O que é o efeito Mateus?

julho 25, 2019
Segundo o efeito Mateus, mais é mais e menos é menos, e tanto o sucesso quanto o reconhecimento estão sempre relegados à mesma minoria privilegiada.

O efeito Mateus é a denominação sociológica de um fenômeno de acumulação de bens, riqueza ou fama.

Embora o uso desse termo pela primeira vez tenha sido atribuído ao sociólogo Robert K. Merton em um artigo publicado em 1968, o seu uso foi estendido para outras disciplinas como a economia, a psicologia e a educação.

Este termo se refere tanto a bens materiais, como dinheiro, quanto a valores intangíveis, como confiança ou prestígio social.

Ele foi originalmente chamado de efeito Mateus pela citação bíblica do capítulo 13, versículo 12 do Evangelho de Mateus, (que se repete em Mateus 25, 29, e outros evangelistas em cinco ocasiões diferentes).

Esta passagem bíblica diz: “Para aquele que tem, tudo lhe será dado e terá em abundância; mas para aquele que não tem, até o que tem lhe será tirado”. No campo da educação, quem analisou o fato e lhe deu o nome de efeito Mateus foi o psicólogo canadense Keith Stanovich.

“Você quer ser rico? Então não fique ansioso para aumentar os seus bens, mas para diminuir a sua ganância”.
– Epicuro –

Exemplos do efeito Mateus

Existem muitas observações do efeito Mateus. Vejamos algumas dependendo da área em que ele aparece.

Na ciência

No campo científico, há um experimento sensacional feito há cerca de dez anos. Uma equipe de cientistas selecionou cinquenta artigos de pesquisadores conceituados que trabalharam em importantes universidades norte-americanas, publicados alguns anos antes.

Os cientistas mudaram os títulos dos artigos, inventaram autores fictícios que trabalhavam em universidades de categoria inferior, e os enviaram aos mesmos jornais onde foram publicados anteriormente. Quase todos os artigos foram rejeitados.

Interpretando-a na direção oposta, ocorre a chamada Lei de Stigler. Em muitos casos, as conclusões científicas não recebem o nome da pessoa que as descobriu em primeiro lugar.

Artigos científicos

Na educação

Na educação, seria algo semelhante ao efeito Pigmaleão, que chama a atenção para o desenvolvimento dos alunos que recebem mais atenção e estão sujeitos às expectativas mais otimistas do professor, em detrimento da boa evolução dos demais.

O efeito Mateus está intimamente relacionado com a chamada profecia autocumprida, também formulada por Merton.

O psicólogo canadense Keith Stanovich foi quem observou que aqueles que adquiriam “riqueza” na expressão escrita e oral desde muito cedo reforçavam cada vez mais essas habilidades.

Aqueles que demoravam muito para adquiri-las se sentiam fracassados e resistiam a passar de novo pelo processo devido à má experiência. Portanto, eles liam e escreviam menos.

Esse sentimento os deixava mais suscetíveis a se tornarem cada vez mais desfavorecidos em relação àqueles que já dominavam a leitura e a escrita que, felizes com os seus resultados, praticavam cada vez mais.

Isto lhes dava uma vantagem em termos de sucesso na escola e em seus estudos futuros.

“Na ciência, o reconhecimento é concedido ao homem que convence o mundo, não àquele que surge com a nova ideia”.
– William Osler –

Na sociologia

Na Sociologia, poderíamos dar o seguinte exemplo: o Banco dará um empréstimo com maior facilidade a qualquer um que possa provar que tem maiores garantias (ou seja, àquele que tem mais) e não ao pobre que provavelmente precisa desse dinheiro.

Dessa forma, os ricos se tornarão mais ricos, e os pobres, mais pobres.

Pessoa pegando empréstimo

Isso tem dois lados, geralmente antagônicos, nas palavras de Jiménez (2009):

  • O aporte de uma quantidade maior de benefícios, tanto materiais (econômicos e outros recursos, recompensas) quanto imateriais (privilégios, considerações, confiança, poder, fama) pelo fato de ter o valor máximo em um determinado parâmetro que é considerado relevante.

Situa-se na primeira posição de uma determinada classificação ou categoria de âmbito local, regional, nacional ou globalizado. Como resultado de ser classificado como o melhor, é o mais beneficiado, supervalorizado e, muitas vezes, eclipsa o restante.

  • Por outro lado, os benefícios de qualquer tipo são reduzidos ou anulados para as pessoas ou entidades que possuem menos valor de um determinado parâmetro que é considerado relevante. Em muitos casos, ocorrem os processos de marginalização porque a consideração dessas pessoas ou entidades é alterada quando elas são percebidas como nos últimos lugares da classificação.

Observa-se frequentemente que eles ficam muito abaixo do esperado se levarmos em conta os recursos que tinham no início. No caso extremo, quem tem menos é despojado do que é seu, que paradoxalmente é dado àquele que tem mais.

“A riqueza é como a água salgada, quanto mais você bebe, mais sede tem”.
– Arthur Schopenhauer –

Efeito Mateus: conclusão

Uma forma de corrigir os efeitos nocivos do efeito Mateus é dando prioridade à participação em detrimento da competitividade. Outra maneira é estabelecer mecanismos que protejam os mais desfavorecidos.

A forma mais radical de realizá-lo seria conceder ajuda de maneira invertida. Ou seja, ajudar aqueles que são mais pobres, sabem menos ou têm menos. Em resumo, corrigir as desigualdades.