Irracionalidade racional: o poder da irracionalidade

A teoria da irracionalidade racional mostra como ideias e decisões absurdas também obedecem a uma lógica que, no entanto, contraria os princípios básicos da razão. Curioso, certo?
Irracionalidade racional: o poder da irracionalidade

Última atualização: 27 junho, 2022

A irracionalidade racional é um conceito proposto pelo economista Bryan Caplan para descrever algo que já foi postulado a partir de diversas abordagens da psicologia: o ser humano se comporta com altas doses de desrazão. Ou seja, ao contrário do que se propõe em diferentes áreas, em grande parte não é a razão que orienta as ações.

O que é particular sobre o conceito de irracionalidade racional sugerido por Caplan é que crenças e comportamentos são frequentemente vistos como irracionais, mas no fundo eles têm uma lógica. Eles não obedecem à razão óbvia, mas obedecem a outras formas de racionalidade.

Em última análise, o que a irracionalidade racional prova é que os seres humanos transformam suas crenças em argumentos, às vezes contra todas as evidências. Isso acontece especialmente no campo da religião e da política. No entanto, há episódios na história da ciência aos quais esse conceito também pode ser aplicado. Vamos dar uma olhada nisso.

O problema com as pessoas não é que elas não saibam, mas que elas sabem muitas coisas que não são verdadeiras.”

-Josh Billings-

Mulher concentrada no computador pensando

Irracionalidade racional

Bryan Caplan argumenta que existem dois tipos de racionalidade: a epistêmica e a instrumental. A primeira é racional com “R” maiúsculo: as crenças tentam se adequar à “verdade” testável. Inverdades são evitadas e uma mente aberta é mantida para novas evidências. Se a evidência contradiz as crenças, elas são abandonadas.

Do outro lado está a racionalidade instrumental. Neste caso, para colocar em termos coloquiais, o que se acredita ser verdade é o que é conveniente para alguém acreditar que é verdade. Não se trata de hipocrisia ou oportunismo. Muito simplesmente, uma pessoa naturalmente escolhe acreditar no que ela quer que seja verdade, porque isso torna mais fácil para ela alcançar seus objetivos.

Assim, Bryan Caplan aponta que a irracionalidade racional se configura quando surge uma tensão: a razão epistêmica contradiz a razão instrumental vice-versa. Esta é uma circunstância que não ocorre apenas individualmente, mas também coletivamente. Caplan indica que isso é mais provável de ocorrer quando há duas circunstâncias:

  • Há mais preferências do que crenças. Acontece quando algo é muito atraente e faz com que as crenças fiquem em segundo plano. Por exemplo, um gênero de música ruim se torna popular. Embora isso seja evidente, está começando a ser visto como bom porque é massivo.
  • Manter uma crença errônea não implica um alto custo. Ou seja, é possível continuar no erro, sem consequências negativas para quem o apoia.

Preferências e crenças

Como as preferências acabam tomando o lugar das crenças racionais? A abordagem da irracionalidade racional sustenta que isso ocorre quando surgem novas crenças que são tão atraentes que relaxam os critérios de verdade das pessoas.

Em geral, isso acontece quando uma ou mais das seguintes condições estão presentes:

  • Viés de interesse próprio. Acreditar em algo beneficia pessoalmente quem acredita ou o grupo com o qual se identifica. Se alguém é carnívoro, tenderá a acreditar no que outros carnívoros dizem, mesmo que isso seja absurdo.
  • Crenças de autoimagem. Há uma tendência a considerar mais o que reafirma a imagem de si mesmo, ou aquela que se quer adotar e projetar. Se eu quiser parecer corajoso, acreditarei mais prontamente em qualquer coisa que me chame a coragem, por mais tola que seja.
  • Crenças por conexão social. As crenças que permitem que você permaneça como parte de um grupo ou acesse um grupo no qual deseja ingressar são preservadas.
  • Viés de coerência. Há mais crença em novas ideias que se encaixem nas existentes, mesmo que não haja evidências para apoiá-las.
muitas pessoas falando

Acreditar no que se quer acreditar…

A teoria da irracionalidade racional afirma que muitas vezes você acredita no que quer acreditar, mesmo que haja evidências de que não é verdade. Por quê? Indivíduos e grupos obtêm algum benefício desse tipo de autoengano não intencional. Algum interesse os satisfaz e é por isso que eles mantêm nesses pensamentos.

Isso tem grandes implicações, especialmente na arena política. É claro que muitos povos escolhem governantes inconvenientes e ninguém consegue explicar o porquê. A teoria da irracionalidade racional explica as razões pelas quais esse fenômeno ocorre.

Em última análise, do ponto de vista coletivo, o peso da atração vale mais do que o das ideias. É por isso que muitas vezes as crenças malucas são impostas coletivamente: elas oferecem algo (um paraíso, uma salvação, um bem-estar único etc.). Isso se torna tão atraente que a razão é apartada.

Pode interessar a você...
Vieses cognitivos: quando não pensamos, podemos errar
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Vieses cognitivos: quando não pensamos, podemos errar

Algo que dificilmente levamos em consideração ao tomar decisões são os vieses cognitivos que influenciam as soluções que nós criamos.



  • Caplan, B. (2001). Rational ignorance versus rational irrationality. Kyklos, 54(1), 3-26.
  • Contreras Medina, F. R. (2006). Estudio crítico de la razón instrumental totalitaria en Adorno y Horkheimer. IC Revista Científica de Información y Comunicación, 3, 63-84.
  • Sánchez Montilla, J. A. (2021). Preferencias musicales y creencias adolescentes: el sesgo sexista y romántico. Andalucía educativa.