Poesia e cérebro: como se relacionam?

26 Julho, 2020
Qual é o efeito que a poesia tem em nosso cérebro? A ciência vem pesquisando há algum tempo os correlatos neuronais e os circuitos cerebrais que podem interferir na leitura da poesia. Embora a pesquisa seja inicial, os resultados já se mostram fascinantes.
 

A poesia é o registro mais antigo da literatura. Embora seja impossível datar com precisão seu início na tradição oral, não erraríamos muito ao afirmar que ela sempre acompanhou a humanidade. Isso nos dá uma ideia do impacto que a linguagem poética pode ter em nosso estado emocional e cognitivo. Por sua vez, esse tópico levanta muitas questões sobre a relação existente entre a poesia e o cérebro.

Estudos recentes realizados com imagens cerebrais estão começando a nos dar muitas pistas sobre os correlatos neurais e os mecanismos cerebrais envolvidos no ato de ler ou ouvir poesia.

Ao contrário de outros tipos de leituras que estão mais associados a várias estruturas localizadas no lado esquerdo do cérebro, a poesia ativa fortemente áreas relacionadas à introspecção. A resposta emocional à literatura, em geral, compartilha zonas de ativação com a música. No entanto, as áreas do hemisfério direito são as que mais parecem estar relacionadas à poesia.

Calafrios provocados pela poesia

Nos últimos anos, vários estudos laboratoriais foram realizados com a intenção de revelar como a poesia e o cérebro se relacionam. A equipe do Dr. Eugen Wassiliwizky coletou dados de neuroimagem, respostas psicofisiológicas e comportamentais de pessoas lendo ou ouvindo poesia.

Nas respostas psicofisiológicas, a equipe se concentrou nas reações eletrodérmicas e cardiovasculares do sistema nervoso autônomo. Eles verificaram que a poesia é capaz de desencadear respostas afetivas e experiências emocionais muito intensas. É um poderoso estímulo emocional capaz de ativar áreas cerebrais de recompensa primária. Especificamente, mediram a piloereção, ou seja, os arrepios resultantes de calafrios causados ​​pela poesia.

 

Embora já tenha sido comprovado que esse tipo de sensação também pode ser resultado de, por exemplo, ouvir música, os calafrios provocados pela poesia ativam áreas diferentes do cérebro do que aquelas ativadas com a música. Além disso, um efeito antecipatório foi verificado no cérebro, mesmo que se tratassem de poemas lidos ou ouvidos pela primeira vez, pelo efeito de cadência e pelo reconhecimento por parte do cérebro do padrão métrico do poema.

Livro de poesias

O cérebro está conectado à poesia

A Universidade de Bangor, no Reino Unido, liderou outro projeto de pesquisa sobre o efeito da poesia no cérebro humano. Seus estudos reafirmam a ideia de que o cérebro tem recursos antecipatórios de reconhecimento de rimas e ritmos típicos da poesia.

Parece que descobriram que a qualidade musical da poesia é captada pelo nosso cérebro de uma maneira totalmente inconsciente. Em outras palavras, as propriedades harmônicas da poesia parecem estimular partes inconscientes da mente, o que também sugere uma estreita relação com a intuição humana.

No estudo, os participantes reagiam cada vez mais e melhor aos poemas elaborados com determinados ritmos métricos. Foi obtida até mesmo a imagem de uma explosão de atividade elétrica no cérebro dos indivíduos. Essa explosão elétrica ocorria apenas uma fração de segundo depois de ouvir a última palavra de uma das linhas do poema.

 

A poesia a partir de uma perspectiva psicológica

A poesia é um jogo de linguagem que consegue agrupar palavras de uma maneira surpreendente, como um chef que combina ingredientes que pareciam impossíveis de ser combinados e que dão resultados extraordinários.

Existe um padrão na poesia que parece restaurar nosso desejo de ordem. A poesia se baseia em regras de construção. É configurado um ritmo que, em seguida, é interrompido para retornar a ele novamente. O jogo dos significados das palavras, que às vezes guardam vários significados em uma só, é algo extremamente estimulante intelectualmente. Podemos ler um poema milhares de vezes, chegando a novos lugares e significados em cada uma delas.

 “Poesia é a união de duas palavras que nunca se supunha que pudessem ser reunidas, e que formam uma espécie de mistério”.
-Federico García Lorca-

Os benefícios da leitura

Poesia e cérebro, um mundo inteiro a desenvolver

Os estudos que estão sendo realizados sobre esse assunto não apenas produzem resultados interessantes. Parece que é necessário começar a promover a ideia do potencial da poesia como um prazer estético.

 

Geralmente, nossa passagem pelo maravilhoso mundo dos poemas é limitada por uma exposição bastante reduzida durante a infância e pela abordagem excessivamente analítica desse gênero literário que ocorre na maioria das escolas.

Embora a ciência esteja aplicando o método científico para tentar descobrir a relação entre a poesia e o cérebro, a verdade é que a poesia é muito mais do que um scanner pode nos dizer. Produz mais do que os arrepios e calafrios observados pela equipe Wassiliwizky. A poesia tem, ainda, um mistério que a ciência não conseguiu escrutinar: por que a cadência e o ritmo certos conseguem elevar o espírito? Esse é o novo desafio para as pesquisas.

 “Poesia é o sentimento que sobra ao coração e sai pela mão.”
-Carmen Conde-