A importância da luz solar durante a quarentena

22 Maio, 2020
Viver em um local com pouca luz solar durante o confinamento pode trazer consequências. Entre os efeitos mais comuns estão o desânimo, os distúrbios do sono e a falta de vitamina D. Vamos descobrir como lidar com essa situação.
 

A falta de luz solar durante a quarentena é uma realidade que afeta várias famílias. No mundo todo, milhões de pessoas enfrentam a quarentena sem poder ter contato direto com algo essencial para os seres humanos.

É comum viver em um apartamento pequeno cuja localização não permite aproveitar a luz solar. Da mesma forma, em muitas cidades também existem apartamentos localizados no térreo em ruas estreitas. Neles, ao longo do dia, é difícil saber se é manhã ou tarde. Esses fatores podem ter um certo impacto na saúde, mas acima de tudo, no bem-estar psicológico de todos.

As pessoas são homeotérmicas, ou seja, dependemos da luz solar não apenas para regular a nossa temperatura, mas também para manter um equilíbrio em nossos ciclos de sono e executar várias tarefas metabólicas. Sentir o calor também tem um efeito indispensável e poderoso na nossa saúde mental.

Vamos nos aprofundar um pouco mais nesse assunto.

A importância da luz solar durante a quarentena
 

A luz solar é essencial para o bem-estar durante a quarentena

Michael Terman é um psiquiatra renomado, especialista em cronoterapia. Um aspecto que ele pôde observar ao longo da sua carreira é como as mudanças de luz das estações do ano e as variações de fontes de luz em diferentes edifícios afetam o comportamento humano. Na ausência de luz solar, as pessoas experimentam alterações no sono, assim como mudanças no humor e no peso.

Muitos de nós não temos consciência da relevância desse fator em nossas vidas. Somos uma sociedade acostumada a desenvolver grande parte da nossa atividade em ambientes fechados, sob o brilho das luzes artificiais.

A grande maioria das pessoas realiza seu trabalho em espaços fechados. Acordamos com o nascer do sol e voltamos para nossas casas acompanhados pelo pôr do sol.

Uma vez em casa, continuamos usando vários aparelhos eletrônicos, computadores, celulares, televisores… A chamada luz azul da tecnologia também altera nossos ritmos circadianos, diminuindo a produção de melatonina.

 

Agora, no atual contexto de pandemia e com a quarentena como medida preventiva para conter o contágio, surge um novo problema. A falta de luz solar em muitos lares pode causar prejuízos. Vamos analisar as consequências e quais medidas preventivas devemos aplicar.

Déficit de vitamina D

Segundo um estudo realizado na Universidade da Califórnia pelo Dr. Robert Nair, quase 50% da população mundial têm um déficit de vitamina D. Uma das principais causas é a falta de atividade ao ar livre, ou seja, não estar em contato suficiente com o sol.

A falta de luz solar durante a quarentena pode agravar esse panorama. Essa consequência pode causar problemas para regular o metabolismo do cálcio e enfraquecer o sistema imunológico.

Portanto, na medida do possível, é essencial tomar 20 minutos de sol por dia. É necessário recorrer a uma varanda, uma janela, mesmo que pequena, ou algum canto da casa onde entre um pouco de luz.

Por outro lado, não podemos esquecer que existem outras fontes de vitamina D, como os laticínios, os ovos e os peixes oleosos.

 
Alimentos que contêm vitamina D

Problemas de sono associados à falta de luz solar durante a quarentena

Ficar em uma casa ou um apartamento com falta de luz afeta a qualidade do nosso sono. Essas alterações provocam insônia ou hipersonia, ou mudança de hábitos, como tirar longos cochilos durante o dia e não conseguir dormir ao se deitar à noite. Na medida do possível, seria adequado seguir estas orientações.

  • Estabeleça rotinas para administrar melhor o tempo. Se mantivermos os mesmos hábitos e tivermos disciplina, vamos perceber mudanças. As atividades mais intensas, como o trabalho à distancia, a arrumação da casa ou até o exercício, devem ser realizadas durante as horas matinais. À tarde, devemos nos focar nas tarefas mais relaxantes, como praticar um hobby, ler, assistir séries…
 
  • Também é indispensável acordar e ir se deitar no mesmo horário. Se quiser dormir à tarde, devem ser cochilos de curta duração, de 20 a 25 minutos.
  • Outro objetivo é fazer nosso cérebro distinguir entre o dia e a noite. Buscar uma fonte de luz e aproveitá-la por 20 minutos pode nos trazer grandes benefícios.

Saúde mental e humor em espaços com pouca luz

Há um aspecto que não podemos negligenciar. Nossa saúde mental pode sofrer consequências negativas em um espaço com pouca luz solar durante a quarentena.

É necessário ativar as defesas psicológicas, ter recursos à mão e, acima de tudo, buscar apoio. Um apartamento escuro, na penumbra, vai aumentar a sensação de desânimo. Devemos, portanto, considerar algumas dicas:

  • É indispensável (mais uma vez) poder tomar sol 20 minutos por dia.
  • Devemos evitar que nossa casa fique na penumbra. Podemos usar luzes de baixo custo para criar uma atmosfera agradável.
  • Destacamos de novo um aspecto que já foi comentado: as rotinas devem organizar o nosso tempo.
 
  • Devemos manter contato com as pessoas por meio de mensagens, ligações, conversas de vídeo, etc.
  • Temos que realizar tarefas criativas para permitir que nossa mente se exercite, se liberte e encontre espaços onde possamos nos conectar com o presente.
  • O exercício físico também nos ajudará a produzir endorfina, serotonina, dopamina… Os neurotransmissores são essenciais para melhorar o humor.
  • Podemos estabelecer alguns objetivos, aceitando as emoções negativas, aquelas que aparecem de vez em quando. Mas não podemos nos esquecer dos nossos propósitos e da esperança, que não pode faltar em nenhum momento.
Jovem olhando pela janela

Para concluir, o confinamento não é fácil para ninguém. No entanto, algumas pessoas se encontram em situações mais vulneráveis. Vamos ter isso em mente, aplicar algumas estratégias para melhorar a qualidade de vida nessas circunstâncias e nunca deixar de pedir ajuda quando for necessário.

 
  • Nair, R., & Maseeh, A. (2012, April). Vitamin D: The sunshine vitamin. Journal of Pharmacology and Pharmacotherapeutics. https://doi.org/10.4103/0976-500X.95506