O perigo de "viver" através dos filhos

Alguns pais vivem através de seus filhos, limitando sua liberdade e sobrecarregando-os com pesos que não lhes pertencem. Falaremos sobres as sequelas que pode produzir essa atitude.
O perigo de "viver" através dos filhos

Última atualização: 01 agosto, 2022

Há quem afirme que as atuais gerações de jovens são egoístas por não escolherem a paternidade ou a maternidade como caminhos de vida. E, no entanto, talvez o que acontece é que eles estão mais conscientes. Conscientes de que criar outro ser humano é uma enorme responsabilidade que exige uma dose significativa de maturidade emocional. Se isso não estiver presente, encontraremos pais que vivem através de seus filhos.

Esta é uma realidade que muitos adultos sofreram em sua própria carne e muitos pequenos continuam a experimentar hoje. Pais que projetam o futuro de seus filhos, que tomam decisões por eles ou os sobrecarregam com o peso de sua felicidade. Essas atitudes dão origem a dinâmicas disfuncionais que nos prejudicam profundamente e das quais, às vezes, nunca conseguimos nos livrar.

Uma criança não é uma extensão de seus pais

É verdade que os filhos são o resultado daquilo que, como pais, lhes transmitimos; que a sua personalidade e as suas atitudes são fruto do trabalho de criação que realizamos. No entanto, não podemos considerá-los nossa carta de apresentação ao mundo.

Alguns pais, ao adotarem esse pressuposto, fazem exigências impossíveis aos filhos. Eles esperam deles comportamentos, sucessos e conquistas exemplares em todas as áreas de suas vidas; e não pela busca da felicidade dos pequenos, mas pela imagem que ele projeta dos pais perante os outros.

De alguma forma, consideram que a vida de seus filhos reflete seu valor como pais e como pessoas e, portanto, colocam um peso difícil de suportar. Quando crianças, pede-se que sejam calmas, dóceis e obedientes, que se comportem como adultos em miniatura e que abandonem o barulho, as risadas e as travessuras típicas da infância.

À medida que crescem, as pressões se traduzem em inúmeras atividades extracurriculares, aulas e eventos em que a criança não necessariamente quer participar, mas deve cumprir para se encaixar nesse protótipo socialmente perfeito imposto pelos pais.

Os erros não são compreendidos, mas punidos e a liberdade de decidir e experimentar é notável por sua ausência. O roteiro está marcado desde o começo e o único caminho disponível para eles é segui-lo.

Pai punindo seu filho
Os pais que vivem através de seus filhos muitas vezes fazem exigências que têm a ver com seus sonhos e objetivos frustrados.

Pais que vivem através de seus filhos

Em outros casos, essa pressão não vem de uma busca pela perfeição, mas do desejo de que os filhos vivam vidas que os pais acreditam ser corretas. Às vezes, isso se traduz na obrigação de seguir os passos desses adultos: continuar com os negócios da família, desenvolver o mesmo caminho profissional dos pais ou adotar o mesmo estilo de vida. Qualquer transgressão a esses mandatos, fruto de escolha pessoal, é vivenciada como falta de lealdade.

Em outros casos, ao contrário, pretende-se que essa criança realize os sonhos frustrados de quem lhe deu a vida. Ela é então instada a experimentar tudo o que seus pais não tiveram acesso, mesmo que não seja o que ele ou ela quer ou precisa, pois é uma maneira pessoal de “reparar”.

Pode até ser que as duas situações anteriores coexistam, criando um verdadeiro estado de confusão: “quero que você se gradue (já que não consegui) e seja ambicioso profissionalmente (já que tive que abrir mão dos meus sonhos para formar uma família), mas ao mesmo tempo culpo você por ter essas oportunidades”.

Mãe conversando com seu filho adolescente
Há pais que vivem como deslealdade que seus filhos não atendem aos seus sonhos e expectativas.

O peso de carregar a felicidade dos outros

Em última análise, os pais que vivem através de seus filhos os sobrecarregam com o peso de sua própria felicidade. Seu bem-estar depende de seus filhos terem sucesso, se comportarem ou atenderem às suas expectativas. Se essa criança falhar, ou apenas decidir por si mesma, o pai ou mãe se sentirá pessoalmente afetado. Mesmo que, às vezes, essa criança decida formar sua própria vida longe da casa paterna, ela vivencia isso como uma traição ou abandono.

Seja qual for o caso, vivemos através de nossos filhos sempre que depositamos neles nossas próprias expectativas, esquecendo sua individualidade e vinculando seu destino aos nossos desejos. Fazemos isso quando interferimos em seus relacionamentos pessoais (mesmo quando adultos), quando julgamos suas escolhas, preferências e interesses ou os superprotegemos a ponto de torná-los dependentes.

O objetivo de uma educação saudável é educar indivíduos livres e autônomos, algo que constitui um verdadeiro ato de desapego. É muito fácil encontrar nas crianças aquele refúgio do medo da solidão, aquela possibilidade de compensar o que não pôde ser vivenciado ou aquele elemento no qual concentrar toda a atenção para não se responsabilizar. No entanto, é essencial quebrar essa tendência.

Se hoje como adulto você sente que seus pais foram um daqueles pais que vivem através de seus filhos, é importante que você passe um tempo analisando como isso influenciou sua personalidade e trajetória; e, talvez, você deva buscar ajuda para começar a se priorizar. Ainda mais relevante: se você tem filhos, você deve fazer um trabalho de análise pessoal que permita que você assuma a responsabilidade para não continuar perpetuando esses padrões.

Pode interessar a você...
É assim que os narcisistas usam o dinheiro
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
É assim que os narcisistas usam o dinheiro

Se nos perguntarmos como os narcisistas usam o dinheiro, deve-se entender que eles o usam como arma de poder e manipulação.



  • Mercado, R. (2004). Historias de legados familiares, mandatos encubiertos y elecciones negociadas. Cuadernos de educación, (3). Disponible en: https://revistas.unc.edu.ar/index.php/Cuadernos/article/view/681/644
  • Mercé, M., &  Soler, J. (2014). Ámame para que me pueda ir: Tender puentes entre padres e hijos a través de la Ecología Emocional (Vol. 2). Editorial AMAT.