O cérebro canhoto: principais diferenças

janeiro 20, 2020
Em um mundo para destros, o cérebro canhoto é forçado a fazer uma série de adaptações. Falamos de gerar e aplicar estratégias que possam torná-lo mais hábil a nível psicomotor e cognitivo.

Você já pensou nas dificuldades que os canhotos enfrentam em um “mundo feito para destros”? Atualmente, a maioria dos designs são feitos pensando em pessoas destras. Embora existam ferramentas que pensem nos canhotos, nem todos têm acesso a elas. Isso cria uma necessidade de adaptação por parte daqueles que têm uma dominância esquerda, ou seja, um cérebro canhoto.

Hoje, queremos tentar esclarecer quais particularidades o cérebro canhoto tem, além das necessidades de adaptação que ele requer. Também tentaremos entender como os canhotos configuram suas atividades a nível cerebral e como isso pode mudar. Vamos levar em conta um amplo espectro de variáveis: desde a anatomia até o seu desempenho nas atividades diárias.

Cérebro sobre fundo azul

Lateralidade no cérebro canhoto

Podemos dizer que uma pessoa canhota é aquela que tem a dominância ou preferência corporal esquerda. Portanto, prioriza a utilização do seu pé, olho, mão e ouvido esquerdo para realizar qualquer atividade. Isso é definido pela lateralidade cerebral.

A lateralidade se desenvolve a partir da psicomotricidade. Ela engloba conceitos como o desenvolvimento do esquema corporal, desenvolvimento muscular para fazer algumas atividades, e o equilíbrio necessário para desempenhá-las.

Portanto, no corpo dos canhotos, o processo de psicomotricidade é diferente do que acontece nos destros. O canhoto fortalece e dá preferência ao seu lado esquerdo do corpo.

No que diz respeito à lateralidade cerebral, o processo é diferente. Para explicar este ponto, é importante esclarecer a preferência hemisférica encontrada na maioria dos cérebros. No hemisfério esquerdo há um maior controle sobre as funções da linguagem e o processamento sequencial de informação.

O hemisfério direito, por outro lado, se relaciona majoritariamente com atividades espaciais e de informação corporal.

Portanto, a lateralidade cerebral no cérebro canhoto costuma ter a mesma organização, mas a funcionalidade costuma ser diferente. Ou seja, a maneira como o lado esquerdo do corpo foi estimulado fez com que a distribuição do esquema corporal, o desenvolvimento muscular e o equilíbrio fossem estimulados de uma forma diferente. Nesse caso, o cérebro prioriza áreas do hemisfério direito, sem deixar de lado o hemisfério esquerdo.

Nesse sentido, é importante destacar que a definição completa da lateralidade do cérebro coincide com uma etapa de aquisição de diversas habilidades escolares. Este fato pode ter um impacto no desenvolvimento das mesmas.

Habilidades escolares em pessoas canhotas

A lateralidade implica a utilização preferencial de uma mão para fazer atividades escolares, como escrever. Com esse processo de aprendizagem, são gerados circuitos sensitivos e motores em áreas implicadas na escrita.

No cérebro canhoto, apesar de estes circuitos se desenvolverem adequadamente, pode haver dificuldades nessa atividade. Isso se deve ao fato de que, por causa da sua maneira de escrever, o canhoto não consegue ver com clareza o que está fazendo.

Isso faz com que eles sejam mais propensos a cometer erros no processo de aprendizagem. Além disso, eles também costumam manchar as mãos com a tinta quanto praticam esta atividade.

Por outro lado, também foram observadas dificuldades na leitura. Isso se deve ao fato de que a orientação inata seria a de ler da direita para a esquerda, ao contrário do que ocorre em idiomas como o português e o inglês, nos quais a leitura ocorre da esquerda para a direita.

Isso cria dificuldades na organização da leitura, provocando uma possível demora na aquisição desta habilidade.

Outra das dificuldades no âmbito escolar é a fadiga rápida que os canhotos apresentam ao realizar atividades com lápis e papel ou manuais, como cortar.

Eles costumam ser mais lentos no desenvolvimento dessas atividades, já que precisam calcular a direção dos seus traços. Além disso, devem ser mais cuidadosos para não manchar seus trabalhos devido ao deslocamento da mão sobre seus traços.

O cérebro canhoto tem alguma vantagem na criatividade? 

Entre as características que são atribuídas ao hemisfério esquerdo, se encontram as habilidades espaciais e visuais, a criatividade, a capacidade de síntese e o talento artístico. Portanto, surgiu a ideia de que o cérebro canhoto é mais sensível, criativo e imaginativo. 

Isso se deve à estimulação que ocorre neste hemisfério durante o seu desenvolvimento, podendo dar mais importância a esta característica. Assim, os canhotos desenvolveriam com mais facilidade tarefas que requerem uma maior criatividade, como a arte.

Alguns dos exemplos mais renomados de pessoas canhotas são artistas reconhecidos mundialmente, como Leonardo Da Vinci, Rafael e Michelangelo.

Ainda assim, é importante esclarecer que o fato de ser destro não impede o desenvolvimento desta capacidade. O que ocorre é que o cérebro canhoto, por ter esta estimulação constante, pode ter vantagens no desenvolvimento destes aspectos.

Características psicológicas do cérebro canhoto

Estudos realizados através de imagens funcionais descobriram que o tamanho do corpo caloso é maior no cérebro canhoto. A explicação para este ponto reside no fato de que, para integrar adequadamente a informação e desenvolver corretamente as atividades, o cérebro precisa gerar mais conexões inter-hemisféricas.

Além disso, foi descoberto que, no cérebro canhoto, o sentido de direcionalidade e rotação é diferente. Em atividades em que os canhotos precisam rotacionar algum elemento, o fazem no sentido dos ponteiros do relógio.

Outro ponto interessante é a forma como ocorre o processamento da informação gráfica, da direita para a esquerda. Tudo isso criou vantagens, como abstrair com mais facilidade objetos tridimensionais e desenvolver de maneira mais precisa a visuoespacialidade.

Outra das características encontradas em pessoas com predominância do hemisfério direito tem a ver com a forma como adquirem conhecimentos do meio. Nesse caso, eles tendem a fazer um esquema do conjunto, para depois se centrar nos detalhes. Isso facilita que alcancem coerências ou soluções não convencionais para problemas cotidianos.

O cérebro das pessoas canhotas

Flexibilidade e adaptação

Em muitos casos, as pessoas com um cérebro canhoto são submetidas à pressão desde que são crianças para se adaptarem a um mundo que é feito para os destros. Como efeito secundário, esta pressão, em muitos casos, faz com que os canhotos sejam mais hábeis a nível psicomotor. Eles também teriam melhores conexões inter-hemisféricas, facilitando a aprendizagem de novas informações.

Esta capacidade de adaptação também aumenta a flexibilidade, especialmente a cognitiva. Isso lhes proporciona uma maior competência em atividades relacionadas com habilidades de multitarefa e para estabelecer soluções inovadoras e adaptadas a demandas mutáveis.

Conclusão

Para concluir, é importante entender que os canhotos vivem em um mundo desenhado e pensado para os destros. Assim, são eles que, em muitos casos, precisam se adaptar. Isso faz com que o cérebro canhoto treine algumas estratégias que possam lhe proporcionar uma vantagem cognitiva em algumas situações.

Apesar de existirem dificuldades na aquisição de aprendizagem da leitura e da escrita, eles desenvolvem estratégias para completar este aprendizado. Da mesma forma, as vantagens na criatividade decorrentes da estimulação do hemisfério direito fazem com que seu cérebro tenha uma facilidade maior para criar soluções alternativas.

  • Andrade-Valbuena, L. P. (2016). Diferencias en flexibilidad cognitiva entre zurdos y diestros manuales. Recuperado de https://reunir.unir.net/handle/123456789/4573
  • Pérez, J. A. P. (2009). Cerebro Derecho, Cerebro Izquierdo. Implicaciones Neuropsicológicas de las Asimetrías Hemisféricas en el Contexto Escolar. Psicología educativa, 15(1), 5-12.
  • Taco, C. L. A. (2014). Lateralidad zurda, un problema y una solución. Alétheia, 2(1), 29-38. https://doi.org/10.33539/aletheia.2014.n2.1089