maioria dos adultos faz isso por experiência própria”, diz ela. Ela também lembra que “os pais também foram ameaçados na infância ou na adolescência”.

“A ameaça em crianças significa que algo ruim e muito sério vai acontecer com elas, com sua família ou com um objeto precioso.”

-Maricela Fonseca Analco, psicóloga cognitivo-comportamental-

Pai punindo filho

Considerando que a ameaça tem como objetivo principal intimidar, é claro que não deve ser uma ferramenta educacional. “Nas crianças, significa que algo ruim e muito sério vai acontecer com elas, com a família ou com um objeto precioso”, diz Fonseca.

Curiosamente, as ameaças têm maior probabilidade de ter um efeito contraproducente na educação de nossos filhos. Deve-se levar em consideração que “ podem fazer com que sintam que devem lutar, batalhar ou transgredir para cuidar do que está ameaçado ”.

Quando as crianças são pequenas, as ameaças podem funcionar, mas não passam de um falso senso de autoridade. O que as ameaças provocam nas crianças é medo, um dos valores que se opõe a toda boa educação.

Consequências do uso de ameaças

Mas que consequências reais o uso de ameaças pode ter na educação de nossos filhos? Diferentes estudos asseguram que, principalmente, causam um distanciamento emocional dos pais. Sem dúvida, um fator que dificultará a educação nas fases posteriores de seu desenvolvimento e crescimento.

  • Elas afetam a autoestima de seu filho. E é que, por mais que possam ter um efeito no início, as ameaças minam a autoestima de nosso filho. O filho não se sentirá valorizado, o que pode resultar em um comportamento beligerante posterior em relação aos pais.
  • Elas causam estresse. O estresse que uma ameaça pode causar afetará o caráter de nosso filho, bem como sua personalidade.
  • Elas não carregam responsabilidades. A única coisa que seu filho aprenderá com as reprimendas é evitar o castigo e ficar longe do inimigo que o impõe. Quer dizer: ameaças não ensinam o conceito de responsabilidade. Afinal, isso é o que gostaríamos de incutir nos pequenos quando têm de cumprir uma determinada tarefa.
  • Elas normalizam a agressividade. A ameaça é violência e agressividade. E se as usarmos com frequência, a criança normalizará uma série de comportamentos que dificultarão o relacionamento adequado com as pessoas ao seu redor.
  • Elas produzem uma falta de autoridade. Não se engane, medo não é o mesmo que autoridade. Acreditamos que uma boa ameaça nos dará autoridade sobre nosso filho, mas isso não é bem assim. A única coisa que o medo provocará será que nos afastemos de nossos filhos.

Uma ameaça que nunca é cumprida

Outra desvantagem da educação ameaçadora é que a punição anunciada raramente é executada. E o que isso significa? Que nosso filho não demorará muito para parar de acreditar nessas medidas.

“À medida que a criança percebe que quem a ameaça não cumpre sua intimidação, ela não acreditará mais nesse método de disciplina”.

-Maricela Fonseca Analco-

Segundo Fonseca, pode ser que “nas primeiras vezes dê certo”, mas  a criança não demorará muito para perceber que nada acontece. E é que, “à medida que a criança percebe que quem a ameaça não cumpre sua intimidação, ela não acreditará mais naquele método de disciplina”.

Um fenômeno muito comum nesse tipo de situação é que a criança acredita que pode ou deve “lutar ainda mais para proteger o que está ameaçado”.

Criança olhando no espelho com tendências narcisistas

Disciplina positiva, uma alternativa

“O primeiro passo é os adultos concordarem em cancelar essa forma de parentalidade e aprenderem novas estratégias”, sugere Fonseca. E, como ela, muitos outros especialistas recomendam recorrer à disciplina positiva para induzir nossos filhos a completar determinada tarefa.

  • Objetivos de longo prazo. Queremos que as crianças escovem os dentes todos os dias, quer estejamos presentes ou não. É por isso que é importante definir metas de longo prazo desde o início.
  • Cordialidade. Podemos dar ordens e direcionar o seu comportamento de forma firme, sem abrir mão de ser respeitosos e amáveis. Além disso, jogos e desenhos podem ser grandes aliados para explicar conceitos complexos a elas.
  • Tenha empatia com seus filhos. Se quisermos promover a empatia, é melhor começar praticando com eles. Estão crescendo e não têm a maturidade nem a visão que um adulto pode ter. Entender o que os pequenos pensam e sentem nos ajudará a entendê-los melhor e a tornar a comunicação muito mais fluida.
  • Solução de problemas. A relação entre pai e filho é baseada na resolução de problemas, não na sua geração. É por isso que você deve fornecer ao seu filho soluções para seus problemas, por menores que sejam. Não crie conflitos, repreenda ou bata.

Muitos especialistas em educação infantil sugerem educar aos nossos filhos com consequências, não ameaças. ” Se você não escovar os dentes, sua boca vai cheirar mal; se você não fizer o dever de casa, não terá tempo para brincar com seus amigos.” Ou seja, indique as reais consequências de fazer ou não uma determinada tarefa, em vez de ameaçá-los de danificar algo que desejam. Com o tempo, a criança saberá por si mesma as consequências de suas ações, que é o objetivo de tudo isso.

Pode interessar a você...
6 chaves para educar melhor
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
6 chaves para educar melhor

Educar é uma experiência bonita, mas que envolve dificuldades. Neste artigo, o psicólogo Miguel Ángel Rizaldos fala sobre como educar melhor nossos...