Hiper-racionalização: quando a dúvida nos bloqueia

· abril 14, 2019
A razão é uma grande aliada quando a usamos de forma inteligente, conjugando-a com as emoções e a intuição. No entanto, pode se tornar o nosso pior inimigo quando caímos na hiper-racionalização.

A hiper-racionalização é um tipo de dúvida patológica que bloqueia a pessoa. É comum em indivíduos que são extraordinariamente lógicos, racionais e carentes de espontaneidade. Por outro lado, esta condição acarreta um grande desconforto para a pessoa que a sofre.

De fato, em muitas ocasiões, a emoção e a intuição desempenham um papel importante nas decisões que tomamos. Não atender a esses elementos que são parte de nós significa ignorar uma parte importante da nossa natureza; uma desolação que nem sempre percebemos.

Quando a dúvida nos bloqueia

A dúvida nos torna indecisos, mas em muitos casos também sábios e prudentes. Por outro lado, poderíamos falar em hiper-racionalização como um produto da exploração da lógica e da rejeição da intuição. O ser humano pode duvidar de uma decisão: acreditar ou não acreditar, fazer ou não fazer. Quando uma pessoa hiper-racionaliza, geralmente fica enredada na dúvida a ponto de ficar presa nela.

Somos seres racionais, mas também emocionais. Por isso, quando confiamos demais na lógica, acabamos sendo inoperantes. Assim, a hiper-racionalização gera ansiedade, reforçando involuntariamente a nossa paixão pela lógica; a mesma lógica que nos afoga.

Ilustração de mulher pensativa

O que é hiper-racionalidade?

A razão não é um elemento natural; em muitas ocasiões nem mesmo real, apenas ilusório. Muitas das decisões que pensamos estar tomando com razão são apenas o produto oculto da influência das nossas emoções.

A hiper-racionalização nada mais é do que a fé nessa ilusão, que ocorre especialmente quando passamos por uma fase que parece um deserto de sucessos e boas decisões. Sentimo-nos traídos pelo que não controlamos e nos apegamos ao que pretendemos controlar. Assim, pretendemos ser lógicos quando não é possível sermos lógicos por causa da quantidade de informação que nos falta.

A hiper-racionalização no transtorno obsessivo-compulsivo

As explicações que são dadas para o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) são várias, como a “sensação de algo inacabado” ou “experiências não totalmente corretas”. Elas são inspiradas pelas descrições clássicas de Janet (1903). O sentimento de “inacabado” se refere a uma sensação interna de imperfeição. Portanto, associado à percepção de que as ações ou intenções não foram plenamente alcançadas (Pitman, 1987).

O sentimento de inacabado não é apenas experimentado por pessoas que têm TOC. Estudos realizados com o questionário NJRE-Q mostraram que essas sensações são extremamente frequentes na população não clínica, especificamente 99% dos pesquisados.

Essas experiências de ‘inacabado’ podem ser consideradas como uma tendência geral para expressar dúvidas ou questionar a própria experiência (Tallis, 1995). Diante de uma pesquisa psicológica, se utiliza habitualmente a “Escala de Indecisão” (Indecisiveness Scale, IS; Frost e Shows, 1993).

“Como você se sente ao tomar essa decisão? Quando a razão nos bloqueia, fazer perguntas que se conectam com a nossa parte emocional poderá nos ajudar a tomar melhores decisões”.

Como lidar com as dúvidas?

Hiper-racionalização: não aceitar os erros

Uma das principais características associadas à hiper-racionalização é a dificuldade para aceitar os erros. Ou seja, é necessário encarar o fato de que cometemos erros. No entanto, as pessoas que hiper-racionalizam não são capazes disso.

Às vezes, as grandes explicações detalhadas ou as palavras esmagadoras escondem o desejo de mostrar inteligência. Devemos lembrar que os seres humanos não têm um cérebro somente para pensar, já que somos um sistema formado por ideias, sensações e emoções.

Demoramos aproximadamente 6 anos para formar as principais estruturas cerebrais. Isso significa que, nos primeiros anos de vida, as decisões são ditadas em essência pela nossa parte mais intuitiva e emocional. A lógica aparece em doses muito pequenas, em comparação com o protagonismo dos receptores sensoriais e associativos.

O livro ‘Rápido e devagar: duas formas de pensar’, escrito por Daniel Kahneman, explica muito bem o resultado de décadas de pesquisas sobre a dicotomia do pensamento. Em resumo, o autor fala de duas maneiras de pensar:

  • Sistema 1: é um modo de pensar rápido, instintivo, automático, subconsciente, estereotipado e emocional.
  • Sistema 2: é um pensamento mais lento, que requer esforço, pouco frequente, consciente, deliberativo e lógico.

Em contraste com a hiper-racionalização, Daniel Kahneman explica a sua análise sobre as duas maneiras diferentes pelas quais a mente cria o pensamento. A evolução permitiu que os seres humanos desenvolvessem a sua capacidade de raciocinar. No entanto, a nossa parte emocional não perdeu a sua utilidade. Imagine se tivéssemos que parar para fazer uma lista de prós e contras quando vemos que há algo no fogo queimando!

  • Álvarez, M. P. (2008). Desenredamiento auto-reflexivo y activación conductual: claves para la terapia. Prolepsis., 17-43.
  • Carrasco, A., & Belloch, A. (2013). Algo no está bien: una nueva lectura de la duda obsesiva. Psicología Conductual21(2), 341-36
  • Kahneman, D. (2012). Pensar rápido, pensar despacio. Debate.
  • Pérez-Álvarez, M. (2008). La hiperreflexividad como condicion de los trastornos mentales: una perspectiva clinica e historica. Psicothema20(2), 181-188.