Diferenças entre probióticos e prebióticos

Os primeiros contêm microrganismos vivos e os segundos são um tipo especial de fibra alimentar, mas ambos são importantes para a nossa saúde. Falamos sobre as diferenças entre probióticos e prebióticos a seguir.
Diferenças entre probióticos e prebióticos

Última atualização: 21 agosto, 2021

Probióticos e prebióticos são compostos benéficos para a microbiota intestinal. A microbiota é o conjunto de bactérias que habitam o corpo, incluindo diversos tipos muito diferentes.

Tanto os probióticos quanto os prebióticos são capazes de determinar a eficiência do metabolismo, a resposta imunológica e a absorção de nutrientes. No entanto, existem diferenças importantes. Se você quiser conhecê-las, este artigo é para você.

O que são os probióticos?

Os probióticos são um grupo de bactérias que comprovadamente geram benefícios para a microbiota e para a saúde humana. Nem todos os microrganismos que são consumidos ou que estão presentes nos alimentos possuem essas características; inclusive, alguns deles são patogênicos.

Como regra geral, os probióticos são encontrados em produtos lácteos fermentados e suplementos. Sua inclusão na dieta regular pode ajudar a prevenir diarreia associada a antibióticos, de acordo com um estudo publicado no Journal of Clinical Gastroenterology. Eles são até capazes de melhorar a saúde mental, por mais difícil que possa parecer.

Agora, os suplementos probióticos são um mundo à parte. É possível encontrar diferentes formas de apresentação, uma grande variedade de linhagens e uma maior ou menor quantidade de unidades formadoras de colônias. Se falarmos sobre os benefícios para a nossa saúde, não é a mesma coisa consumir um ou outro.

O que são os prebióticos?

Os prebióticos são um conjunto de fibras solúveis capazes de fermentar a nível intestinal, servindo como substrato energético para as bactérias que vivem lá. Poderíamos dizer que os prebióticos são o alimento dos probióticos. Você pode encontrar produtos que possuem os dois elementos e são conhecidos como simbióticos.

No entanto, deve-se ter em mente que o crescimento promovido pelos prebióticos não é seletivo. Isso significa que as bactérias benéficas e patogênicas encontradas dentro do corpo irão se proliferar. Em condições normais isso não é um problema, mas se houver um quadro de disbiose – alteração da microbiota – pode gerar efeitos negativos.

Entre os alimentos que se destacam pela sua concentração de prebióticos, destacam-se a aveia e a maçã. Este cereal possui em seu interior fibras conhecidas como beta-glucanas. Esses compostos são capazes de ajudar a aumentar a densidade da microbiota, conforme afirma uma pesquisa publicada no The Journal of Nutritional Biochemistry .

Maçã e aveia

A importância de consumir probióticos e prebióticos

É fundamental garantir a ingestão regular de probióticos e prebióticos, além de considerar sua suplementação em alguns momentos. Ambos os elementos são capazes de melhorar o estado de saúde, atuando principalmente no que diz respeito à função digestiva.

No entanto, deve-se levar em consideração que a microbiota está relacionada a muitos outros órgãos do corpo humano. Por exemplo, existe um sistema de comunicação bidirecional conhecido como eixo intestino-cérebro. Alterações em um dos dois órgãos afetam o outro. Dessa forma, se houver perda de densidade ou diversidade da flora intestinal, o risco de sofrer de distúrbios emocionais pode aumentar.

De uma forma ou de outra, se a presença de lácteos fermentados e alimentos vegetais for garantida na dieta, não deve haver problema com a ingestão de probióticos e prebióticos. Se, por acaso, forem detectadas alterações na função intestinal ou digestiva, é melhor consultar um especialista para avaliar a necessidade de suplementação.

Cérebro em conexão com neurônios no intestino

Probióticos e prebióticos: compostos importantes, mas diferentes

Como você pôde ver, probióticos e prebióticos não são a mesma coisa. Ainda assim, ambos os conceitos estão intimamente relacionados à saúde intestinal. A digestão ideal depende deles. Com eles temos o poder de influenciar positivamente o nosso metabolismo. Por outro lado, uma ingestão ineficiente de algum deles pode ter consequências negativas para a nossa saúde.

Por fim, é necessário ressaltar que para cuidar da microbiota é fundamental priorizar a ingestão de alimentos in natura em detrimento dos ultraprocessados industrializados. Estes últimos possuem em seu interior açúcares simples, gorduras trans e aditivos que condicionam a diversidade bacteriana no intestino.

This might interest you...
Fibromialgia e probióticos: como eles estão relacionados?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Fibromialgia e probióticos: como eles estão relacionados?

Um estudo da Universidade de Almeria (Espanha) analisou a relação entre fibromialgia e probióticos. Saiba quais foram as suas descobertas.



  • Velasco, M., Requena, T., Delgado-Iribarren, A., Peláez, C., & Guijarro, C. (2019). Probiotic Yogurt for the Prevention of Antibiotic-associated Diarrhea in Adults: A Randomized Double-blind Placebo-controlled Trial. Journal of clinical gastroenterology53(10), 717–723. https://doi.org/10.1097/MCG.0000000000001131
  • Jayachandran, M., Chen, J., Chung, S., & Xu, B. (2018). A critical review on the impacts of β-glucans on gut microbiota and human health. The Journal of nutritional biochemistry61, 101–110. https://doi.org/10.1016/j.jnutbio.2018.06.010