Habituação e sensibilização: duas formas de responder ao ambiente

Quando somos repetidamente expostos a um estímulo, podemos nos acostumar com ele, mas também é possível que reajamos cada vez mais a ele.
Habituação e sensibilização: duas formas de responder ao ambiente

Última atualização: 27 março, 2022

Às vezes, um familiar nos visita e afirma perceber um aroma característico em nossa casa que não percebemos. E ainda, outras vezes os cheiros do ambiente são insuportavelmente intensos; por exemplo, se morarmos em cima de um restaurante. Isso se deve a dois processos opostos que entram em jogo quando somos repetidamente expostos a um estímulo: habituação e sensibilização.

Não podemos esquecer que, por mais evoluídos cognitivamente que sejamos, os seres humanos ainda são animais e temos certos processos básicos compartilhados. Habituação e sensibilização são dois mecanismos de ajuste, presentes em todos os organismos com sistema nervoso, que nos permitem organizar nosso comportamento em um ambiente repleto de estímulos como aquele em que habitamos. Se você quiser saber mais sobre isso, convidamos você a continuar lendo.

Habituação e sensibilização como mecanismos de resposta

Habituação e sensibilização são dois processos básicos de aprendizagem pré-associativa, presentes em todas as espécies animais. Eles são realmente úteis para poder funcionar no ambiente, pois nos ajudam a responder (ou não fazê-lo) dependendo da relevância dos estímulos ambientais.

Em nosso cotidiano, encontramos inúmeros exemplos desses processos. Mas em que consistem exatamente?

Pai conversando com seu filho
Se constantemente chamarmos a atenção de nossos filhos e lhes dissermos o que fazer e o que não fazer, é muito provável que eles se acostumem e acabem fazendo o que querem.

Habituação

A habituação é definida como uma diminuição na resposta à exposição repetida a um estímulo eliciador. Tenhamos em mente que no dia-a-dia estamos cercados por uma infinidade de estímulos, e se tivéssemos que prestar atenção a todos eles seríamos muito ineficientes. Por isso, a habituação faz com que nos “acostumemos” à presença deles e não gastemos mais energia e recursos para atendê-los.

É o caso daquele aroma particular da nossa casa que já nem percebemos, ou o que nos acontece com o barulho do trânsito: quem mora em ruas movimentadas nem percebe.

Isso também acontece nas relações interpessoais. Por exemplo, se constantemente dissermos a uma criança para não fazer isso ou aquilo, ela acaba fazendo ouvindo nossas demandas. Por outro lado, se reservarmos estas palavras para ocasiões críticas e pontuais, elas terão muito mais efeito.

Entre os adultos também desenvolvemos a habituação e certamente você pode se lembrar de um momento em que isso aconteceu com você. Por exemplo, se você tem um membro da família vitimizador que passa o tempo reclamando, a atitude dele deixa de ter efeito sobre você e as palavras dele não chegam mais a você.

Sensibilização

Agora, há casos em que acontece o contrário: quanto mais estamos expostos a um estímulo, mais ele nos incomoda e mais intenso nos parece. Em vez de nos acostumarmos, parece que cada vez nos faz reagir mais.

Por exemplo, quando um bebê chora, não podemos fazer ouvidos moucos, e o choro nos deixa cada vez mais nervosos. Ou quando há obras em construção  ao lado de nossa casa, o barulho se torna cada vez mais incômodo.

Podemos dizer que após várias exposições exageramos, pois já estamos sensibilizados. Assim, a sensibilização consiste em uma resposta aumentada à exposição repetida a um estímulo.

Mulher cobrindo os ouvidos por causa da poluição sonora
Ruídos altos geralmente causam sensibilização.

A teoria do processo dual: de que depende nossa resposta?

Neste ponto, você provavelmente está se perguntando como esses dois processos aparentemente opostos podem coexistir. Por que a exposição repetida ao estímulo aumenta a resposta em alguns casos e a diminui em outros? A chave é encontrada na teoria do processo dual de Groves e Thompson.

Essa teoria percebe que habituação e sensibilização não são dois processos mutuamente exclusivos; na verdade, eles podem ser ativados ao mesmo tempo, pois são o produto de diferentes processos neurais.

A habituação ocorre no sistema ER ( estímulo-resposta ), que é ativado sempre que um estímulo eliciador é apresentado. A sensibilização, por outro lado, segue o chamado “sistema de estado” que só é ativado quando o estímulo provoca muita excitação.

É por isso que estímulos muito intensos (por exemplo, ruídos altos) são mais propensos a gerar sensibilização do que os suaves (que normalmente causam habituação). Existem outros fatores que também influenciam a resposta que damos; por exemplo, se estivermos cansados ou com raiva, ou se a situação for emocionalmente estimulante, é mais provável que a sensibilização prevaleça.

Em qualquer caso, a resposta que damos é o efeito total de ambos os processos (habituação e sensibilização) e depende de qual prevalece sobre o outro em cada circunstância específica.

Habituação e sensibilização são dois fenômenos adaptativos

Talvez às vezes pensemos que gostaríamos de nos livrar da sensibilização, para que o choro do nosso filho ou o bipe do despertador não nos incomodem tanto. Ou, talvez, libertar-nos da habituação,  para evitar que a monotonia se instale no casal, ou evitar que nosso trabalho deixe de ser estimulante.

No entanto, ambos os processos são necessários e benéficos, permitem-nos funcionar com mais agilidade no dia-a-dia, estar atentos a possíveis perigos e evitar desperdiçar energia e recursos mentais em coisas que não o exigem.

Pode interessar a você...
Viés de retrospectiva: eu já sabia que isso ia acontecer
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Viés de retrospectiva: eu já sabia que isso ia acontecer

Você já ouviu falar do viés de retrospectiva? Ele representa uma falha em nossa memória que explica por que acreditamos ter "previsto" algo.



  • Groves, P. M., & Thompson, R. F. (1970). Habituation: A dual-process theory. Psychological Review, 77(5), 419–450. https://doi.org/10.1037/h0029810
  • Pitman, D. L., Ottenweller, J. E., & Natelson, B. H. (1990). Effect of stressor intensity on habituation and sensitization of glucocorticoid responses in rats. Behavioral neuroscience104(1), 28.