Neurofeedback para a ansiedade

O neurofeedback é aplicado para reduzir as ondas cerebrais excessivas produzidas pela ansiedade.
Neurofeedback para a ansiedade

Última atualização: 25 junho, 2022

O neurofeedback para ansiedade é um método que nos ajuda a influenciar conscientemente as ondas cerebrais. Para isso, são necessárias eletroencefalografias, que fornecem informações precisas sobre nossa atividade cerebral. Seus vários componentes são então extraídos e entregues aos sujeitos por meio de um ciclo de feedback on-line na forma de áudio, vídeo ou uma combinação.

O neurofeedback tem sido utilizado no tratamento de diversos distúrbios, incluindo: transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), esquizofrenia, insônia, dependência de drogas, autismo e ansiedade.

cérebro iluminado
O neurofeedback pode reduzir a ansiedade subjetiva e objetiva experimentada.

O que é neurofeedback?

É um tipo de biofeedback focado exclusivamente na atividade eletrofisiológica do cérebro. O treinamento usa a gravação de ondas eletroencefalográficas cerebrais como um sinal para aprender a controlar a atividade cerebral. Os sensores usados para esses fins são colocados no crânio.

Ao usar esta técnica, geralmente são passadas as seguintes fases (Collura, 2014):

  1. Produção de atividade cerebral EEG.
  2. Gravação da atividade de EEG.
  3. Conversão de sinais de EEG em sinais de computador.
  4. Processamento de sinal de computador.
  5. Conversão dos referidos sinais em sinais sensoriais. Visual, auditivo ou tátil.
  6. Apresentação destes últimos sinais à pessoa.
  7. Aprendizagem do tema da modificação dos sinais.

O objetivo do neurofeedback é que a pessoa aprenda a identificar certos eventos internos que estão associados à atividade cerebral, para que possa intervir sobre eles. Ou seja, aprender a alterar a amplitude e a frequência dos componentes eletrofisiológicos ou ondas do cérebro.

Este tipo de tratamento não é invasivo e permite que o cérebro seja treinado para melhorar sua função. Graças a esta técnica avançada, podemos regular as áreas responsáveis pela desregulação que causa a ansiedade.

A ansiedade

A ansiedade é um sistema complexo de respostas cognitivas, fisiológicas, comportamentais e emocionais associadas à preparação antecipatória para uma circunstância ameaçadora percebida. Seus principais sintomas são os seguintes:

  • Agitação.
  • Tensão.
  • Sensação de cansaço.
  • Tontura.
  • Micção frequente.
  • Palpitações do coração.
  • Sensação de desmaio.
  • Dificuldade para respirar.
  • Sudorese.

Ansiedade no cérebro

A ansiedade afeta negativamente o controle da atenção e causa mudanças na atividade cerebral durante as tarefas atencionais (Barker et al., 2018). Além disso, é capaz de alterar o estado de repouso das redes neurais.

Existe uma teoria que corrobora esses efeitos: a teoria do controle atencional. Central para isso é a noção de que a ansiedade compete por recursos de processamento limitados em indivíduos ansiosos, ocupando reservas cognitivas que de outra forma seriam alocadas ao controle atencional. Isso leva ao processamento ineficiente de tarefas e à capacidade prejudicada de inibir pensamentos negativos e preocupações.

Essa teoria prevê um desequilíbrio entre diferentes sistemas atencionais, como aqueles orientados pela realização de um objetivo, aqueles direcionados a um estímulo e os de atenção reativa. Esse desequilíbrio se reflete em uma funcionalidade reduzida entre duas áreas:

  • Córtex pré-frontal dorsolateral: que faz parte da rede de controle frontoparietal ou executivo visando o controle atencional utilizado para atingir um objetivo.
  • Cíngulo anterior: membro da rede cíngulo-opercular responsável pelo monitoramento de erros.
mulher com ansiedade
A ansiedade causa mudanças na atividade cerebral.

Neurofeedback para ansiedade

Um grupo de pessoas com altos níveis de ansiedade foi submetido a neurofeedback em um experimento controlado. Como resultado, observou-se um fortalecimento das conexões entre as duas redes neurais. Elas também foram solicitadas a manter um autoregistro com seus níveis de ansiedade e observou-se que este era menor.

O neurofeedback para ansiedade também foi testado para melhorar a atenção plena. A regulação desse tipo de atenção com neurofeedback pode afetar o padrão de atividade cerebral de pacientes com transtorno de ansiedade.

Em outro estudo, pessoas com altos níveis de ansiedade que foram treinadas para aumentar suas ondas alfa por meio de neurofeedback mostraram melhorias substanciais em sua ansiedade. Um ano depois e com uma amostra maior, esses resultados foram replicados por Watson, Woolley-Hart e Timmons (1979).

Em outra investigação realizada com pacientes com longo histórico de ansiedade sem resposta a outras psicoterapias ou medicamentos, foi encontrado aumento das ondas alfa em apenas 6 sessões com neurofeedback para ansiedade. Essas ondas permitem o foco da atenção, filtrando distrações, pensamentos e emoções.

Treinar em ondas teta aumentadas, associadas a estados emocionais positivos, também traz benefícios. As pessoas relataram taxas mais baixas de ansiedade subjetiva e objetiva após receber treinamento para aumentar tanto o alfa quanto o teta (Vanathy, Sharma & Kumar, 1998). Em outro estudo, em pacientes de 18 a 50 anos com transtorno de ansiedade generalizada, o treinamento de neurofeedback para ansiedade foi eficaz em:

  • Diminuir os sintomas de ansiedade.
  • Melhorar o funcionamento social e psicológico.
  • Diminuição dos sintomas e aumento dos níveis de funcionamento social e psicológico.

Para finalizar, observe que os efeitos do neurofeedback foram questionados: algumas pesquisas não apóiam sua eficácia. No entanto, ainda é uma intervenção alternativa ou complementar que pode ajudar a pessoa a treinar seu cérebro para reduzir os sintomas desadaptativos da ansiedade.

Pode interessar a você...
Tontura de ansiedade: um mecanismo de sobrevivência
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Tontura de ansiedade: um mecanismo de sobrevivência

Se você já teve um ataque de pânico ou altos níveis de ansiedade, provavelmente já sentiu tontura nesses momentos. Descubra os motivos.



  • Barker, H., Munro, J., Orlov, N., Morgenroth, E., Moser, J., Eysenck, M. W., & Allen, P. (2018). Worry is associated with inefficient functional activity and connectivity in prefrontal and cingulate cortices during emotional interference. Brain and Behavior8(12), e01137.
  • Berggren, N., & Derakshan, N. (2013). Attentional control deficits in trait anxiety: Why you see them and why you don’t. Biological Psychology92(3), 440-446.
  • Carrobles, J. A. (2016). Bio/neurofeedback. Clinica y salud27(3), 125-131. https://scielo.isciii.es/pdf/clinsa/v27n3/1130-5274-clinsa-27-03-00125.pdf
  • Chen, C., Xiao, X., Belkacem, A. N., Lu, L., Wang, X., Yi, W., … & Ming, D. (2021). Efficacy Evaluation of Neurofeedback-Based Anxiety Relief. Frontiers in Neuroscience15.
  • Collura, T. F. (2014). Technical Foundations of Neurofeedback. Routlege.
  • Eysenck, M. W., Derakshan, N., Santos, R., & Calvo, M. G. (2007). Anxiety and cognitive performance: attentional control theory. Emotion7(2), 336.
  • Fajardo, A., & Guzmán, A. L. (2016). Neurofeedback, aplicaciones y eficacia. Interdisciplinaria33(1), 81-93.
  • Hardt, J. V., & Kamiya, J. (1978). Anxiety change through electroencephalographic alpha feedback seen only in high anxiety subjects. Science201(4350), 79-81.
  • Hare, JF, Timmons, BH, Roberts, JR y Burman, AS, (1981). EEG Alpha-biofeedback Training: Una técnica experimental para el manejo de la ansiedad. Revista de Ingeniería y Tecnología Médica, 6(1),19-24.
  • Maldonado, K. A., & Alsayouri, K. (2019). Physiology, Brain. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK551718/
  • Marzbani, H., Marateb, H. R., & Mansourian, M. (2016). Neurofeedback: a comprehensive review on system design, methodology and clinical applications. Basic and clinical neuroscience7(2), 143.
  • Morgenroth, E., Saviola, F., Gilleen, J., Allen, B., Lührs, M., Eysenck, M. W., & Allen, P. (2020). Using connectivity-based real-time fMRI neurofeedback to modulate attentional and resting state networks in people with high trait anxiety. NeuroImage: Clinical25, 102191.
  • Servaas, M. N., Riese, H., Ormel, J., & Aleman, A. (2014). The neural correlates of worry in association with individual differences in neuroticism. Human brain mapping35(9), 4303-4315.
  • Vanathy, S., Sharma, P. S., & Kumar, K. B. (1998). The efficacy of alpha and theta neurofeedback training in treatment of generalized anxiety disorder.
  • Watson, B. W., Woolley-Hart, A., & Timmons, B. H. (1979). Biofeedback instruments for the management of anxiety and for relaxation training. Journal of biomedical engineering1(1), 58-62.