Testosterona: características e funções

A testosterona não é encontrada apenas no corpo do homem. Esse hormônio também é encontrado nos ovários e nas glândulas suprarrenais. É, portanto, um dos andrógenos (hormônios sexuais masculinos) nas mulheres.
Testosterona: características e funções

Última atualização: 27 Julho, 2021

A testosterona é um hormônio esteroide sintetizado a partir do colesterol nas células de Leydig dos testículos. Também é sintetizado nas células da teca do ovário e na zona reticular das glândulas suprarrenais (1).

A principal função da testosterona é a diferenciação testicular, cerebral e de desenvolvimento das características sexuais primárias e secundárias. Portanto, como podemos imaginar, a testosterona não é apenas o que é comumente conhecido como o hormônio masculino. Esse hormônio está presente em ambos os sexos ao nascer e cumpre sua função em todas as pessoas.

Além disso, a concepção social da testosterona como um hormônio ligado à agressividade é, em grande parte, um mito. Ela desempenha outras funções importantes para a saúde.

Funções da testosterona nos homens

Para começar, a testosterona é o principal hormônio sexual nos homens. Neles, ela desempenha uma série de funções:

  • Desenvolve o pênis e os testículos.
  • A voz se agrava durante a puberdade.
  • Permite o aparecimento de pelos púbicos e faciais desde a puberdade. Depois, ela também pode desempenhar um papel na calvície.
  • Desenvolve o crescimento ósseo e a força.
  • Tem influência na altura e na força muscular.
  • Por último, está envolvida na produção de esperma.

Homem musculoso

Quando os homens são adolescentes, eles têm pouca testosterona, por isso podem experimentar uma masculinização diferente da maioria. Por exemplo, os órgãos genitais podem não aumentar de tamanho, os pelos faciais e corporais podem ser esparsos e a voz pode não ficar mais grave.

Nos homens, os sinais do cérebro para a glândula pituitária controlam a produção de testosterona. Depois, a glândula pituitária transmite sinais aos testículos para a produção de testosterona. Assim, um “ciclo de retroalimentação” regula rigidamente a quantidade de hormônio no sangue.

Quando os níveis de testosterona aumentam muito, o cérebro envia sinais à glândula pituitária para reduzir a produção.