O que é a normalização?

Recentemente, muitas pessoas têm desejado normalizar comportamentos, emoções e muito mais. Mas o que é normalização? Descubra a seguir.
O que é a normalização?

Última atualização: 03 Janeiro, 2021

Você já ouviu a frase “vamos normalizar isso” aplicada a doenças mentais, sexualidade, emoções, papéis de gênero, etc.? A normalização se tornou o primeiro passo para dar visibilidade a muitos grupos que desejam sair da exclusão social. No entanto, essa palavra nem sempre foi usada no campo da sociologia.

Neste artigo, você encontrará um breve resumo sobre o que é a normalização, suas origens, sua aplicação aos novos tempos e o que significou para a sociedade questionar o que é normal. Como muitos outros, este é um termo em constante definição, mas suas bases estão bem estabelecidas hoje.

Mulher aflita

De onde vem a palavra “normalização”?

Embora agora a escutemos principalmente em contextos de mudança social, o termo normalização foi cunhado pelo filósofo Michel FoucaultAntes de aplicá-lo ao campo da sociologia, era um termo estatístico que se referia ao processo matemático pelo qual um conjunto de dados se ajustava a uma distribuição normal.

Foucault usou esse termo para criticar o poder estabelecido, que acusa de associar o que é normal – e portanto aceitável e desejável – a uma norma estabelecida. No entanto, essa regulamentação seria um disfarce para grupos de controle, e não um mero conjunto de normas de convivência em sociedade.

Então, o que é a normalização?

Para responder o que é a normalização, lembremos que ela foi definida como um processo em que o comportamento é considerado normal, ou seja, dentro da norma, para um grupo de pessoas. No início, Foucault postulou em seu livro, Vigiar e Punir, que um comportamento é normalizado quando encontra duas condições:

  • É idealizado: conseguiu-se que esse comportamento seja considerado intrinsecamente bom e, além disso, deve ser perseguido como uma meta a ser alcançada ao longo da vida. Um exemplo disso é o casamento, no qual adquirir um compromisso firmado para se casar com alguém é um ideal a ser alcançado na sociedade.
  • Cumpri-lo rende recompensas no sistema: seguindo o exemplo anterior, o casamento traz consigo uma série de vantagens, como benefícios fiscais, autorizações de trabalho ou até a obtenção de uma nacionalidade diferente.

Ou seja, as massas aceitam, perseguem e se organizam em torno do que é considerado normal dentro de uma estrutura cultural específica.

A normalização nas novas gerações

Ao longo da evolução psicossocial dos últimos anos, em que a crise económica de 2008 e a mudança do modelo familiar foram tão decisivas para a evolução do pensamento coletivo, a crítica à norma instituída está presente em quase todos os discursos filosóficos. Além disso, em uma sociedade marcada pelo individualismo, diversidade e mudanças constantes, “normal” é uma ideia cada vez mais turva.

À medida que as novas gerações foram avançando no pensamento e abraçando essas mudanças, a palavra normalização se tornou a bandeira de muitos movimentos de integração social: transtornos mentais, sexualidade, diversidade funcional, etc.

No entanto, o que é normalização tem suscitado respostas mutáveis ​​ao longo dos anos: quando se trata de movimentos de integração, a normalização é o oposto de exclusão. Para atingir essa normalização, eles contam com estratégias diferentes:

  • Propaganda: a visibilidade é fundamental para que as minorias não sejam estranhas e distantes psicologicamente. Podemos encontrar muitos exemplos nas redes sociais graças ao seu grande poder de divulgação.
  • Educação para a diversidade: os programas de integração têm sido decisivos para moldar o pensamento aberto e inclusivo nas novas gerações.
  • Inclusão no marco legal: trata-se de buscar que o sistema sócio-político e a legislação contemplem o maior número possível de grupos.
  • Reforço de comportamento: certas vantagens estão associadas à prática dessa normalização, como aumento da autoestima e dos espaços seguros.
Colegas de trabalho conversando

Vantagens e desvantagens

A implementação deste termo na linguagem do dia a dia melhorou a situação de muitos grupos minoritários – só precisamos ver todas as ajudas, leis e movimentos a favor de certos grupos, como imigrantes, pessoas LGTB+, pessoas com transtornos mentais e até não humanos.

Além disso, a pesquisa também revelou que a normalização de comportamentos destrutivos pode ser um obstáculo considerável para implementar soluções para diferentes problemas sociais, como vícios e violência.

Também existem grupos que não obtiveram nada de bom com a padronização. Grandes coletivos que antes desfrutavam das vantagens de serem “normais” agora sofrem com a perda de privilégios ou aprovação social, o que frequentemente leva a lutas entre grupos. Este é um processo aberto. A normalização abre novos caminhos para uma sociedade mais inclusiva, e resta ver até que ponto a palavra “normal” faz sentido.

Pode interessar a você...
Green Book: quando se normaliza o racismo
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Green Book: quando se normaliza o racismo

O filme 'Green Book' nos proporciona um momento agradável, nos mostra a crueldade do racismo, suavizado pelos valores da amizade.