A importância de investir em você

Se você não se sente valioso e merecedor, pode ter dificuldade em investir em si mesmo. No entanto, começar a fazê-lo o aproximará desses objetivos e daquela vida que você tanto deseja alcançar.
A importância de investir em você

Última atualização: 25 julho, 2022

Você quer consertar seus dentes ou dar a si mesmo um novo visual, precisa fazer terapia ou adoraria seguir aquele curso de cozinha que ensinam perto de sua casa. No entanto, você sempre encontra uma boa desculpa para adiar essas despesas, minimizá-las e, finalmente, não investir em si mesmo.

Há muitas pessoas que enfrentam diariamente essas dinâmicas de autossabotagem por parte de sua própria mente. Elas sabem claramente o que querem ou o que precisam, mas nunca o fazem ou adquirem. Elas sentem que não têm dinheiro (mas, analisando bem, elas gastaram mais em seu café diário no último mês do que precisariam para esse propósito maior). Elas sentem que não têm tempo (mas muitas vezes se acham perdendo horas na frente da tela).

Por que é tão difícil decidir melhorar nossas vidas? Na realidade, freqüentemente opera em segundo plano um sentimento de falta de merecimento. Se você se identifica com o exposto, queremos ajudá-lo a se conscientizar da importância de evitar te deixar em último lugar.

Aja e comece a investir em si mesmo

A boa notícia é que essa tendência de jogar fora seus próprios propósitos pode ser revertida. A má notícia é que para isso você tem que agir. No entanto, conhecer os benefícios que dar esse primeiro passo pode lhe trazer, pode motivá-lo. Por isso, mostramos isso a seguir.

pés andando
Para ser melhor é preciso investir em si mesmo ao invés de se deixar de lado.

Permite sair da zona de conforto

É comum que muitos desses objetivos que tanto desejamos realizar envolvam sair da nossa zona de conforto. Se você nunca fez terapia, pode ter medo de que ela não seja eficaz ou que ela o confronte com aspectos que você vem reprimindo há muito tempo. Se você nunca decidiu aprender a cozinhar profissionalmente, pode temer que não esteja pronto ou seja bom o suficiente.

São esses medos – que nem sempre conseguimos identificar – que nos param e nos mantêm nessa desconfortável zona de conforto. Bem, sejamos claros: sabemos que a autorrealização está além do medo. Assim, decidir investir em si mesmo constituirá aquele salto de fé que o tirará daquele lugar que já “ficou pequeno”.

Você começa a se priorizar

Fazer um investimento em tempo, dinheiro ou em qualquer outro nível envia uma mensagem importante ao seu inconsciente: eu valho a pena. Quando você decide fazer uma mudança que envolve algum tipo de esforço, você está se tornando uma prioridade pela primeira vez. Assim, você está rompendo de maneira prática com aquelas crenças que lhe dizem que é melhor gastar dinheiro com os outros, ou desperdiçar seu tempo com lazer, do que dedicá-lo ao seu aprimoramento pessoal.

Podemos dizer a nós mesmos repetidamente que somos dignos das coisas boas da vida, mas se não demonstrarmos isso a nós mesmos com ações, essas palavras permanecerão vazias. Dessa forma, investir em você é comprometer-se a dar a si mesmo o valor que você merece.

Se para de procrastinar

Muitos profissionais podem atestar que quando uma pessoa não paga por um produto ou serviço, é muito mais provável que ela não o conclua, abandone ou desperdice. Por isso, ao fazer um investimento, estamos nos dando o impulso necessário para parar de procrastinar.

Se você inicia projetos com frequência e os deixa no meio do caminho, perde a motivação e nunca termina de alcançar seus objetivos, fazer um investimento o ajudará a parar de fazê-lo.

Melhora sua autoestima e autoconfiança

Em última análise, o maior benefício de investir em si mesmo é descobrir o quão valioso e capaz você é. Até agora você não se deu a oportunidade de provar a si mesmo, de se colocar à prova, porque os medos e as desculpas foram mais fortes. No entanto, no momento em que você decide arriscar seu tempo, seu dinheiro e sua segurança, você também pressiona o acelerador de suas próprias habilidades.

Mesmo que você comece com medo, no processo você verá que valeu a pena, e isso lhe dará motivação para continuar fazendo mudanças positivas. Desta forma, aquele primeiro passo tão difícil de dar é aquele que permite continuar a fazer grandes progressos.

Mulher com coração nas mãos
A aceitação junto com o amor próprio são duas boas maneiras de investir em si mesmo.

Investir em você é um ato de amor

Em suma, trata-se de mudar a perspectiva: você não gasta o dinheiro ou desperdiça o tempo, você o investe. Isso implica entender que o propósito é valioso e que os benefícios que ele trará excederão em muito esse investimento. Ao tomar essa decisão, você está fazendo uma declaração de amor, uma declaração de intenções: você é importante e vou apostar em você.

Não é fácil fazer essa mudança de paradigma; a mente resiste e nos oferece milhares de desculpas e possíveis riscos que nos convidam a não ousar. No entanto, uma vez que você comece, tudo mudará, porque você estará mudando sua visão de si mesmo.

Assim, inscreva-se naquele curso, realize aquele tratamento, inicie seu processo de terapia ou simplesmente compre aquela camisa que tanto te favorece. Cada pequena ação diária pode ajudá-lo a aumentar o sentimento de merecimento e permitir que você melhore sua vida.

Pode interessar a você...
Por que nossa autoestima é importante?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Por que nossa autoestima é importante?

Identificar como nos sentimos é a chave para entender a nós mesmos e aos outros. Como a autoestima influencia nossas vidas? Descubra.



  • Bernal, A. (2002). El concepto de «Autorrealización» como identidad personal. Una revisión crítica. Cuestiones Pedagógicas. Revista de Ciencias de la Educación, (16).
  • Wood, J. V., Heimpel, S. A., Manwell, L. A., & Whittington, E. J. (2009). This mood is familiar and I don’t deserve to feel better anyway: Mechanisms underlying self-esteem differences in motivation to repair sad moods. Journal of Personality and Social Psychology, 96(2), 363–380. https://doi.org/10.1037/a0012881