Hipátia de Alexandria: ciência e religião

julho 6, 2019
Assassinada de forma cruel, Hipátia foi uma mulher de razão, uma professora em lugares onde as mulheres nem entravam, uma revolucionária que acreditava, acima de tudo, na ciência...

Hipátia de Alexandria foi a primeira filósofa, matemática e física de cuja existência existem provas confiáveis. Ela nasceu no Egito no final do século IV dC.

Foi professora e chefe da escola neoplatônica de Alexandria no início do século V. Cultivava conhecimentos como geometria e lógica, levando uma vida ascética, como estabeleciam os preceitos neoplatônicos.

Foi professora e educadora de uma seleta escola de aristocratas, cristãos e pagãos, e acabou ocupando altos cargos na sociedade alexandrina. Foi assim que ela se tornou uma figura de grande influência social, alvo da inveja de muitos.

Entre suas realizações científicas estão melhorar aqueles astrolábios primitivos que serviam para determinar a situação das estrelas na abóbada celestial.

Além disso, inventou um densímetro, um instrumento usado para determinar a densidade relativa de líquidos sem a necessidade de cálculos matemáticos complexos.

Hipátia de Alexandria

Cristãos e pagãos, ciência e religião

Alexandria era a sede nuclear de uma sangrenta guerra civil entre cristãos e pagãos. O máximo representante do cristianismo, o patriarca Teófilo, pretendia acabar com qualquer culto religioso não-cristão (o paganismo em qualquer uma de suas formas).

Por outro lado, a elite intelectual apoiava os defensores do templo pagão; todos os filósofos defensores do paganismo deixaram Alexandria para salvar suas vidas.

No entanto, Hipátia, que considerava que filosofia, ciência e matemática estavam muito distantes das disputas político-religiosas, continuou a dar aulas como se toda aquela guerra interna não fosse com ela.

Na verdade, até então, ninguém a havia incomodado, talvez graças a sua posição neutra sobre o assunto.

No entanto, quando Cirilo, muito mais implacável, sucedeu o patriarca Teófilo, aumentou o nível de perseguição contra tudo que não era cristão. Desta vez, Hipátia não pôde se manter fora das disputas e se colocou ao lado de Orestes, delegado imperial cuja função era a firmeza e a ordem estatal.

Hipátia sentia-se representada por tudo o que é tradicional, com a polis aristotélica grega, na qual a religião é apenas uma parte da política, e não o contrário. Sua ideia era de que a autoridade religiosa deveria ser subordinada à política e ao bem-estar dos cidadãos, e não o contrário.

Até aqui Hipátia – dando aulas para a elite alexandrina em que “pagãos” e cristãos se reuniam – tinha sido a prova viva de que o cristianismo era compatível com o resto das ideias filosóficas e religiosas. Existem fontes que falam de pessoas de todos os setores e classes que a admiravam.

Bom, quase todos, já que existia uma seita irredutível de fanáticos cristãos que não a queriam em sua cidade. Sua influência atingiu os estratos mais baixos, mas de um modo muito mais atenuado do que a religião.

Quadro de Hipátia de Alexandria

Hipátia de Alexandria: “a pagã” e “a bruxa”

Hipátia era conhecida pelos cristãos como “a pagã”. Não foi difícil espalhar boatos sobre a condição de feiticeira desta cientista.

Para os analfabetos, os sinais matemáticos pareciam invocações ao diabo e a astronomia era fácil de confundir com a astrologia. De repente, Hipátia de Alexandria se tornou uma bruxa de más artes.

Um dia, em março do ano 415, durante a Quaresma, Hipátia retornou para casa em sua carruagem. De repente, uma multidão a atacou e a levou para fora da carruagem até a igreja de Cesarión.

Lá, ela foi esfolada viva com pedaços de cerâmica que, em pleno fervor, eram arrancados das paredes. Depois disso, queimaram seus restos em uma fogueira.

Este assassinato foi claramente religioso, político e filosófico: filosófico porque Hipátia defendia o diálogo e a razão contra a fé fanática. Político porque acreditava que a religião deveria ser submetida à política.

Hipátia de Alexandria foi, talvez, a representação mais dolorosa da batalha cultural entre o paganismo e o cristianismo.