Você sabe o que é a sexologia?

outubro 17, 2019
A sexologia é um ramo no qual muitos psicólogos e outros profissionais de saúde se especializam. No entanto, em que consiste e o que pode ser feito uma vez terminada a formação?

A sexologia é a ciência que estuda o sexo a partir dos comportamentos, da identidade, da orientação sexual e da interação.

Esses são alguns dos aspectos nos quais um profissional de sexologia é treinado para ajudar a resolver os problemas que podem estar limitando ou gerando desconforto na sexualidade de uma pessoa. No entanto, por que não se fala tanto sobre esse termo?

O artigo Sexologia baseada em evidências: história e atualização responde à essa pergunta de maneira clara e concisa: “a sexologia é uma área de conhecimento incômoda que deve lutar contra preconceitos, estereótipos e costumes da sociedade”

Ideias preconcebidas se traduzem em um grande desconhecimento sobre o que é sexualmente saudável, o que levanta dúvidas sobre quando procurar um sexólogo.

“Quando ouço que os casais perderam a conexão sexual, começa o trabalho: ao longo de várias semanas, os deveres que mando para casa são voltados para a criação de uma sensação de segurança. As tarefas são focadas em experiências táteis que permitem que o casal se adapte”.
-Linda E. Savage-

Prazer no sexo

Sexologia clínica

Dentro da sexologia, podemos distinguir duas vertentes. Uma delas é a clínica, também denominada terapêutica. A que se dedica a pessoa que se especializa nela? Um sexólogo clínico tem como função tratar as dificuldades e os transtornos sexuais.

Muitas vezes não sabemos, mas as disfunções sexuais podem ser decorrentes de causas psicológicas. Portanto, veremos a seguir algumas das disfunções que podemos estar sofrendo. Um sexólogo pode ajudar a resolvê-las.

  • Vaginismo: é uma disfunção caracterizada pela contração involuntária dos músculos da vagina. Isso evita a penetração e causa relações sexuais dolorosas. Pode ser provocada por medos, experiências traumáticas prévias no sexo ou outros motivos.
  • Falta de desejo sexual: isso pode ser problemático para o relacionamento do casal, mas pode ser resolvido consultando um sexólogo. Esse profissional fornecerá ferramentas para estimular o desejo, expor-se a estímulos eróticos, superar a preguiça e a evitação.
  • Problemas de ereção: conhecido como “brochar”, pode causar frustração, medo de reincidência e de não “funcionar”. É natural que aconteça alguma vez, mas se o problema se torna frequente, pode ter a ver com a autoexigência ou a ansiedade de que volte a ocorrer (o que faz com que aconteça). Isso provoca uma baixa autoestima.

Sexologia educativa

Talvez pudéssemos ter alguma ideia do que é sexologia ao ler sobre sexologia clínica. No entanto, quando chegamos a esse ponto, há mais uma coisa: o que é a sexologia educativa?

Trata-se da disciplina responsável por oferecer educação sexual em escolas, institutos e universidades. Na realidade, como regra geral, a abordagem geral dessas conversas não é educacional, pois fornece informações apenas sobre a saúde sexual.

Embora a sexologia educativa também fale sobre disfunções e métodos de prevenção de doenças sexuais, são abordados outros tipos de tópicos que costumam gerar um silêncio absoluto. Alguns desses tópicos são os seguintes:

  • Componentes biológicos, psicológicos e sociais da sexualidade.
  • Saúde reprodutiva e procriação responsável.
  • Sexualidade das pessoas com deficiência.
  • Abuso e violência.
  • Vícios e sexualidade.
  • Falsas crenças e mitos.
  • Orientação sexual.

“A educação sexual é, acima de tudo, educação. […] é contribuir para a formação de pessoas livres e capazes de assumir atitudes de respeito e responsabilidade em suas relações interpessoais, assim como interiorizar atitudes de cumplicidade em relação à sexualidade, entendendo-a como comunicação em todas as suas dimensões e com todas as suas implicações”.
-Santiago Frago e Siberio Sáez-

O que é a sexologia educativa?

Para concluir

Esses são apenas alguns assuntos abordados na sexologia educativa que permitem promover atitudes e comportamentos saudáveis ​​para desfrutar de uma sexualidade responsável.

Infelizmente, todos esses assuntos que deveriam ser fundamentais em qualquer conversa nas instituições nem sempre estão presentes.

A educação sexual que todos nós recebemos trata apenas sobre a utilização de métodos contraceptivos e de como evitar doenças sexuais. No entanto, como vimos, o assunto vai muito além. Sem dúvida, hoje em dia está ocorrendo uma mudança desse padrão.

  • Frago, S., & Sáez, S. Sexología y educación sexual. El sexó-logo hoy. http://ow.ly/4se230nK9NS
  • OLIVARES CRESPO, M., & FERNÁNDEZ-VELASCO, R. (2003). Tratamiento cognitivo-conductual de un caso de vaginismo y fobia a la exploración ginecológica. Clínica y Salud, 14 (1), 67-99.
  • Sánchez, F. L. (2010). Estudios sobre sexualidad en España: presente y futuro. Informació psicològica, (100), 84-90.