A fascinante teoria da consciência quântica

A teoria da consciência quântica é uma possibilidade fascinante, abrindo mais portas para a pesquisa. O que chamamos de "realidade" é apenas uma ilusão da nossa mente? É a isso que essa teoria se refere.
A fascinante teoria da consciência quântica

Última atualização: 10 Abril, 2021

A teoria da consciência quântica pode ser um pouco complexa para quem não domina o assunto. A verdade é que este é um terreno confuso, mas absolutamente fascinante. Embora muitos dos seus postulados ainda estejam na fase da hipótese, conhecimento suficiente foi acumulado para torná-lo um campo altamente respeitado.

Vamos começar dizendo que a física teve duas grandes revoluções no início do século XX. Uma foi o que inspirou a famosa teoria da relatividade de Albert Einstein. A outra, a da física quântica. A relatividade marcou um ponto de virada, mas a quântica transformou completamente a maneira como entendíamos o mundo.

Na física moderna, a questão da consciência surgiu em conexão com a observação dos fenômenos atômicos. A teoria quântica mostrou que esses fenômenos só podem ser entendidos como elos de uma cadeia de processos, cujo fim é a consciência do observador humano”.
-Fritjof Capra-

A mecânica quântica se propôs, a princípio, a explicar todos os fenômenos que ocorrem no mundo, desde os extraordinariamente pequenos. Ao fazer isso, gradualmente, eles foram recebidos com grandes surpresas. A partir de tudo isso, surgiu a teoria da consciência quântica.

A consciência

O que os físicos encontraram?

Quando a tecnologia tornou possível a observação de partículas subatômicas (ou seja, aquelas que formam os átomos e são infinitamente pequenas), uma série de fenômenos estranhos foram descobertos, para dizer o mínimo.

O que os físicos descobriram e como isso se relaciona com a teoria da consciência quântica? Em primeiro lugar, vamos falar sobre as descobertas, que foram as seguintes:

  • A indeterminação da trajetória. Quando um objeto grande é lançado, ele segue uma trajetória previsível. As partículas subatômicas, pelo contrário, seguem uma trajetória indeterminada.
  • Indeterminação do impacto final. Enquanto, ao disparar uma bala, você é capaz de dizer onde ela irá atingir, ao “disparar” uma partícula subatômica isso se torna totalmente imprevisível.

Os físicos inicialmente pensaram que, talvez, as partículas subatômicas se comportassem dessa maneira por serem muito pequenas. Isso faria com que fatores como o ar, ou semelhantes, mudassem a sua trajetória e a tornassem imprevisível. No entanto, foi conduzido um experimento que levantou novas questões.

O experimento da dupla fenda

O experimento da dupla fenda, ou experimento de Young, está na base da teoria da consciência quântica. O assunto é um pouco confuso, mas tentaremos simplificá-lo o máximo possível, com a permissão dos cientistas.

Os físicos pensaram que, se minimizassem os fatores de interferência na trajetória e no impacto, fariam um objeto que foi “disparado" se comportar da mesma forma que uma partícula minúscula, também “disparada". Para isso, eles usaram duas grades, cada uma com duas aberturas. Eles dispararam objetos e partículas através delas.

No entanto, as partículas acabaram formando um padrão de faixas horizontais bem organizadas. Os objetos não. Também foi observado que as partículas conseguiam passar pelas duas fendas simultaneamente. Então, eles cobriram uma das fendas e, assim, as partículas se comportaram da mesma forma que os objetos disparados.

Os cientistas concluíram que as partículas funcionavam como ondas, e não como pequenos objetos sólidos. Ondas de quê? Eles as chamam de “ondas de probabilidade". O resultado final é que eles descobriram que o mundo do infinitamente pequeno se comporta de maneira diferente. Ele opera com uma lógica distinta.

A teoria da consciência quântica

A teoria da consciência quântica

Para fins educacionais, temos que continuar simplificando tópicos que são muito complexos. Vamos pular alguns conceitos importantes e dizer apenas que os físicos conseguiram detectar que a presença de um observador modifica o comportamento das partículas subatômicas.

Parece que a natureza muda sua maneira de se comportar quando a observamos. O físico Pascual Jordan diz isso com as seguintes palavras: “Nós mesmos produzimos os resultados das medições." Em outras palavras, o simples fato de observar a realidade a faz mudar.

Somos, basicamente, incapazes de perceber a realidade como ela é. Não existe “objetividade". Descrevemos e medimos o que percebemos, mas apenas observar algo provoca essa mudança. Werner Heisenberg colocou desta forma: “O que observamos não é a própria natureza, mas a natureza exposta ao nosso método de questionamento."

Isso significa que aqui e agora existe todo um universo cheio de fenômenos que não podemos ver, ouvir ou perceber. Para terminar de complicar as coisas, vários físicos postularam que o cérebro também tem um comportamento quântico.

Segundo a teoria da consciência quântica, somos criaturas com dois olhos, mas precisaríamos de muitos mais ou de óculos especiais para ver o que realmente acontece no que chamamos de realidade…

Pode interessar a você...
Mente quântica: como podemos transformar a nossa realidade
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Mente quântica: como podemos transformar a nossa realidade

Temos o poder de transformar a realidade e escolher os sonhos que alimentamos. Mas para isso, primeiro devemos compreender o que é a mente quântica.



  • Pastor-Gómez, J. (2002). Mecánica cuántica y cerebro: una revisión crítica. Revista de Neurología, 35(1), 87-94.