Bulbo raquidiano: estrutura e funções

O bulbo raquidiano é tão importante para o nosso organismo que conecta nosso encéfalo à medula espinhal.
Bulbo raquidiano: estrutura e funções

Última atualização: 22 Abril, 2021

O bulbo raquidiano é uma estrutura subcortical localizada na parte baixa do tronco encefálico. Nela, podem ser encontradas conexões nervosas que realizam funções sensoriais e motoras. Mas, o que ela faz exatamente? Qual é a sua importância?

Vamos responder a estas perguntas e vamos explicar alguns dados curiosos sobre essa estrutura do nosso cérebro, que é tão importante para a nossa sobrevivência, neste artigo.

Bulbo raquidiano

Estrutura do bulbo raquidiano

O bulbo raquidiano é a estrutura mais caudal do tronco encefálico. Sua forma é parecida com a de um cone e conecta o encéfalo à medula espinhal. Entretanto, ela não é homogênea, tanto em nível de composição quanto de função. Além disso, é formada por diferente núcleos, nos quais existem estruturas muito relevantes, como as seguintes:

  • Pirâmides bulbares. Encontram-se na base do bulbo raquidiano e nelas se destacam os feixes de fibras nervosas que conectam o bulbo raquidiano com o córtex e a coluna vertebral. É aqui que ocorre a decussação piramidal – especialmente as vias motoras -, ou seja, ocorre o cruzamento das fibras nervosas de um lado para o outro. Isso explica por que o córtex cerebral é responsável por controlar os movimentos do lado oposto do corpo.
  • Pedúnculos cerebelares inferiores. Estão localizados na área póstero-lateral. Eles conectam o cerebelo com a parte superior do bulbo raquidiano. As fibras nervosas passam por eles.
  • Lemniscos. São feixes de fibras nervosas que transmitem informações entre o encéfalo e a medula espinhal. Os feixes de fibras lemniscais também se decussam, mas transportando informações sensoriais.
    • Lemnisco medial: trata-se de uma estrutura alongada, fina e altamente mielinizada, que se encontra em cada lado da linha mediana do bulbo raquidiano. Carrega informações provenientes dos núcleos grácil e cuneiforme. Ela está localizada atrás das fibras cerebrais e entre as olivas bulbares.
    • Fascículo longitudinal medial: é uma região localizada próxima a cada lemnisco medial. Possui inúmeras fibras ascendentes e descendentes. Sua função é vital para as mudanças de posição da cabeça e para a coordenação dos movimentos dos olhos.
  • Complexo olivar. Está localizado no tronco encefálico, parte na protuberância e parte no bulbo raquidiano. É um conjunto de núcleos ovais, semelhantes a uma azeitona. Eles regulam os movimentos musculares voluntários.

Núcleos do bulbo raquidiano

Os núcleos consistem em massas neurais claramente diferenciadas. Vejamos alguns deles:

  • Núcleo do trigêmeo. Encarregado de transmitir a informação relativa à dor, à temperatura e ao tato.
  • Núcleo motor dorsal do vago. Passa pelo nervo vago, daí seu nome. São redes neurais que controlam o sistema nervoso entérico.
  • Núcleo ambíguo. Pertencem e se iniciam neste núcleo: vago, acessório e glossofaríngeo, que se encarregam dos músculos da faringe e da laringe.
  • Núcleo do trato solitário. Encarregado do controle da sensibilidade visceral. Além disso, participa da percepção gustativa.

Funções do bulbo raquidiano

O bulbo raquidiano está envolvido em várias funções vitais para o organismo. Na verdade, a destruição dessa estrutura ou a cessação do seu funcionamento leva à morte.

Controle de funções autônomas

O bulbo raquidiano é responsável pelo controle das funções involuntárias das vísceras e pela manutenção da homeostase. Por exemplo:

  • Sistema cardiovascular. É responsável por manter a pressão arterial, regular o ritmo cardíaco e manter a vasoconstrição.
  • Respiração. O bulbo raquidiano é responsável por regular a respiração, ou seja, administrar a função respiratória.
  • Digestão. Gerencia os músculos involuntários que estão envolvidos no processo da digestão. Também regula a secreção de sucos digestivos e participa dos processos de deglutição.

Além disso, o bulbo raquidiano também cuida de outras ações involuntárias:

  • Tosse
  • Vômito
  • Espirro
Mulher espirrando

Controle sensorial

O bulbo raquidiano também é responsável pela transferência de informação sensorial entre o sistema periférico e o sistema nervoso central. Para isso, conecta os dois sistemas e envia informação ao tálamo que, posteriormente, se comunica com o resto do cérebro.

Problemas associados ao bulbo raquidiano

No bulbo raquidiano existem alguns nervos cranianos (IX, X, XI, XII). Seus danos causam problemas nas regiões e funções que controlam:

  • Nervo glossofaríngeo ou nervo craniano IX. Coleta as informações gustativas e as informações sensitivas da faringe. Ele facilita a deglutição, coordenando vários músculos do pescoço. Além disso, transmite sinais para a glândula salivar.
  • Nervo vago ou nervo craniano X. Também é conhecido como pneumogástrico. Inerva a faringe, o esôfago, a traquéia, os brônquios, o coração, o estômago e o fígado. Ou seja, ele regula nosso sistema autônomo.
  • Nervo acessório ou nervo craniano XI. Também é conhecido como espinhal. É responsável pelo movimento de rotação da cabeça (cefalogiro). Portanto, intervém nos movimentos da cabeça, pescoço e ombros.
  • Nervo hipoglosso ou nervo craniano XII. Ele intervém nos músculos da língua e na ação de engolir.

Se um deles falhar, o corpo pode ter problemas para engolir e inclusive para se movimentar. Assim, quando essa estrutura do nosso organismo não funciona de forma adequada, podemos experimentar:

  • Dificuldade ou paralisia de movimentos
  • Problemas respiratórios e cardíacos
  • Vertigem
  • Dificuldade para engolir
  • Perda da consciência
  • Fraqueza
  • Letargia
  • Problemas visuais e auditivos

Como podemos ver, o bulbo raquidiano é tão importante que, sem ele, estaríamos arriscando a nossa sobrevivência. Embora tenha aproximadamente 3 centímetros de comprimento e 2 de largura, não podemos subestimá-lo.

Pode interessar a você...
Sistema nervoso simpático: características e funções
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Sistema nervoso simpático: características e funções

Situações caracterizadas por estresse, ansiedade ou a clara sensação de perigo são reguladas pelo o sistema nervoso simpático. Saiba mais sobre ele!



  • Bear, M. F. Connors, B. W., Paradiso, M.A., Nuin, X. U., Guillén, X. V. & Sol Jaquotot, M. J. (2008). Neurociencias: la exploración del cerebro. Wolters Kluwer/Lippincott Williams & Wikins
  • De Faes, G. M., Moyano, B.S., Extremera, V.C., Vinues, B.M., Fernández, M. G, Jiménez, M.P., & Rojas, M. R.F. (2018). Revista de neurología, 67(10), 382-386.
  • Kandel, E.R; Schwartz, J.H. & Jessell, T.M. (2001). Principios de neurociencia. Madrid: McGrawHill Interamericana.