Neurobiologia do alcoolismo

julho 21, 2019
Assim como existe uma estrutura neuroanatômica e neurofuncional para explicar qualquer comportamento humano, há uma neurobiologia do alcoolismo. Descubra o que acontece no cérebro de uma pessoa que sofre com a dependência do álcool.

O álcool é a droga legalizada mais consumida no mundo, gera uma grande carga social e econômica para a sociedade e é capaz de causar dependência física e psicológica. Segundo a OMS, o alcoolismo afeta 140 milhões de pessoas no mundo e é a quinta principal causa de morte prematura.

Existe um grande número de patologias associadas ao seu consumo, desde a tuberculose até ao HIV e infecções. Agora, o que acontece no cérebro após a ingestão de álcool e, sobretudo, quando há um problema de dependência dessa substância? A seguir, adentramos na neurobiologia do alcoolismo.

A neurobiologia do alcoolismo explicada a partir da sua etiologia

A etiopatogenia do alcoolismo implica uma interação complexa entre fatores biológicos, psicológicos, sociais e ambientais.

Um dos preditores mais confiáveis ​​do estabelecimento do comportamento de dependência em uma pessoa são fatores genéticos ou hereditários. A disposição congênita de um indivíduo para sofrer de alcoolismo pode explicar até 60% dos casos desse vício.

Homem alcoólatra

Do ponto de vista bioquímico, o risco de sofrer de dependência do álcool tem sido relacionado a variações em genes que codificam proteínas que compõem duas enzimas em particular: a álcool-desidrogenase e a aldeído-desidrogenase.

No entanto, além das possíveis origens hereditárias, há outras potenciais causas neurobiológicas, como a redução no nível de expressão da enzima MAO-A (monoamino oxidase tipo A), que alguns experimentam após vivenciarem eventos traumáticos.

Baixos níveis de MAO-A têm sido correlacionados com o aumento do comportamento antissocial, o que, por sua vez, constitui um fator de risco para o alcoolismo.

Naturalmente, há outras explicações possíveis para a etiologia do alcoolismo mais comportamental. Estas apelam para experiências de aprendizagem e traços de personalidade.

De fato, seria essencialmente a mesma explicação, apenas em um nível diferente do neurobiológico, mas em relação direta com ele.

Hormônios e neurotransmissores na neurobiologia do alcoolismo

Foi comprovado que, direta ou indiretamente, o álcool pode interagir com uma ampla gama de neurotransmissores do sistema nervoso. Essa interação ocorre devido à natureza lipossolúvel do etanol, que permite atravessar a barreira hematoencefálica (BHE) e, assim, atingir o cérebro.

Os neurotransmissores e hormônios suscetíveis à interação com o álcool etílico são os seguintes:

  • GABA.
  • Glutamato.
  • Opioides endógenos.
  • Dopamina.
  • Adrenalina e noradrenalina.
  • Acetilcolina.
  • Serotonina.
  • Canabinoides.
  • Fator Liberador de Corticotrofina (CRF).
  • Neuropeptídeo Y.

A dependência alcoólica é caracterizada por déficits na capacidade de regulação fisiológica dos sistemas de motivação e recompensa.

Várias estruturas cerebrais são postuladas como responsáveis ​​por esses sistemas que impactam o comportamento humano, como o sistema límbico, a amígdala, o hipocampo, o núcleo caudado, o núcleo accumbens e o lobo frontal.

Uma disfunção nos sistemas mencionados poderia estar por trás de fenômenos ligados ao alcoolismo, como dependência do álcool, intoxicação alcoólica ou síndrome de abstinência.

Os efeitos do alcoolismo

O consumo de álcool provoca um efeito desinibidor e um efeito depressor do sistema nervoso central.

O primeiro é caracterizado por bloquear e alterar estruturas e processos cerebrais relacionados ao pensamento, reflexão ou valores éticos, entre outros. Além disso, promove impulsividade e descontrole de certas emoções.

Assim, algumas funções cognitivas de relevância considerável são afetadas mais ou menos de forma permanente. Entre elas, destacam-se as funções executivas dos lobos frontais, problemas mnemônicos, déficits nas habilidades visuoespaciais e problemas de controle motor e oculomotor.

A alteração de funções executivas devido ao consumo de álcool geralmente se manifesta em forma de impulsividade, entorpecimento afetivo, falta de discernimento, déficits de concentração, desinibição e perda de motivação.

Como o álcool afeta o cérebro?

O efeito desinibidor do álcool resulta, além disso, em um motivador e um reforçador secundário, uma vez que pode permitir que a pessoa adote padrões comportamentais que, em estado de sobriedade, não escolheria executar.

Assim, o álcool pode proporcionar uma sensação transitória de liberdade, empatia, e exacerbar as emoções.

Normalmente, é necessário um consumo de álcool substancial e prolongado para o cérebro assumir uma atitude de dependência de tal substância.

Em geral, o desenvolvimento do alcoolismo pode ser explicado pelos efeitos de reforço positivo que o consumo de álcool produz no cérebro. A ingestão dessa substância ativa o sistema de recompensa cerebral e gera sensações prazerosas que levam o cérebro a desejar um maior consumo posteriormente.

Para lidar com o alcoolismo, há muitos recursos de ajuda e apoio oferecidos pelo estado. A consulta com o médico de família pode ser um bom primeiro passo para iniciar o processo de desintoxicação do álcool.

Como vemos, a neurobiologia do alcoolismo explica como e quando o comportamento de abuso de álcool se torna um problema. Seja qual for o caso, é preciso manter a esperança de que as muitas abordagens existentes possam ajudar a vencer o vício.

  • Herrero Carcedo, C. (2018). Alcoholismo y epigenética. Publicación independiente.
  • Rey-Buitrago, M. (2915). Genética molecular del alcoholismo. Revista de la Facultad de Medicina de la Universidad Nacional de Colombia, 63, 483-94.