Síndrome de Hubris: o poder como causa da corrupção moral

11 Agosto, 2020
A síndrome de Hubris foi descrita pelo ex-político David Owen e pelo psiquiatra Jonathan Davidson como uma imagem derivada do excesso de poder em alguns políticos. Vamos ver no que ela consiste.
 

A síndrome de Hubris se refere a pessoas que experimentam uma mudança de personalidade quando estão em posições de liderança. Pode acontecer nos negócios, na política ou em qualquer outro campo.

Essa síndrome descreve como as pessoas no poder demonstram extremo orgulho, excesso de confiança e total desprezo pelos outros. Esses traços de caráter levam a um comportamento impulsivo e muitas vezes destrutivo.

Do ponto de vista neurocientífico, não há evidências de que possa haver uma mudança fisiológica nessas pessoas. No entanto, tanto a psiquiatria quanto a psicologia abordam esse tema.

Não deve ser visto como um distúrbio por si só nem como um subtipo do transtorno de personalidade narcisista. É uma imagem ou síndrome derivada do poder excessivo que não apresenta o mesmo desenvolvimento que um transtorno de personalidade.

Síndrome de Hubris: o poder como causa da corrupção moral

Síndrome de Hubris: o excesso de poder

O termo hubris ou hybris (ὕβρις, hýbris) é um conceito grego que significa “excesso”. É o oposto de sobriedade e moderação. A pessoa arrogante é aquela com orgulho excessivo, que trata os outros com insolência e desprezo. O indivíduo sente prazer em usar seu poder dessa maneira, mas esse comportamento desonroso foi fortemente condenado na Grécia antiga.

 

As pesquisas sobre esse fenômeno ficaram mais sérias e acadêmicas nas mãos de David Owen, ministro do governo trabalhista de James Callaghan, e do psiquiatra Jonathan Davidson.

Para Owen, a síndrome de Hubris é frequentemente vista como uma extensão natural, ou pelo menos não inesperada, da confiança e ambição necessárias para quem busca o poder. Embora muitos possam ver a arrogância como um lado infeliz dos líderes, eles também acreditam que pelo menos algum nível de arrogância é o preço a pagar por uma grande liderança.

O poder é uma droga intoxicante, que nem todos os líderes têm o caráter arraigado necessário para combater. Fazer isso exige uma combinação de bom senso, humor, decência, ceticismo e até cinismo, que trata o poder pelo que ele é: uma oportunidade privilegiada de influenciar e, às vezes, determinar a virada dos acontecimentos.

Owen descreve especificamente a síndrome de Hubris como um transtorno de personalidade único e adquirido que se desenvolve apenas depois que um líder detém o poder por um período de tempo. Além disso, é aplicável apenas se não houver histórico de doença psiquiátrica.

Sintomas da síndrome de Hubris

Uma amostra dos 14 sintomas da síndrome de Hubris identificados por David Owen inclui o seguinte:

  • Uso do poder para a autoglorificação.
  • Obsessão com a imagem pessoal.
  • Autoconfiança excessiva, acompanhada de desprezo pelos conselhos ou críticas de outras pessoas.
  • Perda de contato com a realidade.
 
  • Fala como um messias; como alguém que deixa entender que está revelando uma verdade absoluta.
  • Ações imprudentes e impulsivas.
  • Uma incompetência óbvia aparece devido ao excesso de confiança, e existe uma falta de atenção aos detalhes.

Ao investigar esses sintomas, Owen e Davidson observaram a sobreposição com outros transtornos de personalidade. Sobrepunha-se especialmente ao transtorno de personalidade narcisista.

Sete dos 14 sintomas também são sintomas do transtorno de personalidade narcisista e 2 sintomas fazem parte do transtorno de personalidade antissocial e do transtorno de personalidade histriônico.

Perfis de líderes famosos

Owen e Davidson investigaram os perfis psicológicos dos primeiros ministros do Reino Unido e dos presidentes dos Estados Unidos no poder nos últimos 100 anos, buscando exemplos de traços dessa síndrome.

Eles encontraram sete presidentes dos Estados Unidos que exibiram traços definidores de arrogância: os dois Roosevelts, Woodrow Wilson, John Kennedy, Lyndon Johnson, Richard Nixon e George W. Bush. No entanto, o único desses presidentes em que eles identificaram a síndrome de Hubris mais claramente foi Bush.

Entre os primeiros ministros do Reino Unido, foram analisados: Herbert Asquith, David Lloyd George, Neville Chamberlain, Winston Churchill, Anthony Eden, Margaret Thatcher e Tony Blair. Todos eles mostraram sinais de orgulho excessivo, mas apenas Lloyd George, Chamberlain, Thatcher e Blair manifestaram por completo a síndrome de Hubris.

 
Perfis de líderes famosos
David Lloyd George, político britânico e primeiro-ministro entre 1916 e 1922.

Os políticos não são os únicos

Os primeiros-ministros e presidentes são fontes convenientes de estudo devido à extensa informação biográfica disponível sobre eles. No entanto, a Síndrome de Hubris está relacionada ao poder e, portanto, qualquer pessoa em posições de poder, como CEOs de empresas, pode sofrer com essa síndrome.

O grande Bertrand Russell já havia identificado o fenômeno de que algo acontecia com a estabilidade mental de uma pessoa quando ela estava no poder. Ele descreveu o vínculo causal entre o poder e o comportamento aberrante, chamando-o de “a intoxicação pelo poder”.

Portanto, isso nos leva a pensar que existem pessoas com comportamentos honestos que, diante do acúmulo de poder ao longo dos anos, terminam corrompidas. Por isso, em qualquer sociedade desenvolvida, qualquer sinal de despotismo deve ser controlado com um sistema social e político que delimite o poder que recai sobre uma única pessoa.