A dificuldade de enfrentar a sensação de vazio

27 Outubro, 2020
"Tudo está indo bem na minha vida, mas me sinto vazio." Esse é um sentimento que muitas vezes não queremos enfrentar, adotando medidas temporárias que nos impedem de identificar e solucionar a raiz do problema.

Tenho tudo que quero na vida, mas me sinto vazio. Essa frase é constantemente repetida nas consultas psicológicas. A pessoa tem tudo que deseja e ainda não se sente feliz. Quando isso acontece, é bastante comum a pessoa fazer de tudo para se distrair e não ter essa sensação de vazio.

No entanto, geralmente chega um dia em que ela não aguenta mais. Nesse momento, a pessoa pensa que enfrentar o vazio é a coisa certa a fazer, mas fazer isso é mais difícil do que parece. Entender as causas desse vazio pode ser algo doloroso, mas é necessário.

A sensação de vazio

Faltam palavras para descrever a sensação de vazio. Se você já teve essa sensação em algum momento da sua vida ou se está tendo agora, você sabe bem do que estamos falando. Às vezes, essa sensação de vazio se torna uma “crise existencial”, pois confunde todas as ideias sobre o sentido da vida.

Essa sensação de vazio implica um grande desconforto. Inclusive, é tão intensa que as pessoas fazem todo tipo de coisa para fazê-la parar, mas sem sucesso. Controlar a sensação de vazio pode ser como tentar formar uma tigela com as mãos e tentar reter água. Esse desconforto, aliado à incerteza de não saber para onde ir ou o que fazer, pode deixar qualquer pessoa sem esperança.

Muitas pessoas a definem como uma sensação de falta de satisfação, embora tudo esteja bem em suas vidas e nada lhes falte de forma significativa. Existe outra maneira de ver isso: imagine que você atinge uma meta de longo prazo com muito esforço e dedicação. Você pensou que, nesse momento, se sentiria feliz e realizado, mas isso não acontece.

A sensação de vazio

Tentando preencher o vazio

A sensação de vazio é tão perturbadora que o impulso inicial é preencher esse vazio o mais rápido possível. As pessoas que sentem esse vazio fazem várias tentativas para aliviar essa sensação com ferramentas que não funcionam a longo prazo.

Uma das estratégias que elas mais utilizam é preencher o tempo com múltiplas atividades de todos os tipos. O objetivo é não deixar tempo livre para pensar na crise existencial que estão passando. Além disso, vale notar que elas costumam ter fortes sentimentos de ansiedade em momentos de inatividade ou de tempo livre.

Outro recurso que elas utilizam para aliviar a sensação de vazio tem a ver com a aquisição de bens materiais. É comum elas tentarem esconder sentimentos de mal-estar comprando compulsivamente, ou seja, adquirindo coisas sem realmente precisar. Da mesma forma, elas podem recorrer a certos vícios, como o álcool, os jogos de azar, a compulsão alimentar, entre outros.

Sem dúvida, o que todas essas estratégias têm em comum é que são paliativos momentâneos para a sensação de vazio. Além disso, esse tipo de comportamento viciado pode gerar outros problemas de saúde, financeiros ou de relacionamento, que geralmente obrigam a pessoa a pedir ajuda.

Por que essa sensação ocorre?

A sensação de vazio está associada a sintomas relacionados ao estado de humor e ao que é conhecido como anedonia, que é a incapacidade de desfrutar do que costumava proporcionar prazer no passado. Cabe ressaltar que ela está relacionada a diferentes funções cerebrais.

As pessoas com uma sensação de vazio têm menos atividade no corpo estriado, um componente do cérebro intimamente relacionado à sensação de prazer.

Além disso, essa sensação está relacionada a várias patologias psicológicas ou momentos da vida. Algumas das mais significativas são as seguintes:

  • Transtornos emocionais como a depressão. Quando uma sensação de vazio se torna crônica, pode-se desenvolver um transtorno depressivo, uma vez que os principais sintomas desse transtorno são a desesperança e a anedonia.
  • Luto. Quando você perde um ente querido ou passa por uma separação difícil, é comum enfrentar um período caracterizado por uma sensação de vazio. Isso ocorre porque a vida como você a conhecia mudou abruptamente.
  • Ter expectativas muito altas. Quando uma pessoa coloca todos os seus esforços em um objetivo, seja em conseguir um emprego estável, começar uma família, etc., é normal ter expectativas altas. No entanto, se ela não consegue o que quer, tem dificuldade de superar o sentimento de decepção. Isso se reflete, por exemplo, nas chamadas crises de idade.
  • Querer ter um controle excessivo sobre as coisas. A principal característica dos transtornos do espectro neurótico é a sensação de querer controlar tudo o que acontece. Por esse motivo, essas pessoas costumam passar a maior parte do tempo planejando. Quando elas descobrem que muitas coisas estão fora do seu controle, surge a sensação de vazio e desesperança.
Enfrentando a sensação de vazio

Enfrentando a sensação de vazio

A sensação de vazio está ligada a um profundo mal-estar inespecífico. A pessoa se sente muito inquieta e não tem ideia de como parar de se sentir assim.

Além disso, as emoções que esse vazio provoca podem ser tão intensas que é comum as pessoas tentarem mitigá-las através de estratégias rápidas (manter-se ocupado, certos vícios e compras compulsivas). No entanto, esses comportamentos são apenas algo provisório que pode criar mais dificuldades do que o próprio problema inicial.

As causas dessa sensação são muito diversas. Inclusive, elas geralmente dependem da idade da pessoa. No entanto, quando a sensação de vazio se torna crônica, pode-se desenvolver um transtorno do humor, como a depressão.

Embora seja doloroso reconhecer, os momentos de vazio ou as crises existenciais são necessários em certas etapas da vida, pois são um grande motor de mudança. Quando você se depara com esse vazio, não há mais nada a fazer a não ser cavar fundo até encontrar a causa do desconforto.

Inclusive, essa busca permite reconstruir uma nova e melhor identidade com a qual a pessoa pode se sentir melhor e mais feliz. Às vezes, fazer uma auto-introspecção é o que você precisa para se reinventar.

Beck, A. T., Rush, A. J., Shaw, B. F. & Emery, G. (1984). Terapia cognitiva de la depresión. Bilbao: Diari De Balears.

Beck, A. T., Weissman, A., Lester, D. & Trexler, L. (1974). The measurement of pessimism: The hopelessness scale. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 42, 861-865

Frankl, V. E. (1994). La voluntad de sentido. Conferencias escogidas sobre logoterapia. Barcelona: Herder.