Neurossexismo: as supostas diferenças no cérebro de cada sexo

maio 1, 2019
O neurofeminismo aparece em contrapartida ao neurossexismo. Isto se deve, logicamente, às hipóteses sobre as diferenças entre os cérebros masculino e feminino que são baseadas em resultados falsos.

Quando se trata de pesquisa neurocientífica, há anos tentamos perpetuar as diferenças no cérebro entre homens e mulheres. O neurossexismo se refere a essa questão. Assumir que, dependendo do sexo com o qual a pessoa nasce, existem diferenças de tamanhos e/ou formas de determinadas partes do cérebro.

A pesquisa na neurociência se vale do que chamam de neuromitos. Eles têm sido usados em muitas ocasiões como base para afirmar as diferenças no cérebro entre mulheres e homens. É um fato curioso que uma grande parte da comunidade neurocientífica aceita. De fato, poucas pessoas, a maioria mulheres, ousam questionar esses mitos.

A professora Sonia Reverter-Bañón, da Universidade Jaume I de Castellón, explica a sua reflexão crítica sobre o neurossexismo.

Pensamento crítico vs. neurossexismo

Em seu trabalho, Reverter-Bañón explica uma história curiosa. Em 1915, um neurologista chamado Charles Dana expressou a sua opinião sobre o voto feminino no New York Times. Isto é o que o médico disse:

“Se as mulheres alcançarem o ideal feminista e viverem como homens, elas correrão um risco de demência 25% maior do que temos agora”.

Em que ele se baseou para expressar essa ideia? Bem, aparentemente ele disse isso porque a metade superior da medula espinhal, que controla as extremidades e a pelve, é menor nas mulheres. Isso afetaria, segundo o médico, a eficácia das mulheres na avaliação de iniciativas políticas ou autoridade judicial. Portanto, segundo esse cientista, a participação das mulheres na política seria “perigosa para a sua saúde”.

Essas palavras, segundo a professora Reverter-Bañón, poderiam ser classificadas como “pensamento pseudocientífico”. Com esse rótulo, se refere a crenças que, de maneira preconceituosa e não científica, são mantidas pela própria comunidade científica.

Assim, o Dr. Dana é um exemplo do que, por muitos anos, a comunidade científica estabeleceu como uma espécie de obviedade. Ou seja, as diferenças no sistema nervoso entre homens e mulheres.

Conexões cerebrais

Neuromitos e Neurossexismo

Um neuromito, conforme definido pela OCDE (2002) em seu texto sobre neuromitologias, é um equívoco. Uma má interpretação ou mesmo uma “distorção deliberada” de fatos científicos com um propósito específico (3).

Por sua vez, o termo neurossexismo é um neologismo. Ele pretende ser o rótulo que engloba todos os posicionamentos e teorias que usam as pesquisas neurocientíficas para reforçar ideias predeterminadas sobre as diferenças inerentes entre os sexos.

O termo foi usado pela primeira vez por Cordelia Fine em 2008. Então, tornou-se popular como resultado de seu livro Delusions of Gender: How Our Minds, Society e Neurosexism Create Difference, 2010 (1).

O neurofeminismo aparece em contrapartida ao neurossexismo. Isto se refere, logicamente, às hipóteses sobre as diferenças entre os cérebros masculino e feminino que são baseadas em resultados falsos.

Resultados que apresentam, além da má qualidade, metodologias ruins, premissas não comprovadas e conclusões prematuras. Além disso, há uma apreciação insuficiente da profundidade e abrangência dos padrões culturais, crenças e expectativas em nossas mentes. Também a verificação de uma contaminação nas neurociências pelos preconceitos que norteiam a investigação deste campo específico. 

Assim, ao estudar as diferenças sexuais no cérebro, os seguintes problemas têm um grande impacto.

1. Confusão entre os conceitos de ‘sexo’ e ‘gênero’

Segundo Reverter-Bañón, o gênero é considerado o principal elemento de continuidade de papéis. Estes podem ser patriarcais ou não, na educação, na cultura e nos diferentes processos de socialização do indivíduo (4).

Em geral, entendemos que o gênero parte da dualidade dos sexos. No entanto, quando fazemos essa dedução, não estamos considerando alguns termos, como transgênero ou intragênero. Assim, há uma diferença sexual biológica e uma construção de gênero diferenciada; pelo menos não de uma visão crítica das ciências (1).

Dessa forma, continua Sonia, é necessária uma análise da pesquisa do sexo. Realmente, existe uma base científica que dê sentido à separação dos sexos (pré-sociais) em papéis diferenciados e diferentes (sociais) educações?

Diferenças entre os sexos

2. Insuficiência de evidências e preconceitos que orientam as conclusões

Como alguns autores indicam e alguns estudos com metadados confirmam (7, 8, 9), as supostas evidências científicas não nos levam de forma cientificamente comprovada às conclusões de que as diferenças sexuais estão no cérebro. Assim, de acordo com C. Vidal (2011), três ideias devem ser esclarecidas nesse sentido:

  • As diferenças no cérebro de uma pequena amostra de participantes não são estatisticamente significativas. A evidência deixou claro que quando há um grande número de sujeitos analisados, as diferenças de gênero geralmente desaparecem. Isto é devido à variabilidade interindividual do funcionamento cerebral.
  • Os resultados foram geralmente obtidos em um contexto de laboratório artificial.
  • Se forem dados obtidos através de ressonância magnética, a sua visualização apenas fornece uma imagem fixa do estado pontual do cérebro de um indivíduo. Isso não pode nos fornecer evidências diretas sobre os fatores biológicos ou os processos socioculturais que influenciaram esse estado.

Assim, parece necessário atualizar as contribuições científicas sobre essas supostas diferenças no cérebro entre homens e mulheres. O neurossexismo é uma sombra sobre a qual temos a oportunidade de lançar luz tanto a partir do feminismo quanto de uma neurociência crítica com os pensamentos que uma boa parte da sociedade assimilou sem questionar.

  1. Reverter Bañón, S. (2016). Reflexión crítica frente al neurosexismo.
  2. Bem, S. L. (1983). Gender schema theory and its implications for child development: Raising gender-aschematic children in a gender-schematic society. Signs: Journal of women in culture and society, 8(4), 598-616.
  3. Pallarés Domínguez, D. V. (2016). Neuroeducación en diálogo: neuromitos en el proceso de enseñanza-aprendizaje y en la educación moral.
  4. Bañón, S. R. (2010). La deriva teórica del feminismo. Daimon Revista Internacional de Filosofia, 153-162.
  5. Vidal, C. (2012). The sexed brain: Between science and ideology. Neuroethics, 5(3), 295-303.
  6. JORDAN-YOUNG, R. M. (2010), Brain Storm: The Flaws in the Science of Sex Differences. Harvard University Press.
  7. Hyde, J. S. (2005). The gender similarities hypothesis. American psychologist, 60(6), 581.
  8. Hyde, J. S. (2006). Gender similarities still rule.
  9. Hyde, J. S. (2007). New directions in the study of gender similarities and differences. Current Directions in Psychological Science, 16(5), 259-263.