Filosofia do conhecimento: o que sabemos é verdade?

O que sabemos e o que não sabemos? Em que nos baseamos para dizer que a informação é conhecimento? Neste artigo, tentaremos responder a essas questões a partir de um ponto de vista muito particular, o de Gettier.
Filosofia do conhecimento: o que sabemos é verdade?

Última atualização: 12 Abril, 2021

Realmente podemos saber se sabemos de algo? A filosofia do conhecimento é a disciplina que estuda tudo o que se refere à capacidade de conhecimento: o alcance que pode ter, a origem do que conhecemos, a sua natureza…

Platão, em uma de suas obras dedicadas a esse assunto, Teeteto, fala de uma discussão entre Sócrates e Teeto. Explica que a única maneira de entender o conhecimento é defini-lo como uma crença verdadeira e justificada. Por muitos anos, essa definição foi tida como verdadeira (com algumas modificações), até a chegada do filósofo americano Edmund Gettier.

O que sabemos de acordo com Gettier

Filosofia do conhecimento: o que sabemos, de acordo com Gettier?

Em sua obra Is Justified True Belief Knowledge?, Gettier tentou mostrar que uma crença verdadeira e justificada pode não ser conhecimento. Como isso pode ser? Se eu acho que choveu ontem porque a água estava caindo do céu e eu voltei para casa encharcado depois de pular poças, isso realmente não poderia ser conhecimento?

Aparentemente, no exemplo acima, é contraintuitivo dizer que meu conhecimento do que aconteceu está errado. Mas Gettier introduziu algumas variáveis ​​para nos fazer ver que uma crença, mesmo justificada, pode estar errada.

Imaginemos que eu tenho um amigo, Marcos, que comprou um carro esportivo vermelho X. Ontem ele veio me mostrar e me deu uma carona. Desta experiência posso deduzir que “um amigo meu tem um carro esportivo X vermelho”.

Mas o Marcos, que é uma pessoa muito volúvel, vendeu aquele carro para o nosso amigo Emilio. A proposição anterior, “um amigo meu tem um esportivo X vermelho”, mesmo que seja verdade, não gera um conhecimento verdadeiro, pois o amigo a que me referia era o Marcos. Estamos inferindo uma conclusão correta de uma premissa errada.

Mas então, o que sabemos?

No caso acima, nossa justificativa falha, mas existe e, supostamente, é isso que é necessário para formar o conhecimento: uma justificação. Assim, para evitar toda essa dificuldade, seria necessário que a justificativa também fosse totalmente verdadeira e, assim, se pudesse falar de conhecimento.

Portanto, precisaríamos de uma justificação para a justificação, e uma justificação para a justificação da justificação, ad infinitumGettier nos colocou em um loop infinito.

Gettier não sabe nada

As primeiras reações às objeções de Gettier consistiram em atacar essas suposições, argumentando que não eram contraexemplos verdadeiros à definição de conhecimento como uma crença verdadeira e justificada.

Alguns argumentaram que é possível acreditar justificadamente em algo falso (como foi o caso do amigo e do carro). Se a crença que permite inferir que algo é verdadeiro fosse falsa, não haveria justificativa para acreditar nisso.

Desse modo, como as três condições do modelo epistemológico clássico (crença, veracidade, justificação) não seriam atendidas, não haveria conhecimento.

Mulher pensativa

Vamos refletir sobre a filosofia do conhecimento

Imaginemos que alguém é chamado a comparecer perante um tribunal por ter cometido uma falta; neste caso, o julgamento é justificado. Mas, às vezes, a justificativa pode estar errada e é por isso que a pessoa é levada a julgamento.

Não podemos colocar esta pessoa na prisão porque, embora o julgamento seja justificado, não existe a certeza de que ela cometeu um crime. Se não, por que passar pelo processo burocrático e cansativo do julgamento? Seria muito mais fácil condená-lo abertamente. Este é um exemplo claro de que pode haver justificativa, mas não certeza.

Vamos imaginar novamente. Frequentemente, confiamos em nossos sentidos. Se tivermos boas razões para acreditar em algo, acreditar nisso é justificado. Mas culparíamos alguém por estar errado sobre uma ilusão de ótica ou um trompe l’oeilDiríamos que essa pessoa não tem justificativa para acreditar no que acredita?

Parece claro, a título de conclusão, que a justificativa exigida varia de acordo com a importância do assunto de que tratamos. Mas então… sabemos alguma coisa? A resposta para esta pergunta está em você.

Pode interessar a você...
O autoconhecimento é um mar sem limites
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O autoconhecimento é um mar sem limites

O que é o autoconhecimento? Podemos dizer que é uma escolha, que podemos escolher ir aprendendo e crescendo durante a vida, fluindo com o passar do...