O que é a ergonomia cognitiva?

Você conhece a ergonomia cognitiva? E o seu impacto no dia a dia de cada um de nós? Se você está curioso sobre o assunto, continue lendo.
O que é a ergonomia cognitiva?

Última atualização: 20 Agosto, 2021

Você já se perguntou por que crianças mais novas são capazes de usar um celular com tanta facilidade? Não são bebês superdotados com QI acima da média. A razão por trás disso é a ergonomia cognitiva. Este é um conceito fundamental que permite que as pessoas funcionem de forma eficiente em diferentes áreas da vida.

Os setores de saúde, transporte, eletrônica e muitos outros contam com essa ciência para o seu desenvolvimento. Como resultado, é possível ter sistemas seguros para viagens ou cuidados de saúde. Portanto, ela está presente no dia a dia, mesmo que nem sempre a percebamos.

O que é a ergonomia cognitiva?

O termo “ergonomia” se refere a uma disciplina que estuda sistemas homem-máquina. Ou seja, eles analisam a maneira como os indivíduos interagem com certas ferramentas ou espaços de trabalho. O objetivo é verificar se esses sistemas estão devidamente adaptados às características dos indivíduos, tanto a nível fisiológico quanto psicológico e anatômico.

Nessa linha, a ergonomia cognitiva é um ramo voltado para os aspectos psicológicos dos sistemas homem-máquina. Este campo de estudo assume os postulados da psicologia e suas diferentes áreas. Desta forma, aplica suas bases no estudo e aprimoramento de ferramentas, espaços de trabalho, máquinas, etc.

Controlador aéreo

Ergonomia cognitiva e saúde ocupacional

Segundo González (2013), esse é um aspecto fundamental na saúde dos trabalhadores. As máquinas e sistemas com os quais os indivíduos interagem devem ser bem projetados para proteger sua saúde. Ao mesmo tempo, cuidando para que os espaços de trabalho sejam ergonômicos a nível psicológico, a eficiência e a segurança estão garantidas.

Para ilustrar, pode-se citar o caso dos controladores de tráfego aéreo. Osorio et al. (2013) realizaram um estudo para avaliar o estresse e a saúde mental desses trabalhadores em um aeroporto colombiano. Eles encontraram altos níveis de estresse e distúrbios comportamentais como resultado.

Nesse sentido, a ergonomia cognitiva participa estudando as qualidades de diferentes ambientes profissionais. Desta forma, permite encontrar formas de otimizá-los, tornando-os mais adaptados às nossas habilidades. Modificar a forma de transmissão de informações sobre voos seria um exemplo no caso citado anteriormente.

Como consequência, os níveis de fadiga seriam reduzidos ou poderíamos reagir mais cedo em uma situação de emergência. Além disso, se os sistemas se ajustam aos limites das nossas habilidades, a probabilidade de erro humano é reduzida.

5 princípios básicos de ergonomia cognitiva

É fácil perceber que a ergonomia cognitiva é um campo científico complexo, da mesma forma que a nossa natureza. Dentro dela, estudos sobre processos psicológicos básicos, emoções, habilidades cognitivas, etc. estão envolvidos. Aqui estão alguns termos básicos para ajudá-lo a entender melhor.

Carga de trabalho mental

É a relação que existe entre a quantidade de trabalho atribuída a uma pessoa e seus recursos psicológicos. Em outras palavras, tem a ver com o equilíbrio entre a carga de trabalho e as capacidades mentais do funcionário.

Outros fatores estão envolvidos aqui, como motivação, autoestima, humor, idade e conhecimento, bem como elementos físicos, como iluminação, ruído, clima, cheiros, etc, além de tudo que pode impactar positivamente ou negativamente a mente.

Confiabilidade humana

A confiabilidade humana é um aspecto da confiabilidade dos sistemas que estuda o assunto como parte deles. Ou seja, avalia em que grau as pessoas fazem parte de um sistema e sua influência sobre elas. Desta forma, são examinados os riscos da participação humana nos processos de produção.

Erro humano

O conceito de erro humano tem a ver com eventos desfavoráveis gerados por pessoas. Assim como uma máquina pode falhar e causar acidentes, os indivíduos também estão sujeitos a cometer erros.

Se o referido acidente não estiver associado a uma falha de máquina, nem a distúrbios de comportamento, é considerado erro humano. Na mesma linha, a ergonomia cognitiva avalia os fatores psicológicos envolvidos nos acidentes para encontrar soluções.

Estresse no trabalho

O estresse no trabalho é entendido como um conjunto de consequências físicas e psicológicas causadas por elementos prejudiciais ao ambiente organizacional. Elas podem estar relacionadas à organização, ferramentas, ambiente, etc.

Interação homem-computador

O estudo da interação entre indivíduos humanos e sistemas de computador é fundamental na ergonomia cognitiva. Neste campo, avalia-se a concepção e implementação destas ferramentas e a sua influência sobre os sujeitos.

O objetivo desta disciplina é otimizar os sistemas para que sejam eficientes e fáceis de usar. Para isso, deve-se garantir que a troca de informações entre a máquina e o ser humano seja a mais precisa possível.

Tomando o exemplo com que abrimos este texto, a razão pela qual uma criança consegue usar um celular é a ergonomia cognitiva. Esses dispositivos são projetados para que qualquer pessoa possa manuseá-los, e é daí que vem a sua utilidade.

Menina com um tablet

A importância da ergonomia cognitiva

Após entender este conceito, sua importância pode ser apreciada com mais clareza. No entanto, deve-se mencionar que o estudo dos aspectos psicológicos em ergonomia é relativamente recente. Portanto, ainda há muito a explorar.

Uma área em que essa disciplina é aplicada é no setor de saúde. Médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde costumam ter longos turnos de trabalho, que podem chegar a 18 a 24 horas seguidos. Somado a isso, estão constantemente expostos a estressores. Aqui, a ergonomia cognitiva é usada para projetar horários e espaços mais ajustados às capacidades mentais dos trabalhadores.

Este conceito também é muito importante para a segurança rodoviária. Os medidores e controles de um carro são projetados para se adequar ao funcionamento da nossa atenção. Esta é uma das razões pelas quais, por exemplo, os piscas são luzes piscando – as mudanças de cenário são muito atrativas para a nossa atenção.

Concluindo, a ergonomia cognitiva é a chave para o nosso bem-estar, segurança no trabalho, produtividade e eficiência organizacional. Além disso, devido à velocidade com que a tecnologia evolui, as diferenças nesta dimensão são cada vez mais importantes para o consumidor. Da mesma forma, a psicologia como ciência continua avançando, e este campo se nutre disso.

Pode interessar a você...
Você sabe gerenciar o tempo no trabalho?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Você sabe gerenciar o tempo no trabalho?

Passar mais tempo no escritório não significa trabalhar mais ou melhor e pode aumentar o estresse e a ansiedade. Você sabe gerenciar o tempo no tra...



  • Cañas, J. J., & Waerns, Y. (2001). Ergonomía cognitiva. Aspectos psicológicos de la interacción de las personas con la tecnología de la información. Ed. Médica Panamericana.
  • González, A. (2013). La ergonomía cognitiva, clave en la salud de los trabajadores. http://www. emb. cl/hsec/articulo.mvc.
  • Mondelo, P. R., & Torada, E. G. (2010). Ergonomía 1. Fundamentos. Univ. Politèc. de Catalunya.
  • Osorio, J. E., & Cárdenas Niño, L. (2017). Estrés laboral: estudio de revisión. Diversitas, 13(1), 81-90. https://doi.org/10.15332/s1794-9998.2017.0001.06
  • Osorio, M. A., Rodríguez, C. M., Parra, L., Acosta, M., & Cruz, Á. M. (2013). Estrés y salud mental en controladores de tránsito aéreo y bomberos de un aeropuerto de Colombia. Revista Colombiana de salud ocupacional, 3(2), 7-11.