Os efeitos da paternidade baseada no medo

Em todos os casos, tal educação tende a produzir adultos que têm pouca autoconfiança e são fracos de ânimo.
Os efeitos da paternidade baseada no medo

Última atualização: 02 dezembro, 2021

A paternidade baseada no medo toma forma de várias maneiras. Os pais às vezes têm dificuldade em disciplinar os filhos e recorrem a gestos e atos autoritários, a fim de manter o controle a longo prazo. Em outras palavras, eles intimidam seus filhos para que obedeçam a eles a fim de evitar castigos severos.

Outras vezes, a paternidade baseada no medo origina-se da ansiedade dos pais. Eles têm medo de desempenhar mal seu papel ou estão com muito medo do que pode acontecer com seus filhos. Esse medo também acaba dando uma nuance particular à educação e muitas vezes isso semeia uma semente de ansiedade nas crianças.

Outro aspecto da paternidade baseada no medo, intimamente relacionado com a anterior, é educar os filhos em um contexto que nos causa medo. Às vezes, o ambiente social é opressor em muitos países. Existem situações críticas de insegurança, guerra ou terrorismo.

Nesse contexto, a formação e a infância não seguem seu curso normal, pois o meio ambiente implica grandes ameaças.

Deixe seu filho andar onde quer que a estrela o chame.”

-Miguel de Cervantes Saavedra-

Paternidade autoritária

Para que uma pessoa se desenvolva psicologicamente de forma adequada, ela precisa de limites durante a infância. Uma das tarefas dos pais é acompanhar os filhos para que eles entrem na sociedade e na cultura e consigam se adaptar a elas. Para que isso seja possível, é necessário estabelecer claramente a fronteira entre o que é aceitável e o que não é.

No entanto, alguns pais consideram a tarefa de criar os filhos muito estressante. Acontece também que não estão totalmente preparados para ter um filho, ou que de uma forma ou de outra a maternidade ou a paternidade são um obstáculo no seu próprio projeto de vida.

É muito comum que nessas condições eles tenham uma tolerância muito limitada para o comportamento de seus filhos.

A consequência disso às vezes é uma educação baseada no autoritarismo ou abuso. Eles podem ser capazes de estabelecer os limites com clareza, mas também é muito provável que minem a autoconfiança dos filhos. O excesso de força geralmente leva a adultos submissos ou excessivamente radicais.

Pai punindo filho

Uma paternidade baseada no medo ansioso

Às vezes, a paternidade causa forte ansiedade para um ou ambos os pais. Eles querem fazer o melhor para o bem de seus filhos, mas não sabem como avançar corretamente na educação do seus filhos.

Eles simplesmente sentem que seus filhos são muito frágeis e podem ceder à tentação de superprotegê-los para evitar que algo os prejudique, o que pode ser arriscado, segundo estudos.

Esses tipos de pais se concentram principalmente nos riscos envolvidos em cada situação. Se a criança engatinhar, ela pode cair da escada. Se ela pegar a mamadeira, ela poderia engasgar. Se ela correr, ela poderia cair. Se sair, pode se perder. E assim… Portanto, sem ser essa a intenção, o que basicamente fazem é transmitir ao filho a ideia de que ela está sempre em perigo.

Muitas vezes, a paternidade baseada no medo ansioso resulta em pessoas ansiosas. Na vida adulta, elas terão uma sensação de medo do qual será muito difícil se livrar. É possível que vivam mais ou menos paralisados diante da realidade, com medo de tomar a iniciativa e duvidando de tudo o que fazem.

Menino chorando

O medo e um ambiente perigoso

Vivemos em um mundo em que existem perigos reais e concretos para as crianças. Certamente todos os pais já se perguntaram como educar um filho para que enfrente essas ameaças, sem se esconder, mas também sem se expor a elas de forma imprudente. Não é fácil alcançar esse equilíbrio.

Um ambiente perigoso facilmente leva uma educação ansiosa, que é determinada pelos riscos objetivos de um determinado lugar ou época. A longo prazo, isso pode se traduzir em uma vida adulta com muitos medos e nenhum senso de autonomia e liberdade.

O medo geralmente não é um bom conselheiro, nem uma boa maneira de educar. A paternidade baseada no medo tende a se tornar um obstáculo no longo prazo. Se um pai ou mãe está com medo, ou se eles sentem o desejo de incutir medo em seus filhos, algo não está certo.

Vale a pena pensar nisso, porque os efeitos desses medos aleatórios e avassaladores costumam causar grandes problemas na vida adulta.

Pode interessar a você...
Entrevista com Rafael Santandreu: é possível eliminar os medos?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Entrevista com Rafael Santandreu: é possível eliminar os medos?

Nesta entrevista, Rafael Santandreu nos convida a refletir sobre os medos que nos acompanham no dia a dia a partir da psicologia cognitiva.



  • Ramírez, M. A. (2005). Padres y desarrollo de los hijos: prácticas de crianza. Estudios pedagógicos (Valdivia), 31(2), 167-177.